Compulsão

Sim, eu admito. Sou totalmente compulsiva, excessivamente compulsiva por livros (e chocolate, mas nem tanto). Hoje de manhã ao abrir meus e-mails no trabalho, lá estava uma promoção da Livraria Siciliano para o livro “O Caçador de Pipas” que eu emprestei de uma amiga para ler. Agora já terei o meu próprio livro, e melhor, o Ilustrado com cartas inéditas do autor. E ainda vou ganhar um brinde (sais de banho num pote super bonitinho). Essa minha compulsão ainda vai me deixar pobre, e sem espaço em casa…rs

A Cidade do Sol

Quando li esse nome quase achei que estivesem mencionando a minha “querida” cidade, Indaiatuba, também conhecida como Cidade do Sol, por ser a única cidade da região a receber raios ultra-violeta. Mas não era sobre Indaiatuba o assunto e sim sobre o próximo livro de Khaled Housseini que deve ser lançado no Brasil no próximo semestre. Fiquei empolgada, já que amei (e chorei muito lendo) seu primeiro livro, “O Caçador de Pipas“.Para maiores detalhes, o Book Review por Michiki Kakutani, que não economizou nas críticas (construtivas e de certa forma verdadeiras): leia Entrelivros On-line

E como não podia deixar de ser, afinal o nome do blog já diz, uma citação do primeiro livro:

Seria um erro dizer que Sohrab era quieto. Quieto significa em paz. Tranquilidade. Estar quieto é baixar o botão do volume da vida. O silêncio é pressionar o botão para desligar. Desligar tudo. O silêncio de Sohrab era o silêncio auto-imposto daqueles que têm convicções, daqueles que protestam, que tentam defender a sua causa recusando-se a falar. Era o silêncio de quem se escondeu no escuro, dobrou todas as bordas e as prendeu, bem enfiadas nos cantos, como se faz com um lençol

Khaled Housseini .

Às vezes, não vale.

Ninguém sabe o ponto certo de se doar e quanto vale a pena. É verdade… Às vezes, não vale. A gente se dá sem querer nada em troca. Por quanto tempo conseguimos encher copos de água para o outro enquanto morremos de sede? Não será essa atitude uma maneira de simplesmente alimentar o egoísmo do outro? É cômodo apenas receber…

Débora Böttcher .