Resenha: O Lustre

Livro: O Lustre
Autora: Clarice Lispector
Editora: Rocco
Páginas: 271
Nota: 3
(1.Não gostei 2.Gostei pouco; 3.Gostei;
 4.Gostei bastante; 5.Adorei)

Pela primeira vez, a leitura de Clarice foi bastante desafiante pra mim. Talvez por não me sentir ligada à personagem principal, Virgínia, que me deixou bastante irritada em muitos momentos com sua passividade inicial e seus desmaios. Ao longo da história isso vai mudando e consegui uma fluidez maior na leitura, mas ainda assim não senti nem de longe o que costumo sentir ao ler os livros dessa autora maravilhosa que é a minha favorita da vida!

Esse romance foi escrito em 1946, logo após o lançamento de Perto do Coração Selvagem, que foi um sucesso absoluto. O Lustre não trouxe tantas críticas positivas como Clarice esperava e até questionou os amigos do porque não estava recebendo nenhuma devolutiva do livro, como recebeu do anterior. Alguns críticos julgam ele muito parecido com o primeiro que até então revolucionou e modernizou a forma de escrever, mas eu, particularmente não vi tamanha semelhança.

Clarice tem sim um jeito diferente de escrever, como um fluxo de consciência que acontece tão rápido como o nosso pensamento e as vezes nos deixa perdidos na cronologia da história (o que nem de longe impede a experiência literária, ao meu ver. Pelo contrário, a enriquece!), mas as histórias são bem diferentes e me identifiquei muito mais com Joana do que com Virgínia, que demorou demais pra encontrar a própria força e ainda assim demonstrava certa apatia e passividade em relação a alguns personagens e situações.

O lustre conta a história de Virgínia desde a sua infância em Granja Quieta até a vida solitária na cidade. O título remete ao Lustre da casa paterna no interior que a atraía e assustava quando pequena.

“Havia o lustre. A grande aranha escandecia. Olhava-o imóvel, inquieta, parecia pressentir uma vida terrível. Aquela existência de gelo”.

Pode-se fazer uma associação à vida que Virgínia viria a ter: terrível, isolada e sem afetos. Na infância, Virgínia nutre um amor e admiração sem limites pelo irmão com quem vive os dias em Granja Quieta. São muito unidos, porém Daniel, é perverso e cria uma “Sociedade das Sombras” que só tem os dois como membros e se utiliza do poder dessa sociedade para subjugar Virgínia as mais inoportunas situações, as quais ela obedece sem pestanejar.

Embora possa parecer desumano, não consegui nutrir uma compaixão pela protagonista, pois vamos descobrindo que a passividade não tem nenhuma ligação com bondade e que Virgínia também traz traços de maldade em si e por isso essa ligação doentia que se fez entre os dois. Quando crescem, se separam e Virgínia vai viver na cidade, e até se torna um pouco mais ativa, porém não se liberta das lembranças do passado que a atormentam a cada passo e acaba criando relações negativas com as pessoas e aumentando sua solidão. Muito me pareceu que a relação doentia criada com o irmão na infância fora o derradeiro de sua existência, mantendo-a sempre presa às lembranças.

Me parece impossível trazer uma impressão definitiva do que seja esse romance, tamanhas são as metáforas e a inconstância dessa obra. Ela abre diversas possibilidades de interpretação e acredito que atinja a cada um de uma forma diferente, de acordo com suas bagagens e experiências. Me foi MUITO difícil dar menos de 5 estrelas para Clarice, pois sou muito fã de sua genialidade de escrita e de suas obras, mas não podia deixar de ser sincera, como o sempre faço em todas as minhas resenhas, e infelizmente essa obra em específico, não me atingiu como todas as demais que li da autora.

Ainda assim, recomendo a leitura a todos aqueles que são fãs, para conhecerem todas as suas vertentes. Aos iniciantes, indicaria outras obras dela, como Uma Aprendizagem e o Livro dos Prazeres, Felicidade Clandestina e A descoberta do Mundo!

