Futuro de uma delicadeza

– Mamãe, vi um filhote de furacão, mas tão filhotinho ainda, tão pequeno ainda, que só fazia era rodar bem de leve umas três folhinhas na esquina…”.

. Clarice Lispector in Para não Esquecer .

Autofágica

As pessoas suportam tudo, as pessoas às vezes procuram exatamente o que será capaz de doer ainda mais fundo, o verso justo, a música perfeita, o filme exato, punhaladas revirando um talho quase fechado, cada palavra, cada acorde, cada cena, até a dor esgotar-se autofágica, consumida em si mesma, transformada em outra coisa que não saberia dizer qual era”.

. Caio Fernando Abreu in Triângulo das Águas .

Dissimulação

Como um meio para a conservação do indivíduo, o intelecto desenrola suas principais forças na dissimulação; pois esta constitui o meio pelo qual os indivíduos mais fracos, menos vigorosos, conservam-se, como aqueles aos quais é denegado empreender uma luta pela existência com chifres e presas afiadas. No homem, essa arte da dissimulação atinge seu cume: aqui, o engano, o adular, mentir e enganar, o falar pelas costas, o representar, o viver em esplendor consentido, o mascaramento, a convenção acobertadora, o fazer drama diante dos outros e de si mesmo, numa palavra, o constante saracotear em torno da chama única da vaidade, constitui a tal ponto a regra e a lei que quase nada é mais imcompreensível do que como pôde vir à luz entre os homens um legítimo e puro impulso à verdade”.

. Friedich Nietzsche in Sobre Verdade e Mentira .

Resenha: Morangos Mofados


Livro:
Morangos Mofados
Autor(a): Caio Fernando Abreu
Editora: Agir
Páginas: 160

Nota: 5
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

 

No entanto (até no-entanto dizia agora) estava ali e era assim que se via. Era dentro disso que precisava mover-se sob o risco de. Não sobreviver, por exemplo – e queria? Enumerava frases como é-assim-que-as-coisas-são ou que-se-há-de-fazer-que-se-há-de-fazer ou apenas éofinal-que-importa. E a cada dia ampliava-se na boca aquele gosto de morangos mofando, verde doentio guardado no fundo escuro de alguma gaveta“.

Porque é esse o sentimento que esse livro me trouxe. Junto com o gosto de morangos mofados na boca e aquela dor no alto do estômago do desconforto de ter que se mover, porque Caio F. é como Clarice, e nos faz mergulhar fundo e por dentro e é impossível ficar imóvel e irredutível às reflexões que suas palavras trazem.

Continuar lendo

Sempre estive só de ti

Minha verdade espantada é que eu sempre estive só de ti e não sabia. Agora sei: sou só. Eu e minha liberdade que não sei usar. Grande responsabilidade de solidão. Quem não é perdido não conhece a liberdade e não a ama. Quanto a mim, assumo minha solidão…”

. Clarice Lispector in A Descoberta do Mundo .

Passagem das Horas III

Vi todas as coisas, e maravilhei-me de tudo,  
Mas tudo ou sobrou ou foi pouco – não sei qual – e eu sofri.  
Vivi todas as emoções, todos os pensamentos, todos os gestos,  
E fiquei tão triste como se tivesse querido vivê-los e não conseguisse.  
Amei e odiei como toda gente,  
Mas para toda a gente isso foi normal e instintivo,  
E para mim foi sempre a exceção, o choque, a válvula, o espasmo“.

. Álvaro de Campos in Passagem das Horas .

Recomeçar

Recomeçar é doloroso. Faz-se necessário investigar novas verdades, adequar novos valores e conceitos. Não cabe reconstruir duas vezes a mesma vida numa única existência. Por isso me esquivo, deslizo por entre as chamas do pequeno fogo, porque elas queimam e queimar também destrói”.

. Caio Fernando Abreu in O Inventário do Ir-remediável .