Fragmento 225

Tantas vezes, tantas, como agora, me tem pesado sentir que sinto – sentir como angústia só por ser sentir, a inquietação de estar aqui, a saudade de outra coisa que se não conheceu, o poente de todas as emoções… Ah, quem me salvará de existir? Não é a morte que quero, nem a vida: é aquela outra coisa que brilha no fundo da ânsia…”

. Fernando Pessoa in O Livro do Desassossego .

Um comentário sobre “Fragmento 225

  1. paula fernandes disse:

    “… ah, quem me salvará de existir? ” Quem?

    Essas criaturas, chamadas poetas… quem nos dirá que não são sábios? Profetas? Quem nos salvará dessas criaturas tão especiais a nos lembrar que somos vulneráveis e que a impermanência da vida nos assusta um pouco, ainda que sejamos cientistas e não poetas?

    Não podemos nos salvar de existir.

    Carinhosamente um beijo prá vc lyani.

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s