Rangiku ♥ Gin

Eu acho que nunca contei minha paixão por Mangá aqui. Mas, deve ter ficado explícito em alguns posts, músicas, trechos, ou pra quem já visitou o meu outro blog. Isso vem de tempos, lá de quando eu tinha meus 10 ou 11 anos e corria da escola pra casa pra não perder Cavaleiros do Zodíaco. E depois vieram outros, alguns que marcaram, outros não. Angel Sanctuary foi um dos que marcaram. Sara e Setsuna, anjos condenados ao inferno pelo pecado mortal de amarem-se sendo irmãos de sangue. Chorei muito lendo, assistindo aos OVAs e ouvindo suas melodias maravilhosas. Chobits também marcou, com a Chii e sua fofura, ri demais com este. E então a Fla me apresentou Bleach. E com ele a Matsumoto Rangiku e o Ichimaru Gin. E esse marcou mesmo.  Não é novidade (eu acho)  pra ninguém que eu adoro as personagens más e os chamados anti-heróis que não são de todo maus, mas não são sonsos como os mocinhos. Sim, e não é só de Mangá, é de novela, seriado, quadrinhos… Alguns exemplos: Sephiroth do Final Fantasy, Wolverine do X-men, House do House M.D., Aizen do Bleach, Rosiel e Kira do Angel Sanctuary. Enfim, acho que é bem por isso que amo de paixão esse casal que citei acima. Gin é muito do mau. Ainda não se sabe ao certo se é realmente e completamente mau, ou se é um anti-herói. O fato é que ele é todo misterioso e sombrio. E muito sarcástico e eu sou completamente apaixonada por ele. E a Rangiku é uma personagem do bem. Mas não é certinha, santinha e enjoadinha como toda mocinha geralmente é. Ela é desajeitada, esquecida, vive enchendo a cara com sakê, extrovertida, engraçada e tem o “q” que me fez adorá-la: é apaixonada pelo Gin. Eu, que nem sou viciada em dramas e romances impossíveis, não preciso dizer que pra mim é o casal mais perfeito de todos né? Ele, mau, administrador do Hueco Mundo (inferno). Ela, doidinha mas do bem, vice-capitã da Sereitei (céu). E ambos se gostam, mas não dizem. E fica aquele amor subtendido nas falas, nas entrelinhas, nos suspiros, nos olhares. É simplesmente lindo.

E aí que eu contei tudo isso só porquê estava lendo uma citação de Clarice que se encaixou tanto na história desse casal, que decidi vir aqui publicar e achei que deveria dar essa introdução:

Olharam-se sem palavras, desalento contra desalento. Que foi que se disseram? Não se sabe. Sabe-se apenas que se comunicaram rapidamente, pois não havia tempo. Sabe-se também que sem falar eles se pediam. Pediam-se, com urgência, com encabulamento, surpreendidos. Mas ambos eram comprometidos. Ela com sua infância impossível. {…} Ele, com sua natureza aprisionada. Ela ficou espantada, com o acontecimento nas mãos. Acompanhou-o com olhos pretos que mal acreditavam, até vê-lo dobrar a outra esquina. Mas ele foi mais forte que ela. Nem uma só vez olhou para trás.

. Clarice Lispector in Tentação .

Citação esta que conheci também com a Fla  🙂