COLUNA “Entre Aspas”

Jornal Tribuna Liberal de Sumaré pag. 12

Dica de Leitura: Antes dela Partir – Flávia Tironi

Hoje conheceremos melhor a autora Flávia Tironi e seu livro Antes dela Partir. Flávia Tironi, tem 36 anos, é casada e mãe de um pequeno. É Designer de Moda, formada pelo Centro Universitário UNA de Minas Gerais, e Escritora. É autora do livro Antes Dela Partir, seu primeiro romance de fôlego, publicado em formato e-book na Amazon e do Spin-off referente ao mesmo, Azul Infinito, com previsão de lançamento na mesma plataforma em dezembro. Recentemente aceitou o convite para ser Colunista fixa no site da Parceira @rasdesenvolvimento e mantém um Blog que abastece com posts mensais. Outras experiências significativas incluem o miniconto Distâncias escrito para o Itaú Cultural e dois contos infanto-juvenis ainda não finalizados. Também escreve fanfics inspiradas em livros e séries. Seu próximo livro, com título a definir, já está sendo escrito e trata-se de um romance contemporâneo YA ambientado em Galway, na Irlanda.

Vem comigo conhecer um pouco mais dessa autora:

Como a literatura entrou em sua vida?

FLÁVIA TIRONI: Através dos meus pais. Meu pai sempre me contou histórias na infância e eu adorava ouvi-las. Posteriormente, já na escola, me tornei uma assídua frequentadora da biblioteca e fazia empréstimos constantemente.

Como é sua rotina para escrever? Você tem alguma rotina para escrever, alguma disciplina, um horário determinado ou escreve quando surge oportunidade?

FLÁVIA TIRONI: Não tenho uma. Eu estou constantemente escrevendo coisas aleatórias ou pensando em escrever. Penso que inspiração sempre faz com que o texto flua melhor e transmita mais emoção. Mas se você pensa em ser um profissional da escrita é necessário sim ter uma rotina porque sem ela, além de você levar mais tempo para concluir projetos, ficará a mercê de sua criatividade e para o mercado editorial isso não funciona.

Quanto tempo demora para concluir um livro?

FLÁVIA TIRONI: Bom, eu concluí apenas um até agora…rsr e ele me tomou três anos. No entanto, depois que lancei ele na Amazon, logo senti o desejo de ter outras histórias porque é assim que o autor vai ficando conhecido. Comecei a estruturar melhor minhas tramas e com isso ganhei tempo.

As histórias “se escrevem” sozinhas ou você pensa na trama inteira?

FLÁVIA TIRONI: É uma junção, creio eu. Tem ideias que surgem muito claramente e você as escreve e as reserva com a certeza de que serão usadas no momento certo da trama. Outras requerem a melhoria e em alguns casos a exclusão. Pela minha experiência, acho importante saber para onde ir ou você corre o risco de se perder pelo caminho. Pontuar fatos importante através de uma storyline é uma excelente forma de vislumbrar a história com um todo.

De onde vem a inspiração?

FLÁVIA TIRONI: De tantos lugares, nossa! Atualmente dos livros que leio, das músicas que escuto, das pessoas com as quais converso e principalmente das histórias aleatórias que escrevo com amigas. Se soubermos observar, até num momento de oração você pode ter um bom insight. Minha dica é: anote, pois do contrário, a ideia se perde.

Quais são seus livros e autores/autores favoritos?

FLÁVIA TIRONI: Livros quero citar três: Por lugares incríveis da Jennifer Niven, Um mais um da Jojo Moyes e Hibisco Roxo da Chimamanda Ngozi. Paulo Coelho (li muito na adolescência), Jojo Moyes (foi a autora que mais me inspirou enquanto estava escrevendo Antes Dela Partir), J.K. Rowling, C.S. Lewis e Neil Gaiman.

Tem planos para livros futuros?

FLÁVIA TIRONI: Alguns… rsr. Além do Spin-off Azul Infinito que pretendo lançar ainda este ano em formato e-book na Amazon, estou escrevendo um romance YA que vai mesclar um pouco de misticismo indiano com a cultura irlandesa. O tema central é a busca de Winnie, a protagonista, por algo maior e que confira maior sentido à vida que ela julga sem graça. E como enquanto escrevo, outras ideias vão surgindo, recentemente fui contemplada por um insight quando uma parceira me contou sobre o tempo em que viveu numa cidadezinha na Itália e eu fiquei completamente apaixonada. Afora isso, também tenho a intenção pulsante de escrever um livro infantil inspirado no meu filho de 2 anos, cujo título provisoriamente é Nico e A esponja mágica.

Continuar lendo “COLUNA “Entre Aspas””

Medo

“Eles não nos odeiam de verdade. Eles não nos conhecem. Como podem nos odiar? O que eles tem é medo”.

. Maya Angelou in Eu Sei Por Que o Pássaro Canta na Gaiola .