Repleto de Livros

“O apartamento de Bernadette é repleto de livros. Eles ficam em estantes de mais de um metro, que contornam a moldura das portas; também podem ser encontrados em cima da mesa da sala de jantar, da escrivaninha, da mesinha ao lado do sofá e do criado-mudo; para minha surpresa, até no banheiro encontrei alguns deles sobre uma mesinha ao lado do vaso sanitário”.

. Nicolas Barreau in O Sorriso das Mulheres .

Resenha: A Vendedora de Livros

Livro: A Vendedora de Livros
Autor(a): Cynthia Swanson
Editora:
Taglivros/Suma
Páginas: 380
Nota: 4
(1.Não gostei 2.Gostei pouco; 3.Gostei;
 4.Gostei bastante;
5.Adorei)

Uma pessoa pode ter duas vidas?
Uma enquanto está acordada e outra quando está dormindo?
Aparentemente, Kitty Miller pode.

O livro começa com ela acordando num quarto de paredes verdes numa casa elegante muito diferente do seu quarto pequeno e despretensioso num apartamento próximo ao trabalho, uma livraria de bairro que gerencia junto com sua melhor amiga Frieda. Ao abrir os olhos neste quarto diferente, ela sabe que está sonhando e fica esperando o momento em que vai acordar, enquanto descobre um marido atencioso e uma garotinha angelical que a chama de mamãe. Pouco depois ela realmente acorda e está de volta à sua vida de solteira aos 38 anos, à seu trabalho que ama na livraria com Frieda, ao seu quarto que recentemente pintou com uma parede amarela e seu gato laranjinha (lembrei do meu Melão) Aslam, homenagem a seu livro favorito: As Crônicas de Nárnia. Está super feliz de ter finalmente acordado, mas com uma sensação estranha de ter gostado da vida que viu em seus sonhos.

E a partir de então, você vai viver junto com Kitty, sua vida real durante os dias, trabalhando na livraria com Frieda, cuidando de Aslan e trocando cartões postais com os pais que estão em uma viagem pelos 40 anos de casados, e outra vida a noite, quando ela vai dormir e em seus sonhos se transforma em Katharyn Anderson, casada com Lars, o amor de sua vida e com lindos filhos (a cada sonho, mais detalhes da outra vida vão sendo revelados).

A narrativa da autora é bastante envolvendo e o tempo todo você fica querendo saber mais e mais sobre a vida misteriosa que vai sendo revelada a Kitty e a você aos pedaços, nos curtos períodos de sono da protagonista e cada vez mais vai se envolvendo com as doçuras e angústias de cada uma de suas vidas. Qual das duas é a que ela realmente quer viver? Qual o preço de escolher esta ou aquela vida? O que vai ser preciso abrir mão para ter aquilo que desejou pra si a vida inteira?

Adorei a história, a autora trabalha o enredo do sonho/vida real super bem e apesar de ter lido muitas resenhas dizendo que o final é super previsível, eu não achei tanto assim e gostei principalmente dele não ter definido certas situações de forma tão açucarada como se esperaria.

Gostei muito e recomendo a leitura!

#TBR de Agosto


📖Morra, amor – #ArianaHarwicz: super curiosa pra ler sobre essa mãe que teve depressão pós-parto e nos conta nesse livro essa angustiada rotina. Empréstimo de uma amiga;

📖 A Cidade Sitiada – #ClariceLispector: leitura do mês do clube de leitura Toda Clarice;

📖 O Aleph – #JorgeLuisBorges: homenageado de agosto @clubetripas;

📖 Mrs. Dalloway – #VirgíniaWoolf: não consegui fazer a LC junto com o @blogliteraturese, mas continuo e termino esse mês;

📖 Wuthering Heights – #EmilyBrönte: LC com @realidadeliteral 💕;

📖Eu sei por que o pássaro canta na gaiola – #MayaAngelou: faz tempo que estou querendo ler esse livro e me comprometi a ler pelo menos um livro da @taglivros por mês;

📖 Objetos Cortantes #GillianFlynn e Três Coroas Negras – #kendareblaker : presente e indicação que estou devendo a leitura há séculos 😜;

📖 DUNA – #FrankHerbert: quero pelo menos começar essa leitura que me foi indicada há anos tb e preciso ler antes do filme;

📖Relatos de um Gato Viajante #HiroArikawa: amo gatos ❤️, indicação do @clubetripas;

📖A Casa dos Espíritos – #IsabelAllende: indicação e empréstimo de uma amiga, mas não chegou o livro ainda e não saiu na foto!

