Verdadeiro na escrita

Tem de se ser verdadeiro na escrita, porque os leitores sentem. A mentira é impossível na boa literatura. E o que procuro, mais do que a beleza ou qualquer outra coisa, é a verdade, livro após livro, tentando desvendar um pouco mais de mim e esperando que essa possa ser uma forma de desvendar alguma coisa dos outros e que eles também se vejam reflectidos nessa procura que faço”

. José Luís Peixoto .

Bibliotecas

Um dia veio uma peste e acabou com toda vida na face da Terra:
Em compensação ficaram as Bibliotecas…
E nelas estava meticulosamente escrito o nome de todas as coisas!”

. Mário Quintana in As Bibliotecas, Preparativos de Viagem, 1987 .

Presente Especial

Ganhei um presente especial da minha mãe, um livro que tenho muito carinho: “A mulher que matou os peixes” da Clarice Lispector. Já falei sobre esse livro aqui e desde que o li me comprometi a dá-lo ao meu filho(a) para que desde cedo tivesse contato com Clarice. Desejo realizado pela vovó que fez até uma dedicatória para o futuro neto(a).

Junto com esse presente especial veio um segundo, também de Clarice:

A forma mais eficiente de ser uma mulher atraente e bela é tirar partido de suas características particulares e realçá-las”

Só para mulheres, é uma coletânea das colunas femininas assinadas pela escritora sob os pseudônimos de Tereza Quadros, Helen Palmer e Ilka Soares para os jornais Correio da Manhã, Diário da Noite e Comício. Organizado por Aparecida Maria Nunes, o livro tem delicioso tom de cumplicidade, como uma conversa entre amigas: conselhos, receitas e segredos daqueles que só nós sabemos e dividimos. Dicas de elegância e moda, soluções para pequenos problemas domésticos e os mais prosaicos assuntos do cotidiano feminino são tratados de forma íntima, com rara leveza.

Fonte:
Radar 55

Reinvenção

A vida só é possível
reinventada”

. Cecília Meireles .

José Saramago, 85, estréia no mundo dos blogs

Por Adriana Salles Gomes

José Saramago lançou hoje (15/09) seu blog, “O Caderno de Saramago”, começando com uma espécie de carta de amor a Lisboa. Disseram-me que quem leu Saramago não consegue imaginá-lo blogueiro. Eu acho o contrário: aquele fluxo de pensamento ininterrupto dele tem tudo a ver com blog. Seja como for, a notícia é boa: é o texto tentando recuperar na internet o espaço que vem perdendo no mundo. Tudo bem, outros escritores têm blog (faz pouco tempo citaram o do Nick Hornby aqui). Mas quando um Nobel de Literatura de 85 anos adere…Vejam um trecho do post saramaguês de hoje:

“…Se o cinema já existisse então, se os velhos cronistas fossem operadores de câmara, se as mil e uma mudanças por que Lisboa passou ao longo dos séculos tivessem sido registradas, poderíamos ver essa Lisboa de oito séculos crescer e mover-se como um ser vivo, como aquelas flores que a televisão nos mostra, abrindo-se em poucos segundos, desde o botão ainda fechado ao esplendor final das formas e das cores. Creio que amaria a essa Lisboa por cima de todas as cousas.”

Fonte: Updaters

Oba, Presente!!!

Ganhei esse selo da Ana Luísa do Caixa de Anadora que com certeza é um blog que cola mesmo! Adoro!!!

Ana, muito obrigada, adorei o presente!!!

E agora os cinco blogs que colaram em mim:

  • Além da Terceira Margem
  • Anti-conto de Fadas
  • Retrato
  • Necessidade de Escrever
  • O Caderno
  • =D

    Beco-sem-saída

    Te­nho que ter paciência para não me perder dentro de mim: vivo me perdendo de vista. Preciso de paciência porque sou vários caminhos, inclusive o fatal beco-sem-saída”

    . Clarice Lispector in Um Sopro de Vida .  

    Livros Proibidos

    Site interessante sobre livros que, por algum motivo, foram censurados ou proibidos em escolas, livrarias e bibliotecas:

    http://bannedbooksweek.org/

    Regra na Vida

    Tenha como regra na vida nunca se arrepender e nunca olhar para trás. O arrependimento é um terrível desperdício de energia; você não pode construir sobre ele, e ele é bom apenas para se ficar revolvendo”

    Katherine Mansfield .

    12.09 – 60º Aniversário de Caio

     

    Guarde este recado: alguma coisa sempre faz falta. Guarde sem dor, embora doa, e em segredo”

    . Caio Fernando Abreu in Pequenas Epifânias .

    Leia mais sobre Caio