Sonhos diferentes

Foi ontem. Estava lá, diante daquela igreja imponente e ao mesmo tempo singela. Não era Cristo no altar. Era São Francisco de Assis. E o padre usava sandálias, iguais as dele. As luzes, as flores, tudo meticulosamente em seu devido lugar. Pessoas sentadas, aguardando a chegada da protagonista da noite. E lá estava eu, em pé, ao lado dele, segurando em seu braço. Casal por casal começaram a entrar pelo tapete verde estendido no corredor da bela igreja, e lá fomos nós também. Ficamos depois em pé no altar, aguardando assim como todos por ela. E ela veio, linda, feliz como todas as que passam pelo mesmo ritual, andando meio insegura, mas emocionada e feliz. Juntou-se ao seu amado em frente ao padre franciscano. E deu-se início ao tão conhecido ritual. E ali estava eu. Sorrindo. Lágrimas nos olhos, por ela, por eles, por mim, por nós. Sim, por mim. Que não terei jamais isso, não andarei pelo tapete, não estarei diante de um padre franciscano. Por nós, porquê estamos separados e não sabemos. Porquê há um abismo entre nós embora estejamos sempre juntos, porquê sonhamos diferente e sonhos diferentes… levam a realidades diferentes…