Resenha: Carta a Minha Filha

Livro: Carta a Minha Filha
Autora: Maya Angelou
Editora: @editoraagir
Páginas: 144
Nota: 5/5

“Eu dei à luz uma criança, um filho, mas tenho milhares de filhas. Vocês são negras e brancas, judias e muçulmanas, asiáticas, falantes de espanhol, nativas da América e das ilhas Aleutas. Vocês são gordas e magras, lindas e feias, gays e héteros, cultas e iletradas, e estou falando com todas vocês. Eis aqui minha oferenda”.

Obrigada é muito pouco diante da gratidão que sinto por essa obra ter sido escrita e por termos a oportunidade de lê-la. Maya nos presenteia com uma narrativa cheia de amor, esperança, positivismo e conselhos que só uma mãe poderia compartilhar conosco. O tom é materno, a voz fala aos nossos corações e suas palavras trazem reflexões e aprendizados para a vida, hoje e sempre.

Dividido em 28 capítulos, encontramos desde narrativas de situações vividas a poemas, conselhos, canções e eles se mesclam entre dor e amor, angústia e alento, drama e comédia. Como eu costumo dizer: a vida como ela é. Maya nos traz palavras que nos dão coragem para lutar e nos tornamos protagonistas de nossa própria história. Aborda assuntos como lar, racismo, violência, religião, costumes e faz isso de uma forma tão cativante, íntima e confessional que é impossível parar até acabar.

Através de seus relatos, Maya nos mostra seus avanços em viver a vida da melhor maneira possível tentando sempre manter o otimismo e a esperança, apesar de todas as situações terríveis das quais foi vítima.

“O navio da minha vida pode ou não estar navegando por mares calmos e tranquilos. Os dias desafiadores da minha existência podem ou não ser brilhantes e promissores. Em dias tempestuosos ou ensolarados, em noites gloriosas ou solitárias, mantenho uma atitude de gratidão. Se insisto em ser pessimista, há sempre o amanhã. Hoje eu sou abençoada”.

Esse livro é seu testemunho de luta, um tocante relado de vida. Super recomendo a leitura!
#blogentreaspas#leiamaismulheresnegras#consciência

Lugar errado, hora errada

“Estavam no lugar errado, na hora errada. É natural que se transformassem em heróis”.
✨ Leia Organa de Alderaan/ Senadora

. George Lucas, Donald F Glut e James Kahn in Star Wars – IV: Uma Nova Esperança .

Resenha: Os Homens Explicam tudo Para Mim

Livro: Os homens explicam tudo para mim
Autora: #RebeccaSolnit
Editora: @editoracultrix
Páginas: 208
Nota: 5/5

Li por recomendação da amiga e parceira @realidadeliteral e simplesmente achei a leitura essencial. É difícil dizer que gostamos de um livro recheado de estatísticas terríveis onde as mulheres são sempre silenciadas, violentadas, diminuídas, humilhadas e apagadas da história e da vida como se não fossem absolutamente nada ou inferiores pelo simples fato de serem mulheres.

Mas é um livro que precisa ser lido, estudado, refletido e que seja um “wake up call” para que estejamos sempre prontas a lutar contra isso, a falar, a mostrar que estamos cientes e que não somos a favor dessa onda descredibilizadora e que tende a nos anular.

A narrativa da autora é clara, objetiva e acertiva. Traz ensaios sobre os mais diversos temas relacionados a vida e morte das mulheres nos mais diferentes lugares do mundo e são dados necessários de serem conhecidos por nós e por isso a leitura essecial desse livro corajoso. Além disso, Rebecca também nos traz relatos de sua própria experiência, tratando da falta de credibilidade com que as mulheres são tratadas e que é apenas uma das muitas ferramentas de silenciamento da nossa voz.

Recomendo demais a leitura e poderia dizer aqui, refletindo uma cultura na qual fui inserida desde que nasci, que é um livro essencial para mulheres, mas quebrando esse ciclo, digo que é um livro essencial a todos!

#blogentreaspas#resenhasliterárias#leiamaismulheres📚

[2021] #TBR de Abril

Sigo confiante que os meses tem 60 dias, os dias 48 horas e as horas 120 minutos 🙈📚📚📚📚

📖 Ana Karenina – #LeonTolstoi: ler até a página 376, para um #clubedeleitura de amigas;

📖 O Morro dos Ventos Uivantes – #EmilyBrönte: unindo as metas de #ler pelo menos um #livro da @darksidebooks por mês, mais mulheres e tanto para o clube de leitura “Provocações Literárias” @sheyla.santos.18 como para o Projeto de Leitura das Irmãs Brönte da @dudabmenezes;

📖 Star Wars: O Império Contra-Ataca – #GeorgeLucas e #AlexandreMatias: leitura coletiva do @nerdvino;

