Infância [fatos quase esquecidos]

Quando pequena eu conversava com um homem ao qual não dei nome algum. Não me lembro o que falava com ele, e nem podia divisar-lhe o rosto. No começo, o via de terno e ele flutuava no teto do meu quarto, as vezes ficava parado à porta. Depois só lhe via a sombra, branca quando estava escuro, negra quando estava claro. Ele estava sempre lá, a espreitar-me nas janelas enquanto eu brincava. Nunca mais o vi. E estranhamente ele me faz falta. Essa sombra de companhia que me acompanhava. Não me deixava sentir tão sozinha. Talvez fosse um anjo, talvez não.

Quando fui morar em Minas Gerais, eu ficava andando na minha caloi vermelha no fundo do quintal sozinha e conversando com Deus. Ah, como Ele já me ouviu. Dava voltas infindas num quintal pequeno, sobre aquela bicicleta que fora meu presente de natal e falava em voz alta com Deus, como se fosse uma pessoa viva e estivesse sentado me olhando. Talvez estivesse. Sou filha única e nunca tive nenhum problema com isso. Gostava de ser única, de ficar sozinha, de não dividir meus pais com ninguém. Egoísmo sim, é verdade, mas isso persiste até hoje. Quanto ao restante, divido tudo. E eu sempre fui um pouco triste, um pouco dramática. E ficava sozinha no meu quarto ouvindo Elton John (eu só tinha 11 anos) no toca-disco que meu pai me dera e chorando sozinha, uma tristeza que não sabia explicar. Ainda não sei. 

Eu lembro de ter tido alguns amigos. Eles apareciam de vez em quando, brincavam, iam embora. Me fizeram uma festa surpresa uma vez e eu fiquei muito feliz. E pulava amarelinha sozinha no fundo do quintal, e conversava com os pardais e ficava espantando aquele beija-flor grandão que não deixava os menores chegarem à mistura adocicada que minha mãe fazia. E comia goiabas pequenas e azedas do pé da vizinha de baixo que tinha um tatu com o qual eu conversava da janela do meu quarto e depois soube que o marido dela o tinha matado para comer. Chorei muito e por dias. Nessa época, meu pai cantava  Why Worry do Dire Strait pra eu dormir (e eu já tinha 11 anos). Lembro que ficava lutando contra o sono só pra que ele continuasse ali cantando. Mas eu sempre perdia e adormecia. Antes disso, quando morávamos em Guarulhos e ele vinha só de quinze em quinze dias, eu costumava chorar quando ele entrava em casa e só parava quando ia embora. Acho que não podia suportar a idéia de vê-lo partir e eu sempre sofri por antecedência.

Tinha a mania de vestir as roupas da minha mãe e calçar seus lindos sapatos de salto. Ficava andando pela casa, vestida de muito mais velha, inventando histórias. Sempre inventei histórias. Ficava fazendo cenas, inventando diálogos. Acho que isso ajudou o meu gosto pelo estudo, pois sempre gostei muito de estudar. Fui pra escola aos 2 anos. Minha mãe conta que eu queria ir porquê via as outras crianças indo e que só chorei porquê tinha que voltar pra casa, tinha adorado a escola. E estudava muito mesmo, desde que me lembro e  lia muito também.  Acho, não, tenho certeza que isso foi incentivo da imagem que tenho da minha mãe, sempre com um livro nas mãos. E sempre tinha aquela folha, aquela no final do caderno onde estavam aquelas palavras, daqueles sentimentos que eu era nova demais pra entender. Ainda não entendo. Mas já escrevia e depois jogava tudo fora (como ainda faço hoje). E sempre tive diários, adorava (adoro) escrever sobre os meus dias. E quando não tinha nada interessante pra escrever, eu inventava.

