De repente

Laila parou.
Um ruído surdo lhe subiu pela garganta. Suas pernas ficaram bambas. De repente, quis, precisou segurar o braço de Mariam, ou seu ombro, seu pulso, qualquer coisa, fosse o que fosse, para não cair. Mas não fez nada disso. Não ousou fazê-lo. Não ousou mover um músculo. Não ousou respirar, ou sequer piscar, temendo que aquilo não passasse de uma miragem, uma frágil ilusão que se desvaneceria ao mínimo movimento que fizesse. Ficou absolutamente imóvel, {…}, até o seu peito implorar pedindo ar e os seus olhos arderem querendo piscar. E sabe-se lá como, por um milagre qualquer, depois que respirou, depois que fechou os olhos e voltou a abri-los, ele ainda estava lá. {…}
Então ela se permitiu dar um passo em sua direção. E mais outro. E outro ainda. De repente, estava correndo.

. Khaled Hosseini in A Cidade do Sol .


2 comentários sobre “De repente

  1. Oiiiii! Estou sem pc, mas consegui passar hj pela net e fazer uma visitinha rs Estou pensando em comprar esse livro, o autor escreve com muita emoção, excelente. Bom fds!

    beijosss

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.