Gênio

“Eu não sentiria falta da Sra. Flowers, pois ela me deu sua palavra secreta que conjurava um gênio que me serviria por toda a vida: livros”.

. Maya Angelou in Eu Sei Por Que o Pássaro Canta na Gaiola .

Poetas Negros

“Ah, poetas Negros conhecidos e desconhecidos, com que frequência suas dores loteadas nos seguraram? Quem vai computar as noites solitárias amenizadas por suas canções, ou as panelas vazias ressignificadas pelas suas histórias?”.

. Maya Angelou in Eu Sei Por Que o Pássaro Canta na Gaiola .

COLUNA “Entre Aspas”

Jornal Tribuna Liberal de Sumaré pag. 12

Dica de Leitura: As Três Marias – Rachel de Queiroz

Neste romance autobiográfico escrito em 1939, Rachel nos presenteia com a trajetória de três garotas: Maria Augusta (Guta e a nossa narradora), Maria Glória e Maria José, as Três Marias como são chamadas no internato.

A história tem início na infância dessas meninas e caminhamos ao lado das três até a fase adulta quando cada uma vai seguir o melhor caminho para si. As Três Marias faz referência também à constelação e a própria narradora caracteriza cada uma das personagens conforme a característica dos astros:

“Glória era a primeira, rutilante e próxima. Maria José escolheu a da outra ponta, pequenina e tremente. E a mim coube a do meio, a melhor delas, talvez; uma estrela serena de luz azulada, que seria decerto algum tranquilo sol aquecendo mundos distantes, mundos felizes, que eu só imaginava noturnos e lunares.”

A proximidade das amigas se deu não somente pela afinidade, mas também por suas dores. As Três Marias são marcadas por perdas e sofrimentos que nenhuma criança deveria passar. Ao longo da história vamos conhecendo o passado de cada uma dessas meninas e seus desejos para o futuro, acompanhando suas traquinagens no internato, suas paixões e suas esperanças.

Mas é Guta quem acabamos conhecendo mais profundamente e que nos mostra uma alma atormentada e suas reflexões acerca do amor e da vida. Me remeteu às personagens de Clarice, embora com as características literárias tão únicas de Rachel. E é interessante notar que a autora nos revela muito de sua própria vida íntima neste livro.

A narrativa é especialmente deliciosa, simples, porém não menos bonita, cativante e fluída. Quando você se dá conta terminou o livro e está com um sorriso nos lábios, pois é daquelas leituras leves que aquecem o coração. Fecho minha resenha com uma citação final que também remete às estrelas:

“Olho as Três-Marias, juntas, brilhando. Glória reluz, impassível, num raio seguro e azul. Maria José, pequenina, fulge tremendo, modesta e inquieta como sempre. E eu, ai de mim, brilho também, hei de brilhar ainda por muito tempo – e parece que a minha luz tem um fulgor molhado e ardente de olhos chorando”.

Adorei esse livro e com certeza recomendo a leitura!

Vou ficar muito feliz se me escreverem contando o que acharam da leitura!! E se por acaso quiserem alguma leitura específica, podem me pedir pelo email!! Boa semana e ótimas leituras!!

EVELYN RUANI
Bibliotecária e leitora compulsiva! Apaixonada por livros e palavras.
SERVIÇO
Blog: http://blogentreaspas.com
Instagram: @blog_entreaspas
Email: entreaspasb@gmail.com

Lágrimas e Sangue

“Nós seguimos por uma estrada que com lágrimas
foi regada

Nós viemos, abrindo caminho
Em meio ao sangue dos massacrados”.

Trecho da da música de James Weldon Johnson,
“Lift Ev’ry Voice and Sing”

. Maya Angelou in Eu Sei Por Que o Pássaro Canta na Gaiola .

COLUNA “Entre Aspas”

Jornal Tribuna Liberal de Sumaré pag. 12

Dica de Leitura: Nada – Carmen Laforet

“Houve momentos em que a vida rasgou todos os seus pudores ante meus olhos e apareceu nua, gritando intimidades tristes, que para mim eram apenas horríveis”.

Essa obra é do início ao fim isso. A vida, nua e crua, gritando horrores. A narrativa da autora é poética, deliciosa e super fluída. Há belas descrições de alguns pontos de Barcelona, e fiquei tão íntima da Rua Aribau que faço das palavras da personagem Andrea, as minhas próprias: “Entrar na Rua Aribau era como entrar na minha própria casa”. Mas ainda assim não sei dizer que sentimento tenho ao pensar nessa leitura, porque você fica da primeira à ultima página sem saber se amou ou achou simplesmente um absurdo tudo que foi relatado.

