31.10 – 110º Aniversário de Drummond

Tenho apenas duas mãos
e o sentimento do mundo
“.

. Carlos Drummond de Andrade .

29.10 [12] – Dia Nacional do Livro

Num mundo em que o livro deixasse de existir, eu não gostaria de viver”.

. José Mindlin .

Aonde meu Coração queria

“A tragédia aconteceu porque os homens tentaram evitá-la. Tolos! Pensamos que nossos planos são capazes de garantir o futuro. Ignoramos que há forças mais profundas. Não estou dizendo teoria. Eu vivi isso. Só estou onde estou porque tudo que planejei deu errado. (…)Não sabia que era precisamente esse fracasso que me levaria ao lugar que desejava. As correntes do rio profundo foram mais generosas que o meu remar contra elas. Não cheguei aonde planejei ir. Cheguei, sem querer, aonde meu coração queria chegar, sem que eu o soubesse”.

. Rubem Alves in As Cores do Crepúsculo .

CURIOSIDADE: Música dos Beatles é a mais citada em livros dos últimos tempos

Mais de 30 anos após o fim da banda, os Beatles ainda são sinônimos de sucesso. E dessa vez é na literatura gente.
A música Hey Jude foi considerada a canção mais citada nos livros dos últimos tempos. De acordo com o site “Small Demons”, Hey Jude foi mencionada em pelo menos 55 livros de ficção de grandes autores. Os Beatles tem outras 4 faixas no Top 20 elaborado pelo site, dentre elas Lucy In The Sky With Diamonds e Eleanor Rigby. Recentemente Hey Jude também foi eleita a canção favorita dos britânicos em toda a discografia dos Beatles.

Apagável

A vida não é apagável, pensei. Nem volta atrás. Ainda não construíram a máquina do tempo. Ninguém virá em meu socorro. Faz tanto tempo que invento meus próprios dias. Preciso começar por algum ponto”.

. Caio Fernando Abreu in Onde Andará Dulce Veiga? .

Corte as tranças, Rapunzel

Não se fazem mais contos de fadas como antigamente – açucarados e com frágeis donzelas. As novas releituras trazem tons mais sombrios e mulheres valentes. Curiosamente, estão mais próximas das histórias originais compiladas pelos irmãos Grimm há 200 anos.

A reportagem é de Pablo Nogueira e Martha San Juan.

Revista Unesp Ciência

Os príncipes que se cuidem. Depois de Rapunzel cortar as madeixas e se casar com um bandido na animação Enrolados, que passou pelos cinemas em 2011, este ano foi a vez de Branca de Neve surprender o público. A atriz Kristen Stewart, famosa como protagonista da série Crepúsculo, encarna uma versão mais gótica da clássica personagem em Branca de Neve e o Caçador. A mocinha de cabelos negros e pele branquíssima aparece envergando espada, escudo e armadura.

Continuar lendo “Corte as tranças, Rapunzel”

Queda

É porque todos nós temos o nosso momento de queda. E este é o meu. No vácuo de mim eu me despenco. Porque seria preciso também abdicar de mim mesmo para novamente reconstruir-me. Tornar a escolher os gestos, as palavras, em cada momento decidir qual dos meus eus assumir. Já esfacelei meu ser, já escolhi as porções que me são convenientes, esquecendo deliberado as outras. E são elas – serão elas? – que agora se movimentam revoltadas, pedindo passagem em gritos mudos, na ânsia de transcender limites, violentar fronteiras, arrebentando para a manhã de sol. O tremular da chama é um aceno, convite para chegar à verdade última e íntima de cada coisa”.

. Caio Fernando Abreu in O Inventário do Ir-remediável .

Memórias Empoeiradas

LI Desafio Incubadora Literária
Tema: Máquina Fotográfica

Havia poeira no ar, possível de ver através dos raios de sol que conseguiam transpassar a sujeira nas vidraças e lambiam o chão de madeira com tons de dourado. Cada vez que ela tirava uma caixa da estante, mais poeira subia pelo ambiente e a fazia espirrar enlouquecidamente. Mas ela tinha que continuar, enquanto ainda podia. Haviam se passado anos, e ela sabia que se as filhas descobrissem que tinha subido até o sótão atrás de um passado há muito esquecido, levaria um bronca daquelas. Mas não importava, porque sua busca valia a pena. Tirou outra caixa do lugar e quando abriu ficou paralisada. A mão a meio gesto do que ia fazer, a boca numa linha reta e a íris dos olhos dilatadas. Apenas um brilho tremulava nos olhos. Brilho este que escorreu pelos sulcos das bochechas que os anos haviam tolhido e parou no canto da boca deixando um gosto salgado de saudade. Com mãos trêmulas, saiu da imobilidade e pegou a máquina na mão. Sorriu, enquanto outras lágrimas corriam e pingavam na lente daquele simples objeto por onde as cenas mais bonitas de sua vida haviam sido capturadas e guardadas para a eternidade. Aquela máquina fotográfica fazia parte de sua história e não era justo que em seus últimos momentos ela ficasse ali, relegada ao pó. Por mais obsoleta que estivesse, queria-a ao seu lado. Amiga fiel, observadora atenta de momentos insubstituíveis.

{ Lyani }

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil License.