{Dia Nacional do Escritor – AORTA}

Neste mês em que dia 25/07 comemoramos o Dia Nacional do Escritor, também foi o lançamento da Revista AORTA, antigo Caderno Poético que está de visual novo e recheado de conteúdos literários de qualidade, além de muitos poemas nacionais! Minha coluna nesta edição traz os autores de terror nacionais contemporâneos da @darksidebooks, numa forma de celebrar esta data tão importante e parabenizar a todos os autores nacionais!

Será que já são idos os tempos em que, tomados pela síndrome do vira-lata, deixávamos de consumir e desfrutar produções literárias brasileiras? Será que já são idos os tempos em que, sonhadores, pensávamos nas produções literárias clássicas como sendo as únicas de qualidade e que nunca mais se produziriam coisas tão boas? Espero do fundo do coração que sim.

Desde que fomos obrigados a ler Machado de Assis – e que fique claro, eu AMO o autor, mas reflito sobre essa abordagem da literatura na escola como porta de entrada para o mundo da literatura, muita água passou por debaixo da ponte e, talvez, traumatizados por esse medo irracional dos clássicos “difíceis”, deixamos de consumir muita literatura boa que foi produzida desde então.

No entanto, vejo que, a literatura contemporânea brasileira vem ganhando espaço nas editoras e nas prateleiras de leitores nos últimos anos e fico esperançosa que consigamos deixar esses tempos sombrios de medo e síndrome do vira-lata para trás. Há um mundo de histórias em diferentes gêneros, estilos e formatos aguardando ser desbravado.

Pensando nisso, trago para vocês, como indicação de leitura dessa edição, quatro livros lançados em dezembro de 2021 pela @darksidebooks, de autores contemporâneos nacionais brasileiros no gênero do terror, seja ele psicológico, cotidiano ou sobrenatural, que irão tirar vocês da zona de conforto e comprovar tudo que falei até aqui.

📚 Leia na íntegra: https://heyzine.com/flip-book/ef7e87b227.html

_______________________📖

#blogentreaspas#revistaAORTA#leia#autoresnacionais

Sempre um homem…

Eu me encolhi no ônibus. Eu olhei por cima do ombro na rua. Eu dei graças quando vi outra mulher no mesmo caminho. Tiveram que botar uma mulher na consulta do ginecologista, uma testemunha. Ai, não é bom deixar ele trocar a fralda da menina, sabe como é, né. Homem é homem.

Eu deixei de usar as roupas que eu gostava pra ir na academia porque o dono da mercearia da esquina me olhou diferente duas vezes. Eu não tiro a garrafa d’água de perto de mim. Você não é louca de bobear e deixar que coloquem alguma coisa na sua água! Você não é louca de pegar uber sozinha essa hora! Você não é louca de sair pra rua depois de escurecer! Você não é louca! Você é louca? Eu sou.
Eu fico louca.

Eu não consigo respirar com essas mãos no meu pescoço, você não entende que eu disse que não?! Eu sinto a dor, a vergonha. Me fazem ter vergonha, me perguntam o que eu vestia, se tinha bebido. Mas eu já tinha mandado fotos pra ele. Mas eu concordei em sair com ele. Eu casei com ele. Eu trabalho pra ele. Eu rezo com ele. Ele era meu tio. Meu pai. Por que não contou antes, então? Agora é moda, né.

Vergonha. Vergonha de ser considerada da mesma espécie que essa raça. Ódio, borbulhando de ódio todo dia. Depois me chamam de histérica, cospem a palavra feminista. Vai lavar um tanque de roupa que você ganha mais.

Do tanque mesmo eu ouço que aconteceu com a fulana, com a beltrana. Com a vizinha, com a menina da faculdade. A prima. A tia. A vó. A minha mãe. E a minha filha, meu Deus?! Não sabemos quem, mas sabemos que todas.
Medo. Não tem um dia que eu não sinta medo.

Todo mês eu sangro o único sangue que não vem da violência,  e mesmo assim é minha mente está adormecida de tanta pancada, entorpecida pela normalização, está amortecida de tanto medo.
Medo. Não tem um dia que eu não sinta medo.

Criemos o culposo, ele não teve a intenção.
Ele deu ela pros cachorros em pedaços. Ele tem um outro contrato assinado e selado com abraços.

Então eu sai e fiz meu corpo mais forte, então eu saí e fiz meu corpo mais capaz. Aprendi a defesa. Aprendi o ataque. Só  não aprendi a me defender anestesiada. Dopada. Ainda. (Mas ela estava mesmo inconsciente? Ela não queria?)

Não tive paz nem pra parir.
E você vê meu corpo, você vê minhas roupas, você me rotula e me julga indigna, impura, ímpia. A meretriz merece mesmo. Merece mais. A inumana, a descartável, depósito de esperma, não tem consequência. Não tem rosto, nem nome. Eu só presto se for sua mãe.

E ainda que o dedo que aponte seja todo manicurado com seu anel de brilhantes, é  porque ela aprendeu cedo que calar é mais seguro. Que seguir o fluxo é menos perigoso. Assim machuca menos.

Aceita que dói menos.
Relaxa e goza.
Você nem é bonita o suficiente pra eu te e$tupr4r.
Calma.

Não é todo homem. Mas é sempre um homem.

Por Desirée Gusson @desigusson
https://desigusson.wordpress.com/

Vínculo

“Não é um lance frequente uma mãe olhar para o filho e levar uma lição e aquilo tacou outro furacão de vergonha para cima de Darlane. Ela viu o quanto a ligação entre duas pessoas era delicada com uma teia de aranha mesmo quando eram do mesmo sangue e o quanto ela tinha ferrado aquele vínculo”.

. James Hannaham in Sabor Amargo .

Sabor Amargo

“Uma história pode te ajudar a seguir vivendo, disse ele, mas ela não te mantém literalmente vivo – aliás, na maioria das vezes, as pessoas que têm poder transformam a história delas em um muro de tijolos que afasta a verdade dos outros, para que elas possam seguir na vida que acreditam levar, tentando de alguma forma preservar a ideia de serem boas pessoas em suas vidinhas, apesar de seu envolvimento, por mais indireto que seja, com males maiores. Ele disse que sempre pensava nas pessoas que iam comer os morangos vírgulas limões e melancias que ele colhia para de lixos, na aparência que essas pessoas tinham, como podiam descascar a fruta, que sabor a fruta teria, talvez na salada de frutas que elas iam fazer, ou numa torta.

Mas tenho certeza que elas nunca pensaram em mim, disse Sirius. Não, não de trás daquele muro de tijolos”.

. James Hannaham in Sabor Amargo .

Capaz

“E aí você ama… E desconhece sua vida anterior sem aquela pessoa. Desconhece as promessas, e aquele fogo que te corrói por dentro queima as relíquias de tudo aquilo que você acreditava ter aprendido. Aprendeu p**** nenhuma. Antes, você existe o tempo todo. Agora, nunca. Apenas isto é capaz de destruir uma mulher: ausência. Mas também é a única coisa capaz de construí-la”.

Paula Febbe in Vantagens que Encontrei na Morte de Meu Pai .

Pessoas

“As pessoas são assim. Tem certezas de que não querem mais ficar onde estão, mas quando vão embora, querem voltar. Acho que é o corpo pedindo para ser protegido, pedindo para ficar em algum lugar familiar”.

Paula Febbe in Vantagens que Encontrei na Morte de Meu Pai .

Desapareça

“Afinal, é isso que fazemos, não é? Olhamos para o lado que nos agrada e esperamos com toda a força que aquilo que odiamos desapareça assim que viramos o rosto”.

. Paula Febbe in Vantagens que Encontrei na Morte de Meu Pai .

Ninguém

“As ruas estavam vazias. Tranquilas. Ele havia acabado de dar três tiros em um estudante, e ninguém sequer abriu a janela para ver o que tinha acontecido”.

#MarcodeCastro in Morto Não Fala e Outros Segredos de Necrotério.