Sabor Amargo

“Uma história pode te ajudar a seguir vivendo, disse ele, mas ela não te mantém literalmente vivo – aliás, na maioria das vezes, as pessoas que têm poder transformam a história delas em um muro de tijolos que afasta a verdade dos outros, para que elas possam seguir na vida que acreditam levar, tentando de alguma forma preservar a ideia de serem boas pessoas em suas vidinhas, apesar de seu envolvimento, por mais indireto que seja, com males maiores. Ele disse que sempre pensava nas pessoas que iam comer os morangos vírgulas limões e melancias que ele colhia para de lixos, na aparência que essas pessoas tinham, como podiam descascar a fruta, que sabor a fruta teria, talvez na salada de frutas que elas iam fazer, ou numa torta.

Mas tenho certeza que elas nunca pensaram em mim, disse Sirius. Não, não de trás daquele muro de tijolos”.

. James Hannaham in Sabor Amargo .

Capaz

“E aí você ama… E desconhece sua vida anterior sem aquela pessoa. Desconhece as promessas, e aquele fogo que te corrói por dentro queima as relíquias de tudo aquilo que você acreditava ter aprendido. Aprendeu p**** nenhuma. Antes, você existe o tempo todo. Agora, nunca. Apenas isto é capaz de destruir uma mulher: ausência. Mas também é a única coisa capaz de construí-la”.

Paula Febbe in Vantagens que Encontrei na Morte de Meu Pai .

Pessoas

“As pessoas são assim. Tem certezas de que não querem mais ficar onde estão, mas quando vão embora, querem voltar. Acho que é o corpo pedindo para ser protegido, pedindo para ficar em algum lugar familiar”.

Paula Febbe in Vantagens que Encontrei na Morte de Meu Pai .

Desapareça

“Afinal, é isso que fazemos, não é? Olhamos para o lado que nos agrada e esperamos com toda a força que aquilo que odiamos desapareça assim que viramos o rosto”.

. Paula Febbe in Vantagens que Encontrei na Morte de Meu Pai .

Ninguém

“As ruas estavam vazias. Tranquilas. Ele havia acabado de dar três tiros em um estudante, e ninguém sequer abriu a janela para ver o que tinha acontecido”.

#MarcodeCastro in Morto Não Fala e Outros Segredos de Necrotério.

Infância

“A infância é o molde dos monstros”

#VerenaCavalcante in Inventário de Predadores Domésticos.

12.03[22] – Dia do Bibliotecário

“Toda vida sonhei ser bibliotecário – disse. É a única coisa para que sirvo”. #GabrielGarciaMarquez in Do Amor e Outros Demônios.

Comemora-se no dia 12 o Dia do Bibliotecário em homenagem ao engenheiro e bibliotecário por vocação, Manuel Bastos Tigre. Ele nasceu no dia 12 de março de 1882 e, ao terminar o curso de Engenharia, em 1906, resolveu fazer aperfeiçoamento em eletricidade, no Estados Unidos. Uma vez lá, conheceu o bibliotecário Melvil Dewey, que instituiu o Sistema de Classificação Decimal.

Este encontro foi decisivo na sua vida, porque, em 1915, aos 33 anos de idade, largou a engenharia para trabalhar com biblioteconomia. Prestou concurso para bibliotecário do Museu Nacional do Rio de Janeiro e se classificou em primeiro lugar, com o estudo sobre a Classificação Decimal. Transferido, em 1945, para a Biblioteca Nacional, onde ficou até 1947, assumiu depois a direção da Biblioteca Central da Universidade do Brasil, na qual trabalhou, mesmo depois de aposentado.

➡️Fonte: @ibgeoficial

Na foto, separei alguns dos livros que tenho aqui em casa sobre bibliotecas:

📚 Encaixotando minha biblioteca #AlbertoManguel:
No verão de 2015, Alberto Manguel se preparou para mais uma mudança. Nesse momento, o escritor começa a relembrar sua relação com os livros e as bibliotecas (públicas e privadas) que já passaram por sua vida.

📚Biblioteca #LuisMilanesi:
Uma nova proposta para a biblioteconomia: é o que Luís Milanesi, professor da Universidade de São Paulo, trouxe com esta obra.

📚Bibliotecas no Mundo Antigo #LionelCasson:
Esta deliciosa obra conta a história das bibliotecas antigas desde suas origens, quando “livros” eram tábuas de cerâmica e a escrita, um fenômeno novo.

📚 A Biblioteca A Noite #AlbertoManguel:
Os valores e sentidos representados no ato de colecionar livros são esmiuçados: afinal, ao longo da história as bibliotecas simbolizaram as aspirações e pesadelos mais díspares da humanidade.

Tenho muito orgulho de ser bibliotecária e desejo a todos que escolheram essa profissão maravilhosa um FELIZ DIA DO BIBLIOTECÁRIO 🥰📚❤

_______________________📖
#blogentreaspas#diadobibliotecário#amoserbibliotecária

Resenha: Filhos de Sangue e Outras Histórias

Livro: Filhos de Sangue e Outras Histórias
Autora: Octavia E. Butler
Editora: @editoramorrobranco
Páginas: 240
Nota: 4,5/5

Meu segundo contato com a narrativa de Octavia e estou cada vez mais apaixonada pelo estilo impactante de suas histórias. Não a toa é conhecida como A Dama da Ficção Científica e quebrou muitos paradigmas sendo negra e mulher nesse gênero naturalmente masculino.

