Tortura

Tirar dentro do peito a Emoção,
A lúcida Verdade, o Sentimento!
– E ser, depois de vir do coração,

Um punhado de cinza esparso ao vento! …

Sonhar um verso de alto pensamento,
E puro como um ritmo de oração!

– E ser, depois de vir do coração,
O pó, o nada, o sonho dum momento …

São assim ocos, rudes, os meus versos:
Rimas perdidas, vendavais dispersos,
Com que eu iludo os outros, com que minto!

Quem me dera encontrar o verso puro,
O verso altivo e forte, estranho e duro,
Que dissesse, a chorar, isto que sinto!!

. Florbela Espanca in Livro de Mágoas .

8 comentários sobre “Tortura

  1. Manuela disse:

    Olá,
    Estava a ler a primeira frase e já estava a pensar em Florbela. Não sei todos os seus versos de cor, mas tem um estilo inconfundível, único, rendo-lhe todas as homenagens! É uma grande poeta dos sentimentos!…
    Beijinhos,
    Manuela

  2. Rainha Branca disse:

    “Ah, estou cheia de temas que jamais abordarei. Vivo deles, no entanto” (C. Linspector)

    Isso meio que resume boas (ou más, mas ainda…) partes da vida né??

    Acho que é pq minha cabeça tá cheia demais… Mas não entendi de primeira esse poema que você postou. x) Mas o verso da Clarice é fantástico..

    Até!! =)

  3. Lídia disse:

    Lyyy… obriga pelo carinho no post anterior!!
    Não será daqueles sumiços prolongados não… tanto que já postei um conto (meio doido) lá no tbc.. hehehe

    Ando meio atarefada, mas sempre que posso eu passo por aqui….

    Beijos amiga!
    Saudades!

    Obs: nunca mais te encontrei no messenger… mudou o endereço?

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s