Correio para Mulheres

IMG_20180822_034729_133

Por Patrícia Rochaàs 14h30]

Depois, em 1959, passou a escrever os textos que ganhavam o nome de Helen Palmer na coluna Feira de Utilidades do Correio da Manhã. E agora uma saborosa seleção dos escritos de Clarice no início dos anos 1960 chegam às livrarias com o nome e sobrenome de sua autora, em Correio para Mulheres.

Uma leitura deliciosa do início ao fim, a coletânea é a chance de mergulhar ainda mais no universo de Clarice e também a prova de que a autora de títulos como A Hora da Estrela e Laços de Família era capaz de transformar dicas de moda, beleza e comportamento, receitas para sono agitado e segredos de uma boa dona de casa em mote para fazer a leitora pensar.

“A beleza não tem idade. A mulher inteligente sabe isso”, escreve ela. Ao anunciar a tendência do momento, faz questão de pontuar: “Moda é moda, mas quem manda mesmo é você”. Mais adiante, pede para “não confundir futilidade, denguice e falta de personalidade com feminilidade”.

Foto: Reprodução

Mesmo quando o texto parte de uma premissa datada, mais muito em voga à época, como as estratégias para manter o marido sempre interessado, Clarice não abre mão da ironia e da provocação:

“Um rosto bonito, uma figura elegante sempre exercem grande poder sobre eles. A mulher que ama um deles tem de fazer tudo para prendê-lo, portanto, e esse tudo é a sedução diária e constante. Eu sei, minha amiga. É cansativo isso, e um pouco tolo, mas que se há de fazer?”.

A coletânea “Correio para Mulheres” reúne textos de Clarice Lispector publicados em colunas para mulheres no início dos anos 1960. Lançamento da editora Rocco, 400 páginas, R$ 49,90.

Veja outras frases de Clarice:

“O pessimista está sempre arranjando um jeito de acomodar as coisas ao seu pessimismo.”

“Você, minha leitora, não limite o seu interesse apenas à arte de embelezar-se, de ser elegante, de atrair os olhares masculinos. A futilidade é fraqueza superada pela mulher esclarecida. E você é uma mulher esclarecida, não é mesmo?”

“Conselho é aquilo que não aceitamos porque desejamos experiência; e experiência é o que nos resta depois que perdemos tudo o mais.”

Fonte: Revista Donna

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s