Entender seu Semelhante

A fala, originalmente, era o mecanismo pelo qual o Homem aprendia, de modo imperfeito, a transmitir os pensamentos e emoções de sua mente ao criar sons arbitrários e combinações de sons para representar certas nuances mentais, ele desenvolveu um método de comunicação – mas um que era tão desajeitado e tão inadequado que degenerou toda a delicadeza da mente em sinais rudes e culturais.
Cada vez mais fundo, os resultados podiam ser vistos; e todo o sofrimento que a humanidade já conhecera podia remontar ao fato de que nenhum homem na história da Galáxia – até o surgimento de Hari Seldon e poucos homens depois – jamais pôde entender seu semelhante. Todo ser humano vive por trás de uma parede impenetrável de névoa asfixiante dentro da qual só ele existe. Ocasionalmente, surgiam os vagos sinais de dentro da caverna onde localizava-se outro homem 0 para que cada um pudesse caminhar, tateando, na direção do outro. Mas como não se conheciam e não ousavam confiar um no outro, e sentiam desde a infância os terrores e inseguranças daquele isolamento completo… Havia o medo de um homem contra o outro, a avidez selvagem de um homem contra o outro.
Os pés, por dezenas de milhares de anos, patinavam e se arrastavam na lama – retendo as mentes que, durante este tempo, já estavam prontas para as estrelas.

Isaac Asimov in Segunda Fundação

Silêncio e Sonhos

A biblioteca era um prédio decepcionantemente pequeno que se ampliava vastamente para o subsolo, num volume gigantesco de silêncio e sonhos”.

. Isaac Asimov in Fundação e Império .

Fachada

E, por trás de uma fachada muito bem construída e defendida de praticidade, falta de romantismo e teimosia perante a vida, havia um minúsculo oásis de suavidade que nunca aparecia quando se procurava ativamente por ele, mas podia ser alcançado se você soubesse o jeito certo… E nunca deixasse explícito que estava atrás disso”.

. Isaac Asimov in Fundação e Império .

Preservando o Conhecimento

R. (…) Estamos em um momento delicado da história. A massa enorme e avassaladora de eventos deverá ser desviada apenas um pouco – apenas um pouco. Não pode ser muito, mas pode ser o bastante para remover vinte e nove mil anos de sofrimento da história humana.
P. Como o senhor propõe fazer isso?
R. Preservando o conhecimento da raça. A soma do saber humano está além de qualquer homem individualmente; mesmo de mil homens. Com a destruição de nosso tecido social, a ciência se quebrará em um milhão de pedacinhos. Os indivíduos saberão muito das facetas incrivelmente pequenas do que existe para se saber. Eles estarão indefesos e inúteis por si mesmos. Os fragmentos de mitos, sem sentido, não serão transmitidos. Serão perdidos entre as gerações. Mas, se prepararmos agora um gigantesco resumo de todo o conhecimento, ele jamais será perdido. As gerações futuras serão construídas com base nele e não terão de redescobri-lo por si mesmas. Um milênio fará o trabalho de trinta mil.

Hari Seldon, personagem de
Isaac Asimov 
in Fundação


P.S.:
 Que bom seria se alguém como Seldon, lá na época da biblioteca de Alexandria, tivesse conseguido salvar o conhecimento que nos teria poupado tantos anos de sofrimento.