Resenha: Somos Todos Extraordinários

Livro: Somos Todos Extraordinários
Organizador: R. J. Palacio
Editora:
Intrínseca
Páginas: 32
Nota: 5
(1.Não gostei 2.Gostei pouco; 3.Gostei;
 4.Gostei bastante; 5.Adorei)

Mensagem de inclusão, gentileza, amor ao próximo…
Não tenho como falar desse livro sem falar do romance Extraordinário, apaixonante e inspirador que emocionou e tocou a vida de muitos leitores. Conta a história do carismático Auggie Pullman, um menino de dez anos que possui uma grave deformidade facial e começa a frequentar a escola pela primeira vez, encontrando amigos verdadeiros, preconceito e situações que irão marcar sua vida para sempre.

Essa edição é dedicada às crianças e foi elaborada pela autora na intenção de levar a elas a forte mensagem de inclusão, gentileza, amor ao próximo que a autora imprimiu a todas as suas obras sobre esse extraordinário garotinho. A versão infantil traz elementos da história original e insere os personagens em ilustrações belíssimas representando a imaginação do menino. Não tem como não se apaixonar por essa maravilhosa história de superação, amizade e amor, muito amor!

Incrível para trabalhar com as crianças/alunos sobre a inclusão, o respeito e amizade. Super recomendo!

Resenha: Enquanto as Luzes não se Apagam

Livro: Enquanto as Luzes não se Apagam
Organizador: Felipe Saraiça
Editora:
Pendragon
Páginas: 128
Nota: 3
(1.Não gostei 2.Gostei pouco; 3.Gostei;
 4.Gostei bastante; 5.Adorei)

Uma coletânea de contos de jovens autores, alguns se aventurando pela primeira vez no mundo das palavras e que trazem assuntos muito pertinentes e necessários como compulsão, anorexia, síndrome do pânico, depressão, ansiedade entre outros transtornos psicológicos. Os contos são de literatura fantástica e abordam esses assuntos pesados de forma muito delicada, mesclando o real com o imaginário e mostrando que até mesmo os seres mágicos e mais fortes passam por dificuldades que se equiparam às de nossas vidas e portanto trazem certo alento.

Os contos são curtos, alguns conseguem te levar muito fundo nas emoções explanadas, outros nem tanto, mas acredito que todos eles tenham encontrado o seu leitor certo, a pessoa que precisava ler aquilo e não se sentir sozinha no mundo, ou compreender melhor um amigo ou familiar. No início de cada conto você tem uma minibiografia de cada autor, o que achei bem bacana, pois diminui o distanciamento autor-leitor e facilita a compreensão da narrativa. A editoração gráfica do livro também é muito bonita.

Recomendo a leitura e recomendo também para bibliotecas escolares onde jovens possam ter acesso a essa leitura, refletir sobre ela e manter suas luzes acesas.

Resenha: Francisco

Livro: Francisco
Autor: Guilherme Samora
Editora:
Globo Livros
Páginas: 160
Nota: 4
(1.Não gostei 2.Gostei pouco; 3.Gostei;
 4.Gostei bastante; 5.Adorei)

Eu não sou católica, mas tenho um carinho muito especial por São Francisco por ser o protetor dos animais. Quem me conhece bem sabe que defendo muito a causa animal, estou no caminho de parar totalmente de comer carne (já estou à dois anos comendo apenas peixe e de vez em quando) e sou dessas que se pudesse, sairia pegando todos os animais de rua e colocando pra dentro de casa!!