📖 Graça Infinita #DavidFosterWallace – estou desde o ano passado querendo ler esse livro e foi indicação de uma amiga querida. Infelizmente não consegui em março, mas sigo tentando em Abril;

📖 Crianças da Guerra – #ViolaArdone: lançamento da #parceira@faroeditorial e que estou doida pra ler;

📖 Longa Pétala de Mar – #IsabelAllende: terminando essa semana para a LC #cazamigas@may.book.s e @realidadeliteral;

📖 Filhos de Sangue e Outras Histórias (e-book) – #OctaviaEButler#leituracoletiva do grupo Entre Nós @blogdiscolivro;

📖 O Céu da Meia-Noite – #LilyBrooksDalton: unindo as metas de ler pelo menos um livro da @taglivros por mês e mais #ficçãcientífica;

📖 Água Viva #ClariceLispector: livro do mês do Clube de Leitura #TodaClarice;

📖 Morreste-me – #JoséLuisPeixoto: presente da amiga Thaise do @realidadeliteral que estou louca pra ler;

📖 Sonho de Uma Noite de Verão – #Shakespeare: autor homenageado do mês no @clubetripas;

📖 Seminário dos Ratos – #LygiaFagundesTelles (e-book): autora homenageado do mês no @clubetripas.

Resenha: Contos (In)Contáveis

Livro: Contos (in)contáveis
Autora: Cah Muniz @cah.muniz.escritora
Editora: @amazonbrasil
Páginas: 88
Nota: Adorei (5/5)

Numa conversa com a autora de “Comentários a respeito de Evelyn”, seu romance de estréia, confessei que romance romântico não era meu gênero favorito e ela prontamente me indicou essa coletânea de contos que achou que me agradaria. E não podia estar mais certa. Eu só não devorei o livro pois tinha outras leituras engatilhadas e tive que ir revezando, mas os contos são fantásticos!!

Nesta coletânea a autora reuniu seus dezesseis principais contos, alguns já publicados fisicamente em antologias de editoras nacionais e que trazem uma escrita moderna e peculiar. São indigestos e são muito da vida como ela é, minha temática favorita. A narrativa da autora é clara e envolvente e quando você percebe já está absolvendo ou condenando seus personagens ao final de cada conto devorado. Impossível não fazer uma reflexão com essa leitura cheia de camadas e que nos faz rever nossos próprios preconceitos e comportamentos.

Destaco demais o conto “Prole” que é fenomenal, e o motivo das cinco estrelas. O tipo de leitura essencial e que faz você parar pra respirar. Sua trama traz uma espécie de distopia que choca demais, já que a princípio você é levado a pensar que se tratam de animais e no entanto são seres humanos numa época onde não mais são os senhores do nosso planeta, mas tratados como objetos de estimação dos robôs humanoides que agora controlam a Terra.

O choque de realidade é simplesmente estarrecedor e ver um ser humano numa situação normalmente vivida por um animal é de revirar o estômago e quem sabe abrir os olhos de muitas pessoas que costumam financiar esse tipo de atrocidade.

Enfim, virei fã e termino essa resenha recomendando demais a leitura desses contos (in)contáveis

Resenha: Eu Sei Por Que o Pássaro Canta na Gaiola

Livro: Eu sei por que o pássaro canta na gaiola
Autora: Maya Angelou
Editora: @taglivros
Páginas: 336
Nota: 5/5

Esse livro poderia ser uma ficção, mas é real. Uma autobiografia que te faz mergulhar tão fundo nas relações humanas descritas que você se sente parte da narrativa.

Conhecemos neste livro a infância e início da adolescência de Maya e seu irmão Bailey Jr. na casa da avó e do tio, em Stamps, uma cidade americana onde a segregação racial é escancarada. Acompanhamos em sua narrativa, ora metafórica, ora objetiva, os principais acontecimentos de sua vida nesse período, envoltas em situações de racismo e sexismo. Das humilhações diárias aos encontros com os pais com os quais não tem nenhum tipo de relação construída, até o terrível estupro do qual foi vítima aos 8 anos de idade.

A narrativa de Maya é excepcional. A forma como ela conta esse momento tão hediondo de sua trajetória é intensa, emocional e envolvente. Fiquei o tempo todo com vontade de pegar a pequena Maya no colo e chorar todas as lágrimas não derramadas, mas sentidas intensamente. Uma criança que sequer tinha ideia do que estava vivendo.

“Os sons chegavam abafados a mim, como se as pessoas estivessem falando através do lenço ou com as mãos sobre a boca. As cores também não eram reais, mas uma vaga variação dos tons pastel que indicavam não tanto cores, mas familiaridades desbotadas. Os nomes das pessoas me fugiam, e comecei a me preocupar com minha sanidade”.

