Calma bendita

“[…] Na noite em que meu filho Júlian nasceu e o vi pela primeira vez nos braços da mãe, entregue a calma bendita daqueles que ainda não sabem direito a que tipo de lugar vieram…”

. Carlos Ruiz Zafón in O Labirinto dos Espíritos .