R. I. P. Stephen Hawking

E obrigada por tudo ❤

_20180314_172351

[Conselhos para os meus três filhos]
“Um, lembre-se de olhar para as estrelas e não para baixo, para seus pés. Dois, nunca desista do trabalho. Trabalho dá significado e propósito, e a vida está vazia sem ele. Três, se você tiver sorte o suficiente para encontrar o amor, não o deixe ir embora”.

. Stephen Hawking

Resenha: Becky Bloom – Delírios de Consumo na 5ª Avenida

Livro: Becky Bloom – Delírios de Consumo na 5ª Avenida
Autor(a): Sophie Kinsela 
Editora:
 Record
Páginas: 466

Nota: 4
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

Mais um ótimo livro de Sophie Kinsella! É impossível não rir e não se divertir com mais uma história cheia das peripécias mirabolantes de Becky Bloom.

Neste, ela já está com a vida financeira um pouco arranjada após encontrar um emprego como consultora financeira (como??!! O.o) num programa de televisão e até seu gerente de banco está um doce com ela. Seu novo lema agora é “compre só o que precisar” e Becky parecia realmente fiel a ele até encontrar a primeira vitrine com a placa de liquidação pela frente. Toda regra tem sua exceção, não é? rs

Para ajudar, seu namorado Luke (o bonitão expert em finanças que ela consegue conquistar no primeiro livro da série) está de mudança para Nova York e a convida pra ir com ele. Nova York!!! É claro que Becky quer ir conhecer a vida cultura da Big Apple: o Museu de Arte Moderna, o Ópera House, o Guggenheim… Mas é claro que também a Sacks, Blooomingdales, Sephora, Barney’s, enfim… é claro que Becky não ia perder sua fama de consumista ainda mais na “meca” do consumo!!!

E mais uma vez, é lógico, ela enlouquece e nos proporciona ótimas risadas.

14.03 [18] – Dia Nacional da Poesia

64fabb963ff8a230d6d337618f82b939

A contagem de tempo
do poeta
não é a do relógio
nem a da folhinha.
É amadurecer de poemas
a envolvê-lo e tirar-lhe
toda marca de tempo
de folhinha
e relógio
e a situá-lo
na franja além do tempo
onde paira o sentido
a razão última das coisas
imersas de poesia”.

. Carlos Drummond de Andrade in A Abgar Renault .