Mudança

O que eu queria que entendesses é que sou uma pessoa. Com certa inteligência, certa cultura, certa sensibilidade. E certas idéias (que não te agradam). Mudei muito, e não preciso que acreditem na minha mudança para que eu tenha mudado. Essa modificação vinha se processando sem que eu mesmo percebesse e, com determinadas leituras e determinadas vivências, ela se consumou”.

. Caio Fernando Abreu in Carta a Hilda Hist .

25.07 [16] ─ Dia Nacional do Escritor

142_principal_Máquina-de-escrever-pinturas-01_thumb

A escrita é a pintura da voz”.

. Voltaire .

Continuar lendo “25.07 [16] ─ Dia Nacional do Escritor”

Não desistir

Pedro ─ E final feliz com beijo só foi inventado nos romances do século 17. Beijo no final só serve pra tranquilizar todo mundo dando ideia de que os amantes não vão mais enfrentar obstáculos. Mas sem obstáculos o amor acaba, não há mais o que contar, acabou o romance.

Ana ─ Nem beijo, nem morte… Não tem saída?

Pedro ─ Eu acho que a saída é não desistir de procurar saída. Mesmo que ela não exista.

Romance (filme)

Instinto Secreto

Talvez haja algum instinto secreto nos livros que os leve a seus leitores perfeitos. Se fosse verdade, seria encantador”.

. Mary Ann Shaffer e Annie Barrows
in A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata  .

A Inevitabilidade das Revoluções

As revoluções não são factos que se aplaudam ou que se condenem. Havia nisso o mesmo absurdo que em aplaudir ou condenar as evoluções do Sol. São factos fatais. Têm de vir. De cada vez que vêm é sinal de que o homem vai alcançar mais uma liberdade, mais um direito, mais uma felicidade. Decerto que os horrores da revolução são medonhos, decerto que tudo o que é vital nas sociedades, a família, o trabalho, a educação, sofrem dolorosamente com a passagem dessa trovoada humana. Mas as misérias que se sofrem com as opressões, com os maus regímens, com as tiranias, são maiores ainda”.

. Eça de Queiroz in Distrito de Évora .

Conhecendo Benjamin Moser

IMG_20160705_142223

Emoção define. Ninguém mais me aguenta falar dele, eu sei. Mas como não amar um autor que dedicou 12 anos da sua vida a conhecer profundamente Clarice. Que todas as vezes que vem ao Brasil visita o túmulo dela. Que é o grande divulgador dessa diva da literatura ao mundo. Que se sente em casa estando no Brasil e que lê e ama nossa literatura. Que fala português perfeitamente, assim como outras 5 línguas, é PhD e tão jovem e ainda assim é extremamente simples, acessível, simpático e educado. Conversou, sorriu e tirou até uma selfie com uma senhorinha. Me aguentou sendo extremamente brasileira e invadindo seu espaço pra dar dois abraços de urso que ele chamou de simpatia, mas que eu sei que é loucura. Não tem como não ficar apaixonada e não tentar fazer outras pessoas conhecerem o trabalho tão fantástico dele!

Continuar lendo “Conhecendo Benjamin Moser”