Como eu sou

Nunca antes uma coisa, nem ninguém me doeu tanto como eu mesmo me dôo agora, mas ao menos nesse agora eu quero ser como eu sou e como nunca fui e nunca seria se continuasse”.

. Caio Fernando Abreu in O Inventário do Ir-remediável .