Esperança

Se hei de viver, enfim, forçadamente,
Para que quero a glória fugitiva
De uma esperança vã que me atormente?”

. Luís de Camões in Sonetos para Amar o Amor .