Nessa coletânea de contos e ensaios, escritos de forma quase acidental conforme a própria autora, que diz tê-los escritos enquanto realizava pesquisas para outros trabalhos, traz muitos assuntos importantes e nos transporta para mundos fantásticos criados pela incrível imaginação de Butler e que servem de palco para a reflexão de problemas reais e muito atuais da nossa sociedade. Além disso, todos os contos e ensaios possuem notas da autora contando a inspiração e o processo de criação e desenvolvimento de suas ideais, o que ajuda muito na compreensão e na experiência da leitura.

Octavia é simplesmente fantástica e de cara nos traz o conto que dá nome à coletânea e que ganhou todos os prêmios possíveis da categoria como o Hugo, Nebula e Locus. “Filhos de Sangue” traz uma realidade avassaladora onde humanos vivem em uma reserva e são cuidados por alienígenas com o intuito de usar seus corpos como repositórios para a reprodução e continuidade de sua espécie. O conto aborda assuntos como simbiose, poder e escolhas de forma sensacional. A maneira como Butler vai soltando os detalhes dos alienígenas aos poucos até que consigamos formar uma imagem da situação é fabulosa e digna de uma grande talento narrativo.

Com certeza este é um dos meus contos favoritos, seguido de Sons da Fala, O Entardecer, a Manhã e a Noite e Anistia, porém todos os contos dessa coletânea tem sua importância, com a única ressalva de que alguns deles teriam feito mais sentido ou tido maior relevância se colocados em ordem diferente na coletânea. Para finalizar, o livro também traz como texto complementar, perguntas que a autora elaborou para serem respondidas após a leitura de seus textos e que complementam a leitura.

Super recomendo a leitura!
#blogentreaspas#scifi#leiamaismulheresnegras#love

[2021] Feliz Natal!

Acho que todo mundo já sabe que eu o Grinch e não sou fã dessa época, mas eu fiz a releitura desse livro maravilhoso do autor João Cabral de Melo Neto e gostaria de compartilhar com vocês, em especial a parte do poema intitulada Auto de Natal.

Severino, o protagonista, depois de uma longa jornada — sua penitência — fugindo da seca, chega a capital e continua encontrando apenas a miséria e a morte. No entanto, quando está pensando em acabar logo com essa vida de sofrimento, é abordado por outro severino anunciando o nascimento de seu filho.

Essa parte é claramente uma referência ao nascimento de Jesus. O pai da criança se chama José, o nascimento é apresentado como um presépio e os vizinhos trazem presentes — simples lembranças de pessoas pobres que apresentam ao menino como “Minha probreza é” — como os três Reis Magos.

“E não há melhor resposta
que o espetáculo da vida:
vê-la desfiar seu fio,
que também chama vida,
ver a fábrica que ela mesma,
teimosamente, se fabrica,
vê-la brotar como há pouco
em nova vida explodida;
mesmo quando é assim pequena”

O fim desta obra, que parecia óbvio na morte, acaba sendo a vida! Vida essa que insiste em continuar acontecendo, mesmo em meio à tanta miséria e desolação. Morte e Vida Severina é um poema trágico, melancólico e que nos traz imensas reflexões, nos tira da zona de conforto e nos faz desconfortáveis diante de uma realidade seca.

Pensei em trazer esse texto para nossa reflexão nesta noite de Natal, para nos lembrar dos verdadeiros sentimentos que deveria nos despertar, não só hoje, mas em todos os dias do ano: renascimento, fé, amor em todas as suas formas, empatia e caridade.

Que possamos também nos lembrar e fazer uma oração, independente da fé de cada um, a todos os que perderam entes queridos nesses últimos dois anos tão difíceis que temos vivido.

“Só uma coisa era fundamental (e dificílima): acreditar”.
#CaioFernandoAbreu in Pequenas Epifânias

Feliz Natal 🎄🕊💕
#blogentreaspas #euapoioliteraturanacional #natal #amor

Resenha: Sara

Livro/Conto: Sara
Autor: Fernando Rômbola @fernando.rombola
Editora: Independente/@amazonbrasil
Páginas: 31
Nota: 4/5

Sara é uma ficção científica escrita por um autor nacional contemporâneo e que em poucas páginas traz um mundo de significados e reflexões importantes. A narrativa do autor é bastante fluída e apesar de ir soltando as informações aos poucos como peças de um quebra cabeça, faz isso de forma muito inteligente mantendo a atenção do leitor e aquela sensação de não conseguir parar a leitura antes do final.

O conto nos apresenta uma mulher mais que humana, quase uma máquina, que faz uma viagem ao passado e presencia um acontecimento que abre um conflito em seu ser que luta entre os sentimentos humanos e as ordens gravadas em seu cérebro. Neste conto não temos informações aprofundadas sobre a realidade na qual é ambientado, mas no desenrolar da história o autor vai soltando algumas dicas de um governo opressor, retrógrado e cheio de ódio.

Fica claro que o foco principal da história é a luta de Sara com sua natureza dividida, nos mostrando uma mulher forte, muito mais humana que máquina, nada conformada com a realidade e que que a partir de um acontecimento do passado, vai lutar pra mudar seu caminho. Tudo isso envolto em muitos elementos de ficção científica, como viagem no tempo, paradoxos existências, biotecnologia e trazendo muita reflexão e questionamentos que é o motivo pelo qual é o meu gênero favorito.

Estou impressionada com esse primeiro contato com o trabalho do autor que me chamou muita atenção pela qualidade do texto e pela inteligência na construção do enredo e já quero um livraço com todos os detalhes desse mundo novo que fui levada a conhecer pelos olhos de Sara.

Super recomendo a leitura!
#blogentreaspas#ficçãocientífica#leianacional#scifi