Caio F. e minha vida…

Fico tão cansada às vezes, e digo para mim mesma que está errado, que não é assim, que não é este o tempo, que não é este o lugar, que não é esta a vida. {…} Claro, é preciso julgar a si próprio com o máximo de rigidez, mas não sei se você concorda, as coisas por natureza já são tão duras para mim que não me acho no direito de endurecê-las ainda mais

. Caio Fernando Abreu in Pedras de Calcutá .

Então…

{…} no fim desses dias encontrar você que me sorri, que me abre os braços, que me abençoa, e passa a mão na minha cara marcada, no que resta de cabelos na minha cabeça confusa, que me olha no olho e me permite mergulhar no fundo quente da curva do teu olho. Mergulho no cheiro que não defino, você me embala dentro dos seus braços, você cobre com a boca meus ouvidos entupidos de buzinas, versos interrompidos, escapamentos abertos, tilintar de telefones, máquinas de escrever, ruídos eletrônicos, britadeiras de concreto, e você me beija e você me aperta, e você me leva para Creta Mikonos, Rodes, Patmos, Delos, e você me aquieta repetindo que está tudo bem, tudo, tudo bem

. Caio Fernando Abreu in Os Dragões não Conhecem o Paraíso .

21.02 – 105º Aniversário de Anais

 Anais Nin

Escrever deve ser uma necessidade, como o mar precisa das tempestades – é a isto que eu chamo respirar“.

. Anais Nïn .

Leia mais sobre Anais (em inglês)

Em minha nova vida…

 

Na plenitude da felicidade, cada dia é uma vida inteira”

. Johann Wolfgang von Goethe .

Quando chorar

Há um tipo de choro bom e há outro ruim. O ruim é aquele em que as lágrimas correm sem parar e, no entanto, não dão alívio. Só esgotam e exaurem. Uma amiga perguntou-me, então, se não seria esse choro como o de uma criança com a angústia da fome. Era. Quando se está perto desse tipo de choro, é melhor procurar conter-se: não vai adiantar. É melhor tentar fazer-se de forte, e enfrentar. É difícil, mas ainda menos do que ir-se tornando enxague a ponto de empalidecer”

. Clarice Lispector in A Descoberta do Mundo .

Conviver

A arte de viver é simplesmente a arte de conviver
… simplesmente, disse eu? Mas como é difícil!

. Mario Quintana .

Desgraça

Minha desgraça não é ser poeta,
{…}É ter para escrever todo um poema
E não ter um vintém para uma vela”

. Álvares de Azevedo .

Fatalidade Interior

Não há uma fatalidade exterior. Mas existe uma fatalidade interior: há sempre um minuto em que nos descobrimos vulneráveis; então, os erros atraem-nos como uma vertigem

. Saint-Exupery .

Por que?

Sou entre flor e nuvem,
estrela e mar. Por que
havemos de ser unicamente
humanos, limitados em chorar?
Não encontro caminhos fáceis
de andar. Meu rosto vário
desorienta as firmes pedras
que não sabem de água e de ar”

. Cecília Meireles .

Para alguém que se foi…

 

O que restou de nossa história? Duas sombras separadas que não trocam nem mesmo olhares fugazes. Duas flores murchas dentro de um mesmo vaso. Te vejo ali, sentada na escuridão de nossas mentiras, com a cabeça enterrada nas mãos. Enquanto isso, cá estou eu, no outro pólo, fazendo vista grossa a tudo aquilo que nos roeu…Andávamos em direções opostas, sem nos darmos conta. No entanto, não sinto mais vontade de falar dos erros. Além de desgastante, é inútil e sem sentido. Nossos passos não iam no mesmo ritmo; nossos olhares vislumbravam horizontes distintos; nossas palavras não ecoavam no ouvido do outro. Hoje, quero palavras que façam eco, quero alguém que se perca comigo entre montanhas e manhãs, alguém que me queira sem fim, alguém com quem eu posso dividir as sombras, os pingos de chuva. Confesso que, às vezes, pareço ouvir teus olhos. Se piscar o olho posso quase te sentir. Ver teu fantasma extraviado, desnorteado, rondando. Contudo, és estranha a meu coração. O nosso amor morreu. E quem se atreveria a dizê-lo?”

. Igor T. Bandeira in Dias de Chuva .

Progresso

Que há de mais absurdo que o progresso, já que o homem, como está provado pelos factos de todos os dias, é sempre igual e semelhante ao homem, isto é, sempre em estado selvagem”

Charles Baudelaire in Diários .