Deriva

Minha alma era um rio parado, nenhum vento me enluava a vela dos meus sonhos. […] me derivo sozinho, órfão como uma onda, irmão das coisas sem nome”.

. Mia Couto in Terra Sonâmbula .

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s