É uma leitura dolorosa, que nos faz refletir e repensar muitos conceitos, muitas ações e atitudes e por isso tão importante e essencial. Precisamos de leituras como essa para começar a entender os nossos privilégios e a respeitar e compreender aqueles que sofrem uma vida inteira para ter um segundo da paz que esbanjamos.

Recomendo muito!!
#blogentreaspas#leiamulheresnegras#bookstagram#ler

Resenha: A Noite do Perdão

Livro: A Noite do Perdão
Autor: Valdinei de Freitas
Editora: @ideeditora
Páginas: 480
Nota: 5/5

Neste livro espírita vamos acompanhar a saga da bem sucedida família Garcez, cujo patriarca orgulhoso administra os trabalhos na fazenda Mar da Espanha, conseguida com muito esforço e muito trabalho duro. José Garcez se esforçou também para passar os valores de dignidade e trabalho a seus filhos gêmeos. Um desses filhos, o que mais lhe ajudava na fazenda, decide tomar um rumo diferente ao que o pai desejava e após uma discussão acalorada e um ato intempestivo, a vida dessa família mudaria para sempre.

Acompanhamos então uma família aprendendo através de um sofrimento terrível o custo de um único instante. A leitura nos traz muitas reflexões sobre nossos atos impensados e o poder das palavras, mas também nos traz o alento do perdão possível e do recomeço apesar de todas as dificuldades do tempo, da distância e da separação.

Confesso que escolhi o livro pela capa pois as histórias da segunda guerra mundial e do holocausto me chamam atenção, mas apenas com o avançado da história vamos entender o que essa capa significa. Após momentos de muita dor e muita emoção, vamos descobrir que esta não é a primeira vida dessa família juntos e que sofreram no Gueto de Varsóvia sofrimentos bem mais terríveis e que trouxeram para este plano algumas arestas a serem aparadas.

A história é muito bonita, principalmente a parte da vida anterior vivida na longínqua Polônia no terrível Gueto de Varsóvia que nos traz imensa reflexão sobre muitas vertentes de nossa vida. A forma como a história do passado se encaixa perfeitamente com a vida atual da família Garcez é muito emocionante e o final nos traz o alento do perdão.

Recomendo muito a leitura!
#blogentreaspas#literaturaespírita#reflexõesnecessárias

Resenha: O Eterno Marido

Livro: O Eterno Marido
Autor: Fiódor Dostoiévski
Editora: @novafronteira
Páginas: 176
Nota: 4/5

Nunca achei que leria tão rápido um Dostoiéviski. O Eterno Marido, como bem descrito no prefácio de Ruth Guimarães nessa edição da Nova Fronteira, é um romance a parte dos demais do autor. Não é um livro que tratará de grandes problemas filosóficos e existenciais, como é característica de suas obras, mas uma história mais leve, embora mordaz, trágica e cômica. Eu indicaria esta obra à todos aqueles que estão iniciando na leitura desse grande autor!

Alexei Ivanovich, ou Veltchaninov como é nos apresentado logo no início, é um homem de quase 40 anos, dado à melancolia e que está em um momento mais recluso de sua vida e refletindo sobre diversos aspectos dela quando começa a se sentir perseguido por um desconhecido de chapéu com uma faixa preta de luto. Ao longo dos capítulos e depois de várias digressões, descobrimos que seu perseguidor é na verdade um conhecido do protagonista, Pavel Pavlovitch e que ambos não se veem há 9 anos. Pavel está de luto pela morte da esposa a quem venerava e que lhe deixou uma caixinha com todas as cartas de amor que trocava com seus amantes.

Alexei, que também fora amante da esposa, fica desconcertado e não entende porquê o homem lhe procura já que nunca havia trocado correspondências com a amante. Ela sim, havia lhe enviado uma carta certa vez, mas que ficara sem resposta. Além disso, Alexei descobre que Pavel está hospedado em um hotel com a suposta filha que desconfia seja dele e a partir de então vamos acompanhar todo o drama dessa situação através de encontros e diálogos extremamente bem construídos entre os personagens fantásticos criados por Dosto.

Ao longo da história que se mostra impossível de largar, já que você quer descobrir todos os pormenores dessa história trágica e cômica ao mesmo tempo, confesso que fiquei confusa algumas vezes, mas no fim, tudo é esclarecido e não há como não admirar a incrível capacidade narrativa deste autor. O livro é curto, de leitura rápida e leve e traz muitos elementos básicos da literatura dostoievskiana.