A história é narrada em primeira pessoa, por Andrea, uma jovem órfã que se muda para a casa de sua Avó em Barcelona, para cursar Letras na Universidade. As lembranças que tem dessa casa e de sua família são totalmente o oposto do que encontra ao chegar. Seus familiares estão empobrecidos e amontados num casarão decadente logo após a Guerra Civil Espanhola, e discutem o tempo todo aos gritos e agressões pelos motivos mais mesquinhos. Andrea sente-se o tempo todo deslocada e assustada, tentando se esgueirar pelas sombras sem ser vista e falando minimamente. Tenta buscar na universidade um modo de fugir desse mundo, mas é outro lugar onde se sente inadequada perto de seus colegas muito mais abastados que ela, criando relacionamentos superficiais, com exceção de Ena, sua melhor amiga.

“Ela me fez sentir tudo o que eu não era: rica e feliz. E nunca me esqueci disso.”

Nada é um relado da vida como ela é, do cotidiano de uma família desajustada que tenta manter seus vínculos aos berros. Tive ranço de alguns familiares, em especial de Angústias e sua carência e necessidade de controle no início do livro e Juan com seu machismo e agressividade até a última palavra do livro. As cenas de Juan e sua esposa Glória são indignantes, mas são cenas que muito provavelmente e infelizmente aconteçam dentro de muitos lares, sendo vistas ainda hoje, apesar de tanta luta, como normais. Inclusive pelas vítimas.

Andrea no meio de tudo isso é uma personagem, que apesar de protagonista e narradora da história, não se conecta muito, nem aos membros de sua família, nem ao próprio leitor. É possível perceber seu afastamento, sua introspecção. Sentia como se ela quisesse sumir o tempo todo, desaparecer do cenário aterrador de sua realidade. E quem poderia culpá-la por isso? Além disso tudo, ela pagava pelo quarto onde dormia no casarão de sua família e abdicou das refeições, para poder economizar para se dar algumas simples, mas caras, satisfações. Acabava gastando o dinheiro no início do mês e passava fome no restante dos dias. As descrições da magreza, das dores de cabeça, do mau humor e dos desejos que sentia ao ver/ouvir falar de comida, são perturbadores.

“O fato é que eu me sentia mais feliz desde que me desvencilhara daquele nó das refeições familiares. Pouco importava que naquele mês eu tivesse gastado demais e o orçamento de uma peseta diária mal desse para comer: no inverno, o meio-dia é a hora mais bonita. A melhor hora para tomar sol num parque ou na praça de Catalunha. Às vezes pensava, com prazer, no que estaria acontecendo em casa. Meus ouvidos se enchiam dos gritos do papagaio e dos palavrões de Juan. Preferia flanar livremente.”

É uma leitura que incomoda, que faz pensar e te tira do lugar comum. Três pontos que pra mim, formam uma verdadeira experiência literária. Portanto recomendo muito a leitura!

Vou ficar muito feliz se me escreverem contando o que acharam da leitura!! E se por acaso quiserem alguma leitura específica, podem me pedir pelo email!! Boa semana e ótimas leituras!!

EVELYN RUANI
Bibliotecária e leitora compulsiva! Apaixonada por livros e palavras.
SERVIÇO
Blog: http://blogentreaspas.com
Instagram: @blog_entreaspas
Email: entreaspasb@gmail.com

Presunção

“Nós éramos empregadas e fazendeiros, quebra-galhos e lavadeiras, e qualquer coisa maior que aspirássemos ser era uma farsa e presunção”.

. Maya Angelou in Eu Sei Por Que o Pássaro Canta na Gaiola .

Labirinto Infinito

Uma história não tem princípio nem fim, só portas de entrada.
Uma história é um labirinto infinito de palavras, imagens e espíritos em conluio para nos revelar a verdade invisível sobre nós mesmos. Uma história é, em definitivo, uma conversa entre quem narra e quem escuta, e um narrador só pode contar até onde vai a sua perícia, e um leitor só pode ler até onde está escrito em sua alma.
Essa é a regra fundamental que sustenta qualquer artifício de papel e tinta, porque, quando as luzes se apagam, a música se cala e as poltronas da plateia ficam vazias, a única coisa que importa é a miragem que ficou gravada no teatro da imaginação que todo leitor tem em sua mente. Isso e a esperança que todo contador de histórias carrega dentro de si: de que o leitor tem aberto o coração para alguma de suas criaturas de papel, emprestado a ela algo de si para torná-la imortal, nem que tenha sido por alguns minutos.
E dito isso, provavelmente com mais solenidade do que a ocasião merece, convém aterrissar o pé na página e pedir ao amigo leitor que nos acompanhe na conclusão dessa história e nos ajude a encontrar o que é mais difícil para um pobre narrador preso em seu próprio labirinto: a porta de saída.

Prelúdio de O Labirinto dos Espíritos
(O Cemitério dos Livros Esquecidos, volume IV) de Júlian Carax.
Éditions de la Lumière, Paris, 1992.
Edição a cargo de Émile de Rosiers Castellaine.

Refúgio

“Mas tenho que admitir que os livros são minha fraqueza e o meu refúgio do mundo”.

. Carlos Ruiz Zafón in O Labirinto dos Espíritos .