Resenha: Outra Volta do Parafuso

Livro: Outra Volta do Parafuso
Autor(a): Henry James
Editora:
 Abril
Páginas: 208

Nota: 2
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

Tudo bem, é considerado um clássico e Jorge Luis Borges, a quem admiro demais, pode até dizer que Henry James era mestre em criar “situações deliberadamente ambíguas e complexas, capazes de indefinidas e quase infinitas leituras”, mas achei-o cansativo e monótono. Raras exceções quando algum momento da trama prendeu minha atenção e pensei que a narrativa estava enfim avançando, mas logo voltava a morosidade normal. Não é uma história de todo péssima e até me fez lembrar ─ e bastante ─ do livro ‘A menina que não sabia ler’, afinal neste também a história gira em torno de duas crianças, sua preceptora, um casarão no meio do nada e um tio tutor que jamais aparece. Aliás, os nomes das crianças são até parecidos: Miles e Flora em ‘Outra Volta do Parafuso’ e Giles e Florence em ‘A Menina que não sabia ler’.  Claramente houve uma inspiração de Henry James na escrita do segundo. Mesmo assim, a leitura foi apenas razoável e o final não correspondeu às expectativas em minha humilde opnião de leitora.

Devemos ter raiva.

“Estou com raiva. Devemos ter raiva. Ao longo da história, muitas mudanças positivas só aconteceram por causa da raiva. Além da raiva, também tenho esperança, porque acredito profundamente na capacidade de os seres humanos evoluírem”.

Chi­ma­man­da Ngo­zi Adi­chie in Sejamos Todos Feministas .

Por meio dos livros…

“Não havia nada que ela apreciasse mais do que sentir o peso de um exemplar bem volumoso nas mãos e sentir que cada tomo de sabedoria daqueles era mais raro, maravilhoso e fascinante que o anterior. Se deliciava com o cheiro da tinta, a aspereza do papel junto dos dedos, o farfalhar das páginas, a forma das letras encantando seus olhos. Mas, acima de tudo, adorava o modo como os livros a faziam sair de sua vidinha mundana e sufocante e ofereciam experiências de uma centena de outras vidas. Por meio dos livros, conseguia ver o mundo”.

. Cynthia Hand, Brodi Ashton e Jodi Meadows in Minha Lady Jane .

Resenha: Querido John

Livro: Querido John
Autor(a): Nicholas Sparks
Editora:
 Novo Conceito
Páginas: 288

Nota: 3
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

É bonitinho, romântico e tem um drama envolvido, mas esperei muito mais desse livro. Do Sparks eu só conhecia mesmo a adaptação para o cinema de “The Notebook” que é uma história maravilhosa e super envolvente. O problema é que fiquei cheia de expectativas que não foram atingidas. Mas não estou dizendo que o livro é horrível ou algo do gênero. É bom sim, é uma leitura agradável e tranquila e tem os seus momentos, só que esperei por mais! Só uma coisa me agradou muito e me fez não perder as esperanças por Sparks ainda: o final! Foi ótimo, nada piegas e fugiu totalmente do “happily ever after”. Porque afinal, a vida não é um conto de fadas, certo?

Correio para Mulheres

IMG_20180822_034729_133

Por Patrícia Rochaàs 14h30]

Continuar lendo

Afinidade

A afinidade não é o mais brilhante, mas o mais sutil, delicado e penetrante dos sentimentos. E o mais independente. Não importa o tempo, a ausência, os adiamentos, as distâncias, as impossibilidades. Quando há afinidade, qualquer reencontro retoma a relação, o diálogo, a conversa, o afeto no exato ponto em que foi interrompido. Afinidade é não haver tempo mediando a vida. É uma vitória do adivinhado sobre o real. Do subjetivo para o objetivo. Do permanente sobre o passageiro. Do básico sobre o superficial.
Ter afinidade é muito raro. Mas quando existe não precisa de códigos verbais para se manifestar. Existia antes do conhecimento, irradia durante e permanece depois que as pessoas deixaram de estar juntas. O que você tem dificuldade de expressar
a um não afim, sai simples e claro diante de alguém com quem você tem afinidade.
Afinidade é ficar longe pensando parecido a respeito dos mesmos fatos que impressionam comovem ou mobilizam. É ficar conversando sem trocar palavras. É receber o que vem do outro com aceitação anterior ao entendimento…
Afinidade é sentir com. Nem sentir contra, nem sentir para, nem sentir por. Quanta gente ama loucamente, mas sente contra o ser amado. Quantos amam e sentem para o ser amado, não para eles próprios. Sentir com é não ter necessidade de explicar o que está sentindo. É olhar e perceber. É mais calar do que falar, ou, quando falar, jamais explicar: apenas afirmar.
Afinidade é jamais sentir por. Quem sente por, confunde afinidade com masoquismo. Mas quem sente com, avalia sem se contaminar. Compreende sem ocupar o lugar do outro. Aceita para poder questionar. Quem não tem afinidade, questiona por não aceitar. Afinidade é ter perdas semelhantes e iguais esperanças.
É conversar no silêncio, tanto das possibilidades exercidas, quanto das impossibilidades vividas. Afinidade é retomar a relação no ponto em que parou sem lamentar o tempo de separação. Porque tempo e separação nunca existiram.
Foram apenas oportunidades dadas (tiradas) pela vida, para que a maturação comum pudesse se dar. E para que cada pessoa pudesse e possa ser, cada vez mais a expressão do outro sob a forma ampliada do eu individual aprimorado.

Artur da Távola*


*Pseudônimo de Paulo Alberto Artur da Tavola Moretzsonh Monteiro de Barros, foi um advogado, jornalista, radialista, escritor, professor e político brasileiro.

Sobre a 25ª Bienal do Livro de SP

Ah, o que falar desse evento? É maravilhoso demais, podem dizer as más línguas o que quiserem, é um local mágico de encontro de leitores, autores, profissionais da área (me incluo, bibliotecária com orgulho ❤ ), e muitas trocas de experiências, conhecimento, olhares, enfim…  A Bienal do Livro é um momento que proporciona muita interação nesse mundo literário e eu fico sempre muito feliz de ver aquele galpão lotado de gente em busca de cultura, conhecimento, e aprendizado para a vida! Tem atrações para todas as idades, gêneros literários para todos os gostos, e muita, muita promoção desta vez. Vamos quebrar a ideia de que livro na Bienal é mais caro que na internet?  Vou mostrar minhas aquisições:

Continuar lendo