Enfim, descobri o livro do Guilherme Samora, porque sigo a Luisa Mell (e sou muito fã) e vi que ela foi ao lançamento do livro dele. Imediatamente fiz a compra na internet, pois sempre quis saber um pouco mais sobre a história de São Francisco. A leitura desse livro foi muito gostosa e uma grata surpresa, pois soube de coisas que sequer imaginava sobre a vida dele. Sabia, como a maioria, que ele tinha vindo de uma família rica e deixado tudo isso pra trás pra seguir uma vida de simplicidade, pobreza e amor. Mas não fazia a menor ideia de como ele era antes de tomar essa decisão, e o quão difícil foi seguir esse caminho no começo. A reação do pai, as coisas que ele fez pra tentar manter Francisco longe das ruas e de sua vocação, como ele era tratado na rua por algumas pessoas, sendo visto como louco e até mesmo ladrão, enfim… Foram muitas dificuldades e ele encontrou consolo na fé e na certeza do caminho a seguir.

Como disse, o livro foi uma grata surpresa, pois conheci muitos outros aspectos da vida de São Francisco que não imaginava, além do seu amor pelos animais. Há belíssimas e fantásticas histórias sobre isso, mas não é o foco único do livro que traz muitas informações interessantes sobre seu caminho, as pessoas que o acompanharam, seus principais momentos de vida, descobertas científicas a respeito de milagres e suas relíquias e ainda nos presenteia com textos da autoria de São Francisco e fotos dos locais importantes para sua jornada.

A leitura é super fluída e dá pra perceber nas palavras do autor, a admiração e o amor que ele também sente por São Francisco, além de muita atenção e pesquisa aos fatos históricos. E termino minha resenha com esse trecho/ensinamento do livro:

“Francisco, que já pregava que ninguém deveria se preocupar com o amanhã, deixa outra valiosa – e muitas vezes esquecida – lição para os dias de hoje: tentar ao máximo viver com leveza e boa energia”.

Recomendo a leitura!

Resenha: As Palavras de Saramago

Livro: As Palavras de Saramago
Organizador: Fernando Gomez Aguilera
Editora:
Companhia das Letras
Páginas: 488
Nota: 5
(1.Não gostei 2.Gostei pouco; 3.Gostei;
 4.Gostei bastante;
5.Adorei)

“Aqui jaz, indignado, fulano de tal”

É como Saramago quer que coloquem em sua lápide quando morrer… E diz mais “indignado por ter entrado num mundo injusto e ter saído de um mundo injusto”. Eu sou fã de Saramago desde o primeiro livro que li “Ensaio sobre a Cegueira”. Depois a cada livro que fui lendo do autor, fui me apaixonando cada vez mais pelo seu jeito direto, racional, a vida como ela é de fazer literatura.

Esse livro foi um presente de uma amiga querida e é uma coletânea de citações de José Saramago recolhida de suas declarações em jornais, revistas, livros e entrevistas publicados em diversos países ao longo de 3 anos. Essas citações estão divididas em três grandes seções:

– Quem se chama José Saramago: compilando citações do autor sobre si mesmo, o ser humano, a vida, a morte, Deus, ética, razão, entre outros. Nessa seção conhecemos um pouco mais sobre o autor e suas reflexões, questionamentos e indignações sobre estes temas. Dentre as maravilhosas palavras destaco: “As vezes, o ter destrói o ser”; “A felicidade consite em dar passos em direção a si mesmo e olhar o que você é”; “Há um morrer de cegueira, que é um morrer de quem não usa a razão para viver”; “A doença mortal do homem como homem é o egoísmo”.

