Resenha: O Labirinto do Fauno

Livro: O Labirinto do Fauno
Autor(a): Guilhermo Del Toro & Cornelia Funke
Editora:
Intrínseca
Páginas: 320

Nota: 5 ❤
(1.Não gostei 2.Gostei pouco; 3.Gostei; 4.Gostei bastante; 5.Adorei)

Que livro, meus senhores! Que livro!
Esse livro é o caminho contrário, já que a maioria dos filmes vieram de livros e este é um livro que nasceu de um filme. Guilherme Del Toro, o diretor do filme, pediu a Cornelia Funke (autora da trilogia Coração de Tinta! Quem não conhece, eu super recomendo!) que transformasse suas belas e mágicas imagens em palavras. E o resultado foi que ela fez mágica também! Nunca consegui assistir ao filme até o final, pois confesso tenho sérios problemas com o Espanhol (no entanto agora TEREI que ver) e quando vi o livro corri comprar pois meu problema tinha sido resolvido.

E que história, meu Deus! Já era super fã da narrativa de Cornélia que me conquistou na trilogia que citei mais acima, mas agora confirmei minha admiração, pois além de ser extremamente fiel ao filme (pelo menos até onde consegui assistir), ainda acrescentou alguns contos dentro do contexto do Labirinto que deixou tudo ainda mais mágico. A forma como descreve os personagens e as cenas, as maravilhas que consegue criar através das palavras é uma junção de encantamento e assombro ao mesmo tempo, aliado ao toque triste da história em si. Não tem como não se apaixonar pelas personagens, não tem como não sofrer e sorrir com elas, não tem como não sentir raiva e impotência diante de certos acontecimentos e a angústia que só uma boa história, impecavelmente narrada, é capaz de trazer.

Com um final que me tirou lágrimas dos olhos pela coragem e pela crueza, Cornélia e Guilhermo conseguiram transbordar sentimentos através de uma literatura fantástica extremamente atual, embora a história se passe na década de 40, numa Espanha facista, onde os horrores e brutalidade da realidade se fundem a contos de “fadas” nada convencionais.

Vale muito a pena a leitura! Vale muito a pena TER esse livro que tem um trabalho editorial lindíssimo: capa dura, corte colorido, ilustrações fantásticas. Estou literalmente apaixonada. É obvio que se tornou um dos meus favoritos e acredito que é um livro que todos deveriam ler, reler, refletir, amar…

Conforto e Refúgio

“A única lembrança de casa que Ofélia levou foram alguns dos seus livros. Ela segurou um deles com firmeza no colo e acariciou a capa. Ao abri-lo, as páginas brancas reluziram em contraste com as sombras da floresta, e as palavras que saltaram dele ofereceram conforto e refúgio. As letras eram como pegadas na neve, uma paisagem vasta e clara intocada pela dor, agradáveis demais para serem esquecidas”.

. Guilhermo del Toro e Cornélia Funke in O Labirinto do Fauno .

Entre suas Páginas

Não é estranho como um livro fica mais grosso depois de ser lido várias vezes? Como se cada vez ficasse algo grudado entre suas páginas. Sensações, pensamentos, ruídos, cheiros… E então, quando folheia novamente o livro depois de muitos anos, você descobre a si mesmo ali, um pouco mais novo, um pouco diferente, como se o livro tivesse guardado você, como uma flor prensada, estranha e familiar ao mesmo tempo”.

. Cornelia Funke in Sangue de Tinta .

Sonho

Um dia minha casa vai ser assim:

Aparentemente, cada livro tinha seu lugar. Mas, nos lugares onde na casa das outras pessoas havia papel de parede, quadros ou simplesmente um pedaço de parede nua, na casa de Elinor havia estantes abarrotadas de livros”.

. Cornelia Funke in Coração de Tinta .

Só lembranças…

A ela não restara nada além de lembranças. E talvez isso fosse às vezes ainda pior do que nada”.

. Cornélia Funke in Morte de Tinta .

Gastronomia

Livros devem ser degustados,
outros devorados
Apenas poucos são mastigados
E digeridos totalmente“.

. Cornelia-Funke in Coração de Tinta .