Resenha: Morra, Amor

Livro: Morra, Amor
Autora: Ariana Harwicz
Editora: Instante
Páginas: 144
Nota: 4
(1.Não gostei 2.Gostei pouco; 3.Gostei;
 4.Gostei bastante; 5.Adorei)

“Achei que meu menino estava chorando, mas toda noite eu o ouço chorar e, quando chego perto, é o silêncio total, como se tivesse gravado um fragmento do seu choro e se reproduzisse sozinho. Mas às vezes não ouço nada. Estou sentada no sofá, a poucos metros do seu quarto, vendo um programa de troca de casais, babás perfeitas, ou pintando as unhas, quando meu querido aparece com o calção meio arriado e me diz: por que ele não para de chorar?, o que ele quer?, a mãe é você, tem que saber. Não sei o que ele quer, digo, não tenho a menor ideia”.

Vou começar com esse trecho, pois ele diz tudo pra mim sobre a leitura desse livro. O que temos aqui é uma jovem mãe que muito claramente não queria ser mãe, ou simplesmente não fazia ideia de como seria e quando aconteceu não teve a melhor experiência de sua vida, como tão banalmente somos levados a acreditar que é a experiência materna. Ela vive numa cidade esquecida do interior da França com seu marido e seu bebê e sofre de depressão pós parto, nos dando uma narrativa confusa de seus sentimentos e pensamentos que é exatamente como ela se sente nesse universo.

Ela mesma, aborda o fato de que ter engravidado foi um erro que ela poderia ter evitado, mas que acabou não fazendo e agora está ali tendo que ir à padaria comprar um bolo de seis meses pro filho, pois segundo outras mães que, inclusive fazem os bolos elas mesmas, não é igual ao cinco ou ao sete… E “um segundo depois de parirem dizem, já não imagino minha vida sem ele, é como se ele estivesse sempre estado comigo”. Dá pra perceber a solidão nessas frases? Dá pra perceber o quanto ela se sente estranha por não sentir as mesmas coisas que as outras mulheres sentem? Ela debocha… consigo ver ela revirando os olhos nessa afirmação, mas é uma auto defesa, pra esconder a verdade: é solitário e extremamente doloroso não sentir algo que é tão natural e comum aos outros e sentir que só você, sente de forma diferente.

Então ela tenta esconder. E tenta ser a mãe que todos esperam que ela seja. E tenta ser a esposa que todos esperam que ela seja, mas falha miseravelmente a cada tentativa. Ela cozinha pro marido, ela troca o bebê (com raiva, querendo morrer, mas faz, tentando se encaixar), ela ouve ele chorando as vezes, e as vezes não consegue. Fica super claro os altos e baixos da depressão… os feixes de luz que se abrem e ela tenta desesperadamente se agarrar e tentar fazer algo normal, e quando a escuridão vem e ela simplesmente se deixa levar pelos pensamentos terríveis. Ouvi muito e li muito sobre: mas porque ela não procura ajuda? Por que ela não aceita ajuda? E essas perguntas não tem uma resposta certa e nem uma única resposta. Podem ser tantos os motivos: ela estar tão doente e sequer saber que precisa de ajuda, ela sentir vergonha da situação (o que acho provável, já que quando ela está no hospital conversando com os médicos ela diz o tempo todo: eu sou um lixo, eu sei que sou o pior dos lixos), e tantas outras possibilidades…

A frase do início da resenha, deixa muito claro o quanto é cobrado de uma mãe, o quanto ela tem que MILAGROSAMENTE saber das coisas porque de um dia pro outro se tornou mãe e a maternidade é esse conto de fadas que transforma as pessoas e de repente elas sabem tudo e são pessoas maravilhosas, nada mais importa. Elas são mães. Elas não são mais seres humanos, não são mais pessoas, não são mais nada: são mães. E além desse ponto que é muito importante, o trecho mostra o quanto é aceitável essa postura PATÉTICA de pai, de achar que só por ter contribuído com o espermatozoide, já fez TUDO que tinha que fazer e não precisa fazer mais nada. Afinal, é a mãe que tem que saber…

Ah, mas eu sei que muitos defenderão o pai do livro, porque ele amava ela, ele aceitava o problema dela, ele cuidava do bebê nos momentos que ela estava tendo as crises. Vamos refletir um pouco mais sobre isso? Ele fazia sim, mas fazia porque ela não fazia, porque se ela fosse a guerreira que a maioria das mães que eu conheço é, e fizesse TUDO, o “querido” não sairia do lugar. E vamos relembrar que na maioria das vezes o bonito chamava a mãe dele ou levava o bebê pra casa dela. E eu só me faço uma pergunta: porque é aceitável o pai não cuidar, não acordar a noite, não ouvir o bebê chorar e a mãe não? Ambos são seres humanos e a gente precisa começar a desmistificar isso de que mãe é uma super mulher cheia dos poderes e que a partir do momento que vira mãe não sente mais nada, só é mãe. E precisa parar de achar aceitável essa postura ridícula de homens que “ajudam” mas dizem: “você que é a mãe” e dane-se se ela é um ser humano, se tem hormônios, se está doente, se não está preparada pra isso.

Porque é por isso que o aborto é um crime sem perdão, mas o pai ir embora e abandonar seu filho na barriga da mãe é normal, acontece… Homens… Ambas as situações são terríveis e na mesma medida pra mim. Porque acredito que se muitas mães tivessem ao lado um PAI de verdade, muitos abortos/abandonos e outras situações terríveis seriam evitadas. Está mais do que na hora da sociedade entender que a responsabilidade é dos DOIS: 50% de cada… Nem mais, nem menos pra nenhum!!

Não to justificando todos os atos dela não, ela fez sim muita coisa errada, muita coisa que dá angústia na gente de ler, mas que a gente precisa refletir. A maternidade não é igual para todas. Nem todo mundo sente esse amor incondicional e nem todo mundo passa por um conto de fadas, e TUDO BEM! Vamos ser mais empáticas umas com as outras e vamos refletir mais sobre a divisão de responsabilidades, porque ninguém faz filho sozinho! Sim, esse assunto me revolta e nem é meu lugar de fala, afinal, nem mãe sou. Mas tenho mãe e tenho amigas mães e sinto empatia por todas as que sofrem qualquer tipo de abuso por não sentirem como as outras, ou por pais que acham que fazem muito, sem realmente fazer algo de verdade.

Achei que era importante trazer essa reflexão.
E acho importante demais um livro que traga a vida nua e crua, e a realidade como ela é pra que a gente possa se abrir a essas reflexões. Eu tiro meu chapéu para a coragem da autora, e que muitas outras mulheres se sintam seguras a dizer o que sentem sem precisar chegar nesses pontos extremos, podendo encontrar empatia e compreensão e talvez, encontrar um equilíbrio!

Super recomendo!

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.