Resenha: O Castelo do Príncipe Sapo

Livro: O Castelo do Príncipe Sapo
Autor(a): Jostein Gaarder
Editora:
 Companhia das Letrinhas
Páginas: 128

Nota: 2
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

DESAFIO LITERÁRIO 2011 – Tema: Infanto Juvenil / Mês: Janeiro (Livro 4)
Confesso que de todos que li do Gaarder, este foi o que menos gostei. Não sei explicar exatamente o que não me agradou, mas não foi uma leitura super agradável como geralmente os livros de Gaarder são. Talvez tenha sido o fato do livro ser cheio de metáforas ou talvez a mistura de realidade com sonho que me deixou um pouco embaralhada na história, não sei realmente precisar.

A história é protagonizada por um menino de 7 anos que acaba de perder o avô e apesar de chamar-se Gregório da Silva, gosta de se apresentar como Gregório Pregório. Numa certa noite ele estava andando à luz do luar quando conhece o duende Umpim e com ele vive uma incrível aventura num castelo onde guardas são Salamandras, a Rainha não usa a parte de cima da roupa, um Lorde Camareiro lê pensamentos e todos adoram comer panquecas com geléia de morango.

Quase na metade da leitura comecei a entender que o garotinho Gregório sofreu tanto com a perda do avô, do qual fala durante toda sua incrível aventura, que precisava se desligar do “mundo real” e mergulhar no “faz-de-conta”. O que é incrível nos livros de Gaarder é que tem sempre algo a refletir em sua escrita. Duas passagens me chamaram muito a atenção neste livro. Primeiro a passagem do Rei falando sobre o tempo com Gregório:

“O tempo cura todas as feridas, mas abre outras…”
“Quer dizer que o tempo é ao mesmo tempo bom e ruim?”
“Sim, as duas coisas”

E também quando Umpim, o duende, ensina Gregório a enfrentar seus medos:

“Quem foge de um sonho mau acaba sempre voltando a esse mesmo sonho. Por isso devemos tratá-lo exatamente como se trata um lobo que a gente encontra na floresta. […] Se você encontrar um lobo, não deve sair correndo, pois ele vai correr atrás de você. Você deve ficar firme no lugar e olhar bem fixamente nos olhos do lobo…”.

Apesar destas duas ótimas passagens, no todo não consegui dar muitas estrelas para esta obra. Achei as demais obras de Gaarder mais interessantes!

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s