Só o amor

Kipling não pensou nelas (as crianças que carregam na veia o Ocidente e o Oriente), quando disse que o Oriente e o Ocidente nunca se encontrariam. Sempre se encontram, assim como os povos se encontram e se entendem, no amor, quando não na política. É o amor que aproxima os seres humanos, muitas espécies de amor, mas o amor”

. Pearl S. Buck in A Grande Travessia .

3 comentários em “Só o amor

  1. Tudo o que pode ser imaginado pode ser sonhado, mas mesmo o mais inesperado dos sonhos é um quebra-cabeça que esconde um desejo, ou então o seu oposto, um medo. As cidades, como os sonhos, sao construídas por desejos e medos, ainda que o fio conduto de seu discurso seja secreto, que as suas regras seja absurdas, as suas perspectivas enganosas, e que todas as coisas escondam luma outra coisa. Italo Calvino, “As Cidades Invisíveis”.

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.