Urgente

… a cidade lá fora, com gentes falando sempre alto demais, sem parar, entrando e saindo de lugares, bebendo, comendo coisas, pagando contas, dançando alucinadas, querendo ser felizes antes da segunda-feira: urgente”

. Caio Fernando Abreu in Estranhos Estrangeiros .

Encontro e Separação

Amor é isto:  a dialética entre a alegria do encontro e a dor da separação. E neste espaço o amor só sobrevive graças a algo que se chama fidelidade: a espera do regresso. Quem não pode suportar a dor da separação não está preparado para o amor. Porque o amor é algo que não se possui, jamais. É evento de graça. Aparece quando quer, e só nos resta ficar à espera. E, quando ele volta, a alegria volta com ele. E sentimos então que valeu a pena suportar a dor da ausência, pela alegria do reencontro.

Rubem Alves in Ostra Feliz Não Faz Pérola

O que sobrou

O que sobrou de você neste
Apartamento
Foram as suas roupas,
Que logo vão ser dadas,
Os seus livros,
Alguns dos quais serão meus,
Aqueles que compramos juntos,
As lembranças.
O que sobrou foram seus retratos e,
Quando vi uma foto sua, sorridente e saudável,
Lembrei-me de que não me preparei
Para a sua vinda,
Mas pude me preparar para a sua ida.
Mas quando você foi,
Ah, meu Deus!
O que sobrou?
O que sobrou
Fui eu.

. Cássia Janeiro in A Pérola e A Ostra .

Meme atrasado

Há muito tempo atrás, a querida Lu, Olhos de Mar, me deu essa missão (quase-impossível) de escrever uma carta terminando uma relação.  Devo, antes de qualquer coisa, pedir desculpas por ter demorado tanto pra fazer essa tarefa e ainda assim não a fiz. Quer dizer, fiz, mas quando ainda não conhecia a Lu, quando ainda não tinha esse blog, quando ainda desconhecia a palavra Meme, mas já conhecia a palavra amor, decepção, desilusão, dor, separação… Enfim…

Descobertas

Não sei se quebrei as regras do jogo, mas de qualquer forma foi o jeito que encontrei (no meio da reviravolta gostosa que está a minha vida) de participar e não ficar em dívida com a querida Lu.

E como não poderia deixar de ser, indico para fazer o mesmo:

Samacc, Dz, Poetriz, John Doe, w.Moscolini.

🙂

Jardim de Sombras

Há algum tempo atrás escrevi sobre uma coleção de livros da autora V.C. Andrews, que conta a saga de uma família chamada Foxworth. Os primeiros dois livros me impressionaram demais e mesmo depois de anos eu consigo lembrar claramente dos personagens, das passagens, dos cenários. A autora foi muito feliz em sua narrativa e são dois livros que eu recomendo a leitura. Já o 3º e o 4º foram terríveis. Neste post que escrevi há tempos, eu dizia que a autora poderia muito bem ter fechado a história no segundo livro sem levar os personagens e suas futuras gerações há dramas forçosos e pouco prováveis, mas me enganei. Nesta época eu ainda não tinha lido o 5º livro da saga que terminei hoje. E ele relata a história que aconteceu antes do primeiro livro, esclarecendo muitas coisas importantes nesta história impressionante. Então eu retiro o que disse, e acho que ela poderia ter sido brilhante se tivesse publicado apenas os livros 1,2 e 5. São excepcionalmente bons! A leitura desse quinto livro reavivou em mim os impressionantes sentimentos que essa autora retira de nós ao ler sua história marcante. Fico feliz de ter insistido pra ler essa saga até o final.

Deste modo ou daquele modo

Procuro despir-me do que aprendi,
Procuro esquecer-me do modo de lembrar que me ensinaram,
E raspar a tinta com que me pintaram os sentidos,
Desencaixotar minhas emoções verdadeiras,
Desembrulhar-me e ser eu,  não Alberto Caeiro,
Mas um animal humano que a natureza produziu

. Alberto Caieiro in O Guardador de Rebanhos .

Ler

…é uma das maiores fontes de alegria. Claro, há uns livros chatos. Não os leiam. Borges dizia que, se há tantos livros deliciosos de serem lidos, por que gastar tempo lendo um livro que não dá prazer? Na leitura fazemos turismo sem sair de casa gastando menos dinheiro e sem correr os riscos da viagem”

. Rubem Alves in Ostra Feliz Não Faz Pérola .