Vale a pena conhecer!!
#blogentreaspas#literaturarussa#clássicosdaliteratura

Resenha: Intérprete de Males

Livro: Interprete de Males
Autora: Jhumpa Lahiri
Editora: @taglivros
Páginas: 208
Nota: 4/5

Intérprete de Males é o primeiro livro publicado da autora inglesa Jhumpa Lahiri. Filha de indianos, Lahiri escapa dos esteriótipos e nos descreve as singularidades de seus personagens em situações comuns com delicadeza e empatia.

Um casal em crise que volta a conversar quando a energia é cortada por uma hora durante cinco dias, um guia indiano que observa os costumes americanizados de uma família, uma jovem que se apaixona por um homem comprometido, um rapaz que se sente sozinho em Boston, uma família que acolhe um vizinho durante uma guerra, enfim…

Histórias de um dia a dia que mesclam culturas e que fariam sentido se ambientadas em qualquer lugar do mundo! Somos presenteados ainda com detalhes da cultura indiana: pratos, costumes, cheiros, memórias, vestimentas que permeiam os contos de forma sutil respeitando o cenário de cada conto e tornando tudo agradável e familiar.

Impossível não se identificar com as situações e personagens e não se sentir próximo deles através do cuidado na escrita da autora. Adorei a leitura e super recomendo!!

#blogentreaspas#resenhadelivro#leiamulheres#amoler

Resenha: Duna

Livro: Duna
Autora: Frank Herbert
Editora: @editoraaleph
Páginas: 680
Nota: 5/5 (💜)

Extraordinário
Há anos que estou para ler esse livro que foi indicação de um amigo muito querido e hoje me pergunto porque demorei tanto! Duna é um livro com uma história incrível e cheia de reflexões, o que tão bem caracteriza o seu gênero literário, a ficção científica. Além disso muitos dos questionamentos levantados nessa trama são extremamente atuais e podem se encaixar perfeitamente a alguns dos nossos acontecimentos cotidianos.

Duna é como ficou conhecido o planeta Arrakis, composto por um gigantesco deserto onde vivem enormes criaturas chamadas de “vermes”, pouquíssima água, algumas cidades e um povo nômade, os Fremen. As condições do planeta são severas e para sobreviver ao deserto é preciso utilizar um traje que reaproveita a água do corpo. É esse o nível de escassez de água do planeta conhecido como Duna. Além disso Duna possui “A Especiaria” que é um tipo de tempero especial que pode proporcionar a expansão da inteligência humana e permitir viagens intergaláticas e que só é encontrado neste planeta.

O ano é 10 mil, a humanidade já se espalhou pelas estrelas e a Terra é apenas uma lembrança. A sociedade é comandada por um Imperador e é composta por uma Guilda Espacial, duas casas que disputam entre si pelo governo de Duna, os Atreides (considerados os bons moços) e os Harkonnen (considerados os degenardos) e as Bene Gesserit, uma ordem de mulheres com poderes e propósitos misteriosos.

Da união do Duque Leto Atreides e da Bene Gesserit Lady Jéssica, nasce Paul Atreides, herdeiro da casa e suspeito de ser “O Escolhido”, o messias esperado pela ordem Bene Gesserit há anos e que tem o propósito de liderar o povo de Duna e salvá-lo de sua casa rival. Os três vão para Arrakis e acabam caindo numa armadilha ardilosa do Barão Vladmir Harkonnen, uma criatura terrível que abusa sexualmente de escravos e mantém sua população à base do medo.

É muito difícil explicar em poucas palavras a profundidade dessa história e tudo que disse é bastante superficial em relação à todas as suas vertentes filosóficas, religiosas e ambientais. Acompanhamos nesse livro a jornada de um herói e sua incessante busca pelo conhecimento, ponto bastante abordado nesse livro. A trama é muito bem amarrada, a narrativa de Herbert é genial e empolgante e apesar de alguns momentos se tornar um pouco cansativa nos detalhes e descrições, são extremamente necessários para o desenrolar da história.

Acho interessante abordar também toda a preocupação do autor em relação ao nosso meio ambiente que fica bem explícita em Duna principalmente pelo personagem Kynes, o planetólogo de Arrakis e pai de Chani. O que me faz lembrar de dois pontos muito relevantes nessa história: as personagens femininas são sensacionais e é impossível não se tornar fã de pelo menos uma delas, ou todas elas; e o livro traz textos complementares maravilhosos, incluindo um glossário que ajuda muito na leitura e compreensão.

Afora tudo isso, quero deixar registrado o quanto eu fiquei apaixonada pela personagem Alia, irmã de Paul Atreids e protagonista de uma cena simplesmente FANTÁSTICA e que com certeza é a razão pela qual eu vou continuar a leitura dos próximos dois livros para pelo menos fechar a trilogia.

É um livro de ficção científica de peso e que indico muito a leitura!
#blogentreaspas#ficçãocientífica#dune#love#scifibooks