Sorriso

“Que é isso? queria dizer-se amigável, bater com delicadeza na própria face e resolver-se num sorriso”.

. Clarice Lispector in O Lustre .

Amor

“O amor não é tudo que resulta em filhos”.

. Clarice Lispector in O Lustre .

Quarto vazio

“Descobriu que não possuía bom-senso, que não estava armada de nenhum passado e de nenhum acontecimento que lhe servisse de começo, ela que nunca fora prática e sempre vivera improvisando sem um fim. Nada do que lhe sucedera até então e mesmo nenhum pensamento anterior comprometiam-na para um futuro, sua liberdade crescia a cada instante, pensativa, ar frio invadindo e varrendo um quarto vazio”.

. Clarice Lispector in O Lustre .

Seu valor

“Ela roubaria de cada olhar seu valor para si mesma e bonito seria aquilo de que seu corpo tivesse sede e fome; ela tomara um partido”.

. Clarice Lispector in O Lustre .

Atravessava o dia

“Esses eram momentos, em que ela sofria mas amava o seu sofrimento. Atravessava o dia, a necessidade de cumprir os pequenos deveres, a arrumação dos quartos, a espera, a realidade e as ruas”.

. Clarice Lispector in O Lustre .

Lá estava ela

“Não havia quem a salvasse ou a perdesse. E eis que os momentos se desenrolavam e morriam enquanto seu rosto quieto e mudo pairava à espera. Lá estava ela pois. Ainda ontem o prazer de rir fizera-a rir. E à sua frente se estendia todo o futuro”.

. Clarice Lispector in O Lustre .

Ridículas

“As pessoas eram tão ridículas!, tinha ela vontade de chorar de alegria e de vergonha de viver”.

. Clarice Lispector in O Lustre .

Resenha: O Lustre

Livro: O Lustre
Autora: Clarice Lispector
Editora: Rocco
Páginas: 271
Nota: 3
(1.Não gostei 2.Gostei pouco; 3.Gostei;
 4.Gostei bastante; 5.Adorei)

Pela primeira vez, a leitura de Clarice foi bastante desafiante pra mim. Talvez por não me sentir ligada à personagem principal, Virgínia, que me deixou bastante irritada em muitos momentos com sua passividade inicial e seus desmaios. Ao longo da história isso vai mudando e consegui uma fluidez maior na leitura, mas ainda assim não senti nem de longe o que costumo sentir ao ler os livros dessa autora maravilhosa que é a minha favorita da vida!

Esse romance foi escrito em 1946, logo após o lançamento de Perto do Coração Selvagem, que foi um sucesso absoluto. O Lustre não trouxe tantas críticas positivas como Clarice esperava e até questionou os amigos do porque não estava recebendo nenhuma devolutiva do livro, como recebeu do anterior. Alguns críticos julgam ele muito parecido com o primeiro que até então revolucionou e modernizou a forma de escrever, mas eu, particularmente não vi tamanha semelhança.

Clarice tem sim um jeito diferente de escrever, como um fluxo de consciência que acontece tão rápido como o nosso pensamento e as vezes nos deixa perdidos na cronologia da história (o que nem de longe impede a experiência literária, ao meu ver. Pelo contrário, a enriquece!), mas as histórias são bem diferentes e me identifiquei muito mais com Joana do que com Virgínia, que demorou demais pra encontrar a própria força e ainda assim demonstrava certa apatia e passividade em relação a alguns personagens e situações.

O lustre conta a história de Virgínia desde a sua infância em Granja Quieta até a vida solitária na cidade. O título remete ao Lustre da casa paterna no interior que a atraía e assustava quando pequena.

“Havia o lustre. A grande aranha escandecia. Olhava-o imóvel, inquieta, parecia pressentir uma vida terrível. Aquela existência de gelo”.

Pode-se fazer uma associação à vida que Virgínia viria a ter: terrível, isolada e sem afetos. Na infância, Virgínia nutre um amor e admiração sem limites pelo irmão com quem vive os dias em Granja Quieta. São muito unidos, porém Daniel, é perverso e cria uma “Sociedade das Sombras” que só tem os dois como membros e se utiliza do poder dessa sociedade para subjugar Virgínia as mais inoportunas situações, as quais ela obedece sem pestanejar.

Embora possa parecer desumano, não consegui nutrir uma compaixão pela protagonista, pois vamos descobrindo que a passividade não tem nenhuma ligação com bondade e que Virgínia também traz traços de maldade em si e por isso essa ligação doentia que se fez entre os dois. Quando crescem, se separam e Virgínia vai viver na cidade, e até se torna um pouco mais ativa, porém não se liberta das lembranças do passado que a atormentam a cada passo e acaba criando relações negativas com as pessoas e aumentando sua solidão. Muito me pareceu que a relação doentia criada com o irmão na infância fora o derradeiro de sua existência, mantendo-a sempre presa às lembranças.

Me parece impossível trazer uma impressão definitiva do que seja esse romance, tamanhas são as metáforas e a inconstância dessa obra. Ela abre diversas possibilidades de interpretação e acredito que atinja a cada um de uma forma diferente, de acordo com suas bagagens e experiências. Me foi MUITO difícil dar menos de 5 estrelas para Clarice, pois sou muito fã de sua genialidade de escrita e de suas obras, mas não podia deixar de ser sincera, como o sempre faço em todas as minhas resenhas, e infelizmente essa obra em específico, não me atingiu como todas as demais que li da autora.

Ainda assim, recomendo a leitura a todos aqueles que são fãs, para conhecerem todas as suas vertentes. Aos iniciantes, indicaria outras obras dela, como Uma Aprendizagem e o Livro dos Prazeres, Felicidade Clandestina e A descoberta do Mundo!

