Dois modos de ler

Existem dois modos distintos de ler os autores: um deles é muito bom e útil, o outro, inútil e até mesmo perigoso. É muito útil ler quando se medita sobre o que é lido; quando se procura, pelo esforço da mente, resolver as questões que os títulos dos capítulos propõem, mesmo antes de se começar a lê-los; quando se ordenam e comparam as ideias umas com as outras; em suma, quando se usa a razão. Ao contrário, é inútil ler quando não entendemos o que lemos, e perigoso ler e formar conceitos daquilo que lemos quando não examinamos suficientemente o que foi lido para julgar com cuidado, sobretudo se temos memória bastante para reter os conceitos firmados e imprudência bastante para concordar com eles. O primeiro modo de ler ilumina e fortifica a mente, aumentando o seu entendimento. O segundo diminui o entendimento e gradualmente o torna fraco, obscuro e confuso. Ocorre que a maior parte daqueles que se vangloriam de conhecer as opiniões dos outros estuda apenas do segundo modo. Quanto mais lêem, portanto, mais fracas e mais confusas se tornam suas mentes.

Malebranche in O Livro das Citações.
São Paulo: Companhia das Letras, 2008 p. 24.

07.01 [20] – Dia do Leitor

“Cada vez que um livro troca de mãos, cada vez que alguém passa os olhos sob suas páginas, seu espírito cresce e a pessoa se fortalece”.

. Carlos Ruiz Zafón .

Leituras das Férias/Janeiro 2020

  1. Mulheres que Correm com os Lobos – #ClarissaPinkolaEstés: os lobos foram pintados com um pincel negro nos contos de fada e até hoje assustam meninas indefesas. Mas nem sempre eles foram vistos como criaturas terríveis e violentas. A analista junguiana Clarissa Pinkola Estés acredita que na nossa sociedade as mulheres vêm sendo tratadas de uma forma semelhante. Ao investigar o esmagamento da natureza instintiva feminina, Clarissa descobriu a chave da sensação de impotência da mulher moderna. Abordando 19 mitos, Estés mostra como a natureza instintiva da mulher foi sendo domesticada ao longo dos tempos, num processo que punia todas aquelas que se rebelavam. Mas sua energia vital, segundo ela, pode ser restaurada por escavações “psíquico-arqueológicas” nas ruínas do mundo subterrâneo. Até o ponto em que, emergindo das grossas camadas de condicionamento cultural, apareça a corajosa loba que vive em cada mulher. Clássicos dos estudos sobre o sagrado feminino e o feminismo, livro é o primeiro de uma série de longsellers da Rocco a ganhar edição com novo projeto gráfico e capa dura;

  2. A Livraria 24h do Mr. Penumbra – #RobinSloan: A recessão econômica obriga Clay Jannon, um web-designer desempregado, a aceitar trabalho em uma livraria 24 horas. A livraria do Mr. Penumbra — um homenzinho estranho com cara de gnomo. Tão singular quanto seu proprietário é a livraria onde só um pequeno grupo de clientes aparece. E sempre que aparece é para se enfurnar, junto do proprietário, nos cantos mais obscuros da loja, e apreciar um misterioso conjunto de livros a que Clay Jannon foi proibido de ler. Mas Jannon é curioso… ;

  3. A Conquista da Paz – Psicografia de #ElianaMachadoCoelho, Espírito #Schellida: Antonella e Enrico têm cinco filhos bem criados, adultos e independentes. A família é alicerçada em todos os sentidos, até que, subitamente, veem-se abalados pelo falecimento repentino do pai e situações impostas pela vida. Cada um com problemas diferentes, mas com a mesma origem: Perceval. O espírito Perceval, mestre das sombras, torna-se obsessor implacável de Bárbara, a filha mais nova do casal. Emancipada, a jovem era profissional esforçada e inteligente. Dona de bom-gosto, autoestima e muito vigor. Aos poucos, perde todas as suas conquistas e vê-se obrigada a retornar para a casa de sua mãe e se juntar às irmãs que também vivem imensos desafios. Na espiritualidade, a perseguição é intensa. Bárbara e sua família são envolvidas em terríveis tramas para que percam a vontade de viver e a fé, uma vez que a vida só lhes apresenta perdas. Como superar? Como vencer? Como criar novamente vontade e ânimo para viver? Como não ceder aos desejos mórbidos do obsessor e preservar a própria vida? Deus nunca nos abandona. Mas é preciso buscá-Lo. Este belo e surpreendente romance, traz-nos uma história fascinante, com reflexões e ensinamentos valorosos, mostrando-nos que somos capazes de desenvolver a fé, vencer obstáculos e desafios. Pela misericórdia Divina e a nossa determinação no bem, somos capazes de conquistar a paz;

  4. Castelos de Marzipã – Psicografia de #LygiaBerbiéreAmaral, Espírito #Schellida: existem mais de 340 milhões de pessoas vivendo com o diabetes no mundo. Calcula-se que este total irá saltar para 380 milhões até 2025 se nenhuma providência for tomada no sentido de prevenir a população e conscientizá-la da urgente necessidade de reverter este quadro. O diabetes, sobretudo o tipo 2, afeta 5,9 por cento da população adulta mundial. Quase metade deste imenso número de pessoas não sabe sequer que tem a doença, aumentando ainda mais o risco de suas possíveis complicações. O diabetes é a principal causa de cegueira no mundo e também a principal causa não traumática de amputações de membros inferiores. Enfartes são três a cinco vezes mais frequentes nos portadores da doença, dos quais 65 por cento apresentam pressão alta, para citar apenas algumas delas. Afinal, conteúdos genéticos à parte, será que existe uma explicação espiritual para o diabetes? Será possível que no mundo espiritual alguém programe, de livre e espontânea vontade, nascer ou vir a desenvolver essa doença ao longo da existência? Com que finalidade? Será que só quem come muito açúcar tem essa doença? Em que medida gostar muito de comer doces pode ser considerado uma compulsão? Todas as compulsões possuem uma raiz em comum? A resposta para essas e muitas outras perguntas é mais um dos temperos do romance “Castelos de Marzipã”, oitavo romance espírita e jornalístico de Lygia Barbiére Amaral;

  5. Graça Infinita – #DavidFosterWallace: neste romance, seguimos os passos dos irmãos Incandenza – membros da família mais disfuncional da literatura contemporânea -, conforme tentam dar conta do legado do patriarca James Incandenza, um cientista de óptica que se tornou cineasta e cometeu suicídio depois de produzir um misterioso filme que, pela alta voltagem de entretenimento, levava seus espectadores à morte. Enquanto organizações governamentais e terroristas querem usar o filme como arma de guerra, os Incandenza vão se embrenhar numa cômica e filosófica busca pelo sentido da vida. Graça Infinita dobra todas as regras da ficção sem jamais sacrificar seu próprio valor de entretenimento. É uma exuberante e original investigação do que nos torna humanos – e um desses raros livros que renovam a ideia do que um romance pode ser.

Quais são as leituras de vocês pra esse início de ano?