A mulher que matou os peixes

{ Clarice Lispector }

Essa mulher que matou os peixes infelizmente sou eu. Mas juro a vocês que foi sem querer. Logo eu! Que não tenho coragem de matar uma coisa viva! Até deixo de matar uma barata ou outra. Dou minha palavra de honra que sou pessoa de confiança e meu coração é doce: perto de mim nunca deixo criança nem bicho sofrer.”

. Clarice Lispector .

Eu tinha 19 anos quando li o livro. Estava arrumando os livros da primeira biblioteca em que trabalhei. Aquele trágico pesadelo bibliográfico que conto em algum outro post. O fato é que, estava sentada com uma pilha de livros a minha volta, pegando um ou outro e separando por assunto, guardando nas estantes. Quando pego este. Li o nome e sorri. Achei estranho e lá estava eu, lendo a primeira página. E a próxima. E mais uma. De repente, tinha terminado e estava encantada. Esse foi o meu primeiro contato com Clarice…pelo menos foi o primeiro contato de verdade, aquele que toca, que marca, que faz lembrar. Já tinha lido Clarice para o vestibular, lido em jornais, ouvido em aulas de colegial e cursinho, mas nunca busquei Clarice e voltei a lê-la muito tempo depois, porquê entre esse primeiro encantamento e a verdadeira paixão, houveram belos livros como O Morro dos Ventos Uivantes de Emily Brönte. E ela reavivou-se em mim através de uma citação, encontrada ao acaso: “A vida é um soco no estômago“. Sim, é sim… e que soco! E aí, Clarice nasceu de verdade no meu mundo!

5 comentários sobre “A mulher que matou os peixes

  1. Teresa Silva Dias disse:

    Eu sou professora de língua portuguesa e dou aula para 5ª série (6º ano). Tenho o hábito de ler livros para meus alunos e todos os anos eu leio A MULHER QUE MATOU OS PEIXES para eles. Já dá para imaginar que a leitura é interrompida várais vezes, pois cada um tem uma história de animal para contar. Eu dou oportunidade para els contarem sobre seus bichos e eles ficam eufóricos. É uma maneira de levar até eles uma obra com a qual eles se identificam em cada passagem narrada por Clarice, dando-lhes a oportunidade de conhecerem joias de nossa literatura infantil.

  2. poetriz disse:

    Não me recordo meu primeiro contato com a Clarice… talvez tenha sido uma reportagem no Jornal Hoje… talvez tenha sido alguma frase triste dela…
    É engraçado, eu sempre me recordo como as pessoas entram na minha vida.
    Talvez eu não me recorde de como Clarice entrou, porque talvez ela falasse da minha vida antes mesmo que eu tivésse consciência que era eu ali em tantos versos…

    Bjs!

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s