A Verdade

A verdade algumas vezes a escolho de um romance. Na vida real, recebemo-la como ela sai dos encontrados casos, ou da lógica implacável das coisas; mas, na novela, custa-nos a sofrer que o autor, se inventa, não invente melhor; e, se copia, não minta por amor a arte. O romance que estriba na verdade o seu merecimento é frio, é impertinente, é uma coisa que não sacode os nervos, nem tira a gente, sequer uma temporada, enquanto ele nos lembra, deste jogo de nora, cujos alcatruzes somos, uns a subir, outros a descer, movidos pela manivela do egoísmo. A verdade! Se ela é feia, para que oferecê-la em painéis ao público?! {…} Isto é que eu submeto à decisão do leitor inteligente. Fatos e não teses é o que eu trago aqui. O pintor retrata uns olhos, e não explica as funções do aparelho visual”

. Camilo Castelo Branco in Amor de Perdição .

2 comentários sobre “A Verdade

  1. Dalva disse:

    “A verdade! Se ela é feia, para que oferecê-la em painéis ao público?! ”

    Citando La Rochefoucauld :

    “A verdade não faz tanto bem neste mundo
    como as suas aparências fazem mal … ”

    Beijos!

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s