Resenha: A Forma da Água

Livro: A Forma da Água
Autor(es): Guilhermo Del Toro & Daniel Kraus
Editora:
Intrínseca
Páginas: 352
Nota: 5
(1.Não gostei 2.Gostei pouco; 3.Gostei;
 4.Gostei bastante;
5.Adorei)

“Ele não é humano – ele diz…

… Estas são as palavras de um velho cansado, implorando para viver seus últimos dias em paz. Antes que possa escapar pela saída de incêndio, no momento em que está se virando, ele vê as mãos de Elisa sinalizarem em resposta e fica com a sensação de que elas fazem um marca em suas costas, através do paletó, do suéter, da camisa, do músculo, do osso, fundo o bastante para que machuquem como um ferimento recente por todo o caminho até a Klein & Saunders, onde ela começa a coçar e se transformar na cicatriz que ele será forçado a encarar pelo resto da vida: ‘Nem nós'”.

A Forma da Água é um ficção maravilhosa criada por Guilhermo Del Toro e transformada em livro pelo autor Daniel Kraus. Desde que li/assisti “O Labirinto do Fauno” estou apaixonada por Del Toro e sua capacidade de reunir fatos históricos com fantasia, mesclando o improvável ao possível, o místico ao cotidiano e fazendo isso com cenas tão belas e cheias de sensibilidade que é impossível não se encantar.

Nesta trama, Del Toro trata de diversos temas importantes, sendo o mais relevante e o foco central dessa história, as dificuldades do ser humano em aceitar as diferenças. Elisa, é muda, órfã e servente, o que a faz ser praticamente invisível a todos a sua volta, trazendo uma solidão que está além da companhia, mas da compreensão e sensação de pertencimento. Giles, vizinho de Elisa e um de seus únicos amigos, é gay e um artista decadente que passa por situações de preconceito e desconforto. Zelda, colega de trabalho de Elisa, é negra e sofre muitas humilhações. Para culminar essa equipe, está o ser sobrenatural, o “recurso” da Occan, empresa onde Elisa e Zelda trabalham, que foi capturado na Amazônia onde era chamado de Deus Brânquia e tratado como tal, para virar projeto de pesquisa e ser torturado em busca de inovações.

Ao fazer contato com o homem-peixe, Elisa se sente pela primeira vez em toda sua vida, vista de verdade, compreendida e de forma nenhuma julgada por sua mudez ou condição. Assim como o ser sobrenatural se sente pela primeira vez respeitado e não temido por sua aparência. Ambos sentem que apesar de serem de espécies diferentes, de mundos diferentes, são iguais em essência, mais parecidos do que os que deveriam ser seus semelhantes. A amizade que desenvolvem se transforma em um amor, que vai muito além do amor romântico. É poético, intenso, e extremamente tocante como criaturas tão diferentes se enxergam como são e amam pelo simples fato de respeitar ao invés de temer, conhecer ao invés de subjugar.

Afora isso, o livro tem como pano de fundo a Guerra Fria e traz muitos outros temas como disse, tratando os dilemas pessoais dos personagens e inserindo críticas sociais e políticas de forma muito clara e objetiva. Não há pontas soltas, tudo que é descrito, os diálogos e cenas são usados para fechar este ou aquele quebra cabeça e no fim tudo se completa de forma fascinante.

Uma lição de respeito e amor, que nos é transmitida através de uma incrível narrativa, cheia de cenas fortes e impactantes, mas também de extrema beleza e sensibilidade. “Assim é a vida, Elisa. Coisas remendadas juntas, sem sentido, a partir das quais nós, em nossas mentes necessitadas, criamos mitos que nos agradam. Você compreende?”

Recomendo fortemente a leitura!!!