Meus pais mudavam constantemente por causa do trabalho do papai (topógrafo) e eu adorava. Era um novo lugar, novas pessoas, mais coisas que eu podia escrever e histórias a inventar. A professora da terceira série inventou que a sala iria escrever um livro e cada aluno tinha que fazer uma historinha para colocar no livro. Eu escrevi dez histórias. Meu nome só saiu em uma, as demais foram distribuídas para os alunos que não tinham feito. E me lembro tão claramente da biblioteca da escola como não me lembro dos outros lugares. Ficava em frente ao pátio do recreio e enquanto meus amiguinhos brincavam ou comiam eu ficava escolhendo os livros que leria. Lia um livro atrás do outro e as professoras achavam que eu só fazia graça e então me mandavam fazer resumos. E eu adora fazer resumos. Um fato engraçado é que tinha uma punição pra quando as crianças iam ao banheiro no primário (cada coisa que essas professoras inventavam, hoje em dia não podem nem falar direito com os alunos, naquela época tinhamos mais respeito), cada vez que fossemos ao banheiro tínhamos que fazer uma redação e escrever cada letra de uma cor. Eu ia várias vezes ao banheiro só pra ter que escrever. É claro que minha professora descobriu e me disse que eu podia trazer uma história por dia se não fosse mais ao banheiro. Ela conseguiu o que queria e eu também.

Foi quando completei 12 anos que tive a fase mais maravilhosa da minha vida. Eu morava em um condomínio em Jacareí e fiz tantos amigos, tantos que perdia as contas. Brincávamos de tantas coisas, inclusive de colecionar joaninhas. Pegávamos potes das nossas mães e montávamos verdadeiros jardins maravilhosos para as nossas joaninhas. Mas ainda assim, eu insistia em brincar sozinha e pegava minha Emily e entrava no carro do papai e ficava inventando histórias de viagens miraculosas até que alguém me achava e o mundo de fantasias se desfazia como por um passe de mágicas. Mas eu fui muito feliz lá. E  também foi lá que me apaixonei pela primeira vez. Escrevia o nome dele em todos os meus diários.  Ficava deitada no sofá ouvindo música e imaginando como seria nosso casamento. Ah, esses instintos femininos que nos cercam. E foi a partir daí que eu comecei a sofrer de verdade…

{ Lyani } 26/11/2006

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil License.

6 comentários sobre “Infância [fatos quase esquecidos]

  1. O Trovador disse:

    Sabe, lendo esse seu texto senti que te conheci melhor. Não sei.
    Uma sensação estranha de que “te conheci quando era menina” e me ocorreu que de repente conhecer essa fase de uma pessoa seja conhecer a pessoa por inteiro.

    E sobre seu amigo que flutuava no teto de seu quarto, bom esse é um amigo que todos nós temos.

    Eu ainda tenho o meu. Não o vejo, claro… Mas está sempre perto afim de me livrar do meu complexo de solidão ^^

    Ao próximo o/

  2. Cris Costa disse:

    Ly,
    Que texto lindo!!!
    Você trouxe tantas lembranças. Creio que a vida de todos nós divide-se em ciclos: o dos amigos imaginários, o da mudança de colégio, o do primeiro amor….

    M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O!!!

    Parabéns!!!

    Bjs

    Cris

  3. Gabriela disse:

    Quando eu era criança também falava muito sozinha, principalmente com minha Vó do Bosque. Mamãe acha que é porque as outras crianças do colégio tinham avós por perto e eu não, era muito sozinha (só eu de criança em casa, minhas irmãs bem mais velhas e morando em outra cidade) mas pelo que mamãe dizia eu me divertia muito.
    Esse seu texto me trouxe tantas lembranças… obrigada moça!
    =*

  4. Roberta Cristina Lopes disse:

    Ai, Ly…que história linda….
    Vou te contar um segredo….eu sou de Janeiro de 83 e em Maio de 83 eu ganhei um ursinho de pelúcia chamado Mimo…
    Vc acredita que até o começo desse mês eu ainda dormia com ele? Pois é…mesmo casada ainda dormia com um urso de pelúcia…mas aí meu marido partiu, e no dia seguinte num discuido meu a cachorrinha da minha mãe pegou meu urso e destruiu ele…
    Pois é…depois de Bodas de Prata com meu urso, e 2 anos de casada ambos se foram…
    Não porque eu chorei mais, porém hoje prefiro ver por outro ângulo:
    – Vida Nova….Novo Ciclo….Tudo Novo!
    Bjos

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s