– Pelo fato de ser escritor: que traz suas declarações sobre literatura, obras, autor-narrador, leitores, romance, história, entre outros. Aqui descobrimos o profissional escritor, como se dedica a esse trabalho de forma racional, sem rituais, sem modos de fazer, mas com dedicação, afinco e muito estudo e pesquisa. Dentre suas palavras, destaco as seguintes: “Não temos outra coisa [que palavras]. Somos as palavras que usamos A nossa vida é isso”; “Tudo pode ser ‘extraordinário’, se é ‘extraordinária’ a nossa maneira de ver e de sentir”; “Toda obra literária leva uma pessoa dentro, que é o autor”; “Dizer demais é sempre dizer de menos”; “Num romance cabe tudo, é uma tentativa de compreender o mundo”

– O cidadão que sou: trazendo palavras do autor sobre compromisso, democracia, política, meios de comunicação, direitos humanos, pensamentos críticos, entre outros. E nesta ultima seção, conhecemos os pensamentos de Saramago sobre seu compromisso como escritor em relação à sociedade, ao mundo, à vida. Ele não se vê e nem a sua obra como algo à parte do mundo. Dentre estes, os que destaco são: “Indignemo-nos”; “deveríamos viver mais incomodados. O amanhã não existirá se não mudarmos o hoje”; “A democracia não pode se limitar à simples substituição de um governo pelo outro”; “Uma bala nunca é um argumento político”; “Vivemos num sistema de mentiras organizadas”; “Estou comprometido com a vida até o ultimo dos meus dias, e me esforço para mudar as coisas”.

E dizer mais o que? Praticamente marquei o livro todo. Saramago é sensacional, um dos meus autores favoritos e recomendo muitíssimo a leitura.

#TBR de Julho

📖 Da preguiça como método de trabalho – #MarioQuintana: homenageado de julho no @clubetripas;

📖 Morte Súbita – #JKRowling: homenageada do mês de julho no @clubetripas;

📖Eu sei por que o pássaro canta na gaiola – #MayaAngelou: faz tempo que estou querendo ler esse livro e acho que esse é o melhor momento;

📖 Um toque de amor – #LeaCaruso: romance espírita emprestado da mama. A capa me chamou atenção;

📖 Cada homem é uma raça – #MiaCouto: porquê amo❤️

📖 Morra, amor – #ArianaHarwicz: emprestado pela minha amiga @luciamesquita65;

📖 O Lustre – #ClariceLispector: leitura do mês do clube de leitura Toda Clarice.

E vocês? Costumam fazer listas de livros para se organizar? Ou leem o que vai aparecendo? Contem nos comentários!

Resenha: A Menina do Sorriso Roubado

Livro: A Menina do Sorriso Roubado
Autor(es): N.P. Azeredo
Editora:
Pendragon
Páginas: 175
Nota: 3
(1.Não gostei 2.Gostei pouco; 3.Gostei;
 4.Gostei bastante; 5.Adorei)

O livro da jovem autora N.P. Azeredo é um drama que conta a trajetória da também jovem Valentina, que ao perder os pais em um acidente quando tinha 17 anos, foi morar com seu padrinho Luiz, sua esposa Regina e seus filhos, Daniel e Pedro. Valentina e Pedro se apaixonam, porém uma festa de aniversário muda suas vidas para sempre. Ao longo de uma trama de muitas intrigas, traições e sofrimentos, vamos descobrindo partes do passado de Valentina e novas situações e obstáculos do presente que podem colocar em risco seu sonho de ser chef e voltar a sorrir como antes do acidente.

A editoração do livro está linda, a capa chama atenção e dá pra ver o cuidado com a beleza nos detalhes das páginas como todos os livros da editora!

A narrativa da autora é agradável e a trama é interessante, faz com que você queira descobrir o que acontecerá a seguir. Além disso o livro não deixa pontas soltas, explicando todas as situações introduzidas à historia. Minha ressalva é que em alguns momentos, a quantidade de informações e a forma que autora escolheu para inseri-las na história, de forma a fazer um mistério, tornou algumas cenas bastante confusas pra mim. Além disso, a trama trata de alguns assuntos pesados e senti falta de aprofundamento nas emoções dos personagens.

Como o livro foi escrito quando a autora tinha apenas dezessete anos e seja ainda seu segundo livro lançado, acredito que com o tempo e maior vivência e maturidade na escrita, esses pontos sejam aperfeiçoados.

Vejo possibilidades de crescimento na narrativa da autora e acredito que sua história agrade aos jovens leitores.