Repara

Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara”

. José Saramago in Ensaio sobre a Cegueira .

Consolo

{ Corbis }

É certo que quanto maior é a causa da dor,
maior se faz a necessidade de para ela encontrar consolo,
e este ninguém pode me dar além de ti.
Tu é as causa da minha pena, e só tu podes me proporcionar conforto.
Só tu tens o poder de me entristecer, de me fazer feliz, ou trazer consolo
“.

. Carta de Heloísa a Abelardo .

Tristeza

Voltei àquelas sepulturas pouco depois, e parada ali descobri que tristeza era uma coisa muito pesada. Meu corpo pesava duas vezes mais do que um momento atrás, como se aquelas tumbas me puxassem para baixo, para junto delas”

. Arthur Golden in Memórias de uma Gueixa .

Eu existo

Não há homem ou mulher que por acaso não se tenha olhado ao espelho e se surpreendido consigo próprio. Por uma fração de segundo a gente se vê como a um objeto a ser olhado. A isto se chamaria talvez de narcisismo, mas eu chamaria de: alegria de ser. Alegria de encontrar na figura exterior os ecos da figura interna: ah, então é verdade que eu não me imaginei, eu existo”

. Clarice Lispector in A Descoberta do Mundo .

Blindness

Ensaio Sobre a Cegueira, uma adaptação do romance homônimo do premiado com o Nobel, José Saramago, conta a história de uma epidemia de cegueira que varre o mundo.

Na pele de esposa de um médico que consegue enxergar a morte, Julianne Moore também vê a crueldade e a degradação que a cercam. Gradativamente, ela se conscientiza da responsabilidade que sua posição singular lhe impõe.

 

Nós nos achamos tão fortes, sofisticados e sólidos. Mas então uma coisa dá errado e tudo desaba. Patinamos sobre gelo fino. Qualquer coisa pode acontecer e acontece – disse Meirelles a jornalistas após da exibição do filme para a imprensa”

. Fernando Meirelles .

Meirelles, acompanhado do roteirista Don McKellar, disse que ambos se sentiram inspirados pelo fato de o romance de Saramago aparentemente refletir os desastres naturais da vida real, as doenças e nossos temores recentes com segurança alimentar.

Fonte: Jornal Correio do Brasil

Yoroido

Não nasci nem fui criada para ser uma gueixa de Kioto. Eu nem ao menos nasci em Kioto. Sou filha de um pescador de uma aldeiazinha chamada Yoroido, no Mar do Japão. Em toda a minha vida não falei de Yoroido a mais do que um punhado de pessoas, nem sobre a casa onde cresci, ou sobre minha mãe e meu pai, ou sobre minha irmã mais velha ─ e certamente não falei sobre como me tornei uma gueixa ou como foi ser uma. A maior parte das pessoas teria preferido seguir com suas fantasias de que minha mãe e avó, foram gueixas, e de que comecei a treinar minha dança quando fui desmamada, e assim por diante. 

{…} Eu cresci em Yoroido, e ninguém sugeriria que é um lugar charmoso. Quase ninguém o visita. As pessoas que moram lá nunca têm ocasião de sair. Provavelmente você está imaginando como é que eu saí de lá. E é aí que começa a minha história.

. Arthur Golden in Memórias de uma Gueixa .

Nunca de morte natural…

O amor nunca morre de morte natural. Ele morre porque nós não sabemos como renovar a sua fonte. Morre de cegueira e dos erros e das traições . Morre de doença e das feridas; morre de exaustão, das devastações, da falta de brilho”

 

Anais Nin .