Feliz

“- O que é que se consegue quando se fica feliz?, sua voz era uma seta clara e fina. A professora olhou para Joana.
– Repita a pergunta…?
Silêncio. A professora sorriu arrumando os livros.
– Pergunte de novo, Joana, eu é que não ouvi.
– Queria saber: depois que se é feliz o que acontece? O que vem depois? – repetiu a menina com obstinação.
A mulher encarava-a com surpresa.
– Que idéia! Acho que não sei o que você quer dizer, que idéia! Faça a mesma pergunta com outras palavras…
– Ser feliz é para se conseguir o quê?”.


. Clarice Lispector in Perto do Coração Selvagem .

COLUNA “Entre Aspas”

Jornal Tribuna Liberal de Sumaré pag. 12

Dica de Leitura: Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres

Dia 25 de julho se comemora o dia Nacional do Escritor. Esse dia foi escolhido pelo ex-ministro da Educação e Cultura Pedro Paulo Penido, em 1960, para homenagear escritoras e escritores brasileiros. A escolha dessa data deve-se à realização do I Festival do Escritor Brasileiro, patrocinado pela União Brasileira de Escritores (UBE), que ocorreu em 25 de julho de 1960.

Para comemorar essa data, escolhi um livro da minha escritora favorita, Clarice Lispector para a Dica de Leitura dessa semana. Essa autora nacional maravilhosa que escreveu ao Jornal do Brasil que “não se ‘faz’ uma frase. A frase nasce”, e que em resposta à pergunta “Por que você escreve” na única entrevista para a televisão que deu na vida, disse: “Por que você bebe água?”. Clarice era assim, nasceu pronta, já escritora e nos presenteou com livros que trazem reflexão e aprendizado, principalmente sobre nós mesmos. Nos faz questionar, põe o dedo na ferida e nos tira do lugar comum.

 “Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve morrer. Inclusive muitas vezes é o próprio apesar de que nos empurra para a frente”.

Este foi o primeiro romance de Clarice que eu li e confesso que amei logo de cara. A narrativa é simples e deliciosa e é impossível não se apaixonar pelas personagens tão extraordinariamente criadas por Clarice. A história vai te envolvendo aos poucos e você se vê totalmente cativado pelas dúvidas e questionamentos de Lóri, a personagem principal, que está perdida pois não entende direito o que é “ser”.

Ulisses, seu namorado e professor de Filosofia, tenta ajudá-la a entender esse mistério e como é agradável o prazer de simplesmente existir. Durante todo o desenrolar da história, ele a desafia para refletir sobre os acontecimentos, rotineiros ou não, de sua vida e a ajuda a descobrir quem ela é, o que gosta, quais são as atitudes que lhe dão prazer, o que a desagrada.

Clarice propõe a reflexão sobre diversos conflitos emocionais e usa de uma liberdade de escrita maravilhosa, afinal uma das características famosas desse livro é que ele começa com uma vírgula e termina com dois pontos.

E há tanto mais a dizer sobre esse livro, mas minhas próprias palavras não seriam suficientes, então escolhi um trecho da própria autora que falará por si só da qualidade narrativa e beleza indescritível deste livro:

“Olhe para todos ao seu redor e veja o que temos feito de nós e a isso considerado vitória nossa de cada dia. Não temos amado, acima de todas as coisas. Não temos aceito o que não se entende porque não queremos passar por tolos. Temos amontoado coisas e seguranças por não nos termos um ao outro. Não temos nenhuma alegria que não tenha sido catalogada. Temos construído catedrais, e ficado do lado de fora pois as catedrais que nós mesmos construímos, tememos que sejam armadilhas. Não nos temos entregue a nós mesmos, pois isso seria o começo de uma vida larga e nós a tememos.

Temos evitado cair de joelhos diante do primeiro de nós que por amor diga: tens medo. Temos organizado associações e clubes sorridentes onde se serve com ou sem soda. Temos procurado nos salvar mas sem usar a palavra salvação para não nos envergonharmos de ser inocentes. Não temos usado a palavra amor para não termos de reconhecer a sua contextura de ódio, de amor, de ciúme e de tantos outros contraditórios. Temos mantido em segredo a nossa morte para tornar a nossa vida possível. Muitos de nós fazem arte por não saber como é a outra coisa. Temos disfarçado com falso amor a nossa indiferença, sabendo que nossa indiferença é angústia disfarçada. Temos disfarçado com o pequeno medo o grande medo maior e por isso nunca falamos no que realmente importa. Falar no que realmente importa é considerado uma gaffe.

Não temos adorado por termos a sensata mesquinhez de nos lembrarmos a tempo dos falsos deuses. Não temos sido puros e ingénuos para não rirmos de nós mesmos e para que no fim do dia possamos dizer «pelo menos não fui tolo» e assim não ficarmos perplexos antes de apagar a luz. Temos sorrido em público do que não sorriríamos quando ficássemos sozinhos. Temos chamado de fraqueza a nossa candura. Temo-nos temido um ao outro, acima de tudo. E a tudo isso consideramos a vitória nossa de cada dia”.

Leitura super recomendada!

Vou ficar muito feliz se me escreverem contando o que acharam da leitura!! E se por acaso quiserem alguma leitura específica, podem me pedir pelo email!! Boa semana e ótimas leituras!!

EVELYN RUANI
Bibliotecária e leitora compulsiva! Apaixonada por livros e palavras.
SERVIÇO
Blog: http://blogentreaspas.com
Instagram: @blog_entreaspas
Email: entreaspasb@gmail.com