Resenha: O Rei do Inverno

Livro: O Rei do Inverno
Autor(a): Bernard Cornwell
Editora:
 Record
Páginas:  546

Nota: 4
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

Acho que assim como Igraine, Rainha de Powys, casada com Brochvael e patrona de Derfel, o narrador dessa história, eu ansiava pelo romance e beleza que sempre imaginei na história de Rei Artur. Assim como ela, também, imaginava feitos grandes para personagens como Morgana e Lancelot e ficava esperando flores onde as paisagens só podiam ser áridas, como a realidade: nua e crua.

A história começa com Derfel, um dos mais próximos guerreiros de Artur, reescrevendo a lendária história do próprio Artur a pedido da Rainha Igraine. Gostei muito desse recurso utilizado pelo autor, pois faz com que pareça ainda mais real a nossos olhos. Além disso, a narrativa é bastante objetiva e prende a atenção. O Rei do Inverno é o primeiro livro da coleção “As Crônicas de Artur” e é grande a diferença dessa história com outras tantas já contadas sobre ele. Cornwell, pelo que pude notar na leitura e pelo que escreveu em sua “nota do autor” foi o mais fiel possível aos fatos históricos da época e embasou sua pesquisa em recentes descobertas arqueológicas deste imortal personagem, o que deixa tudo ainda mais interessante.

Continuar lendo

Canal?!?!?

Sim. Ou talvez, pelo menos… 😛

Faz bastante tempo que tenho uma certa vontade efêmera de fazer vídeos falando sobre a minha paixão: LIVROS! Mas sempre fiquei com vergonha, não tenho talento pra edição de vídeos, não fazia nem ideia de como começar. Mas, estava um dia de bobeira em casa e resolvi tentar! Filmei no celular mesmo!! Cheio de erros, amadorismo, convidados especiais (minha calopsita e minha cachorra rsrsrs), mas feito com amor, isso foi!! ❤

Assistindo alguns tutoriais encontