O Tempo que Não se Perdeu

Não se contam as ilusões
nem as compreensões amargas,
não há medidas pra contar
o que não podia acontercer-nos,
o que nos rondou como besouro
sem que tivéssemos percebido
do que estávamos perdendo.

Perder até perder a vida
é viver a vida e a morte
não são coisas passageiras
mas sim constantes, evidentes,
a continuidade do vazio,
o silêncio em que cai tudo
e por fim nós mesmos caímos.

Ai! o que estave tão cerca
sem que pudéssemos saber.

Ai! o que não podia ser
quando talvez podia ser.

Tantas asas circunvoaram
as montanhas da tristeza
e tantas rodas sacudiram
a estrada do destino
que já não há nada a perder.

Terminaram-se os lamentos.”

. Pablo Neruda in O Coração Amarelo .

3 comentários sobre “O Tempo que Não se Perdeu

  1. paula fernandes disse:

    ” …não se contam as ilusões… tantas rodas sacudiram a estrada do destino que já não há nada a perder…” Pablo Neruda, lindo demais.

    Lyani, adoro Pablo Neruda. Em especial o q postei à tempos, do filme O Ponto de Mutação

    ” e em minha rede, durante a noite, acordo nu.

    a única coisa capturada… é um peixe.

    preso, dentro do vento. ”

    buscamos tanto e no final das contas é vc em busca de si mesmo… é vc com vc.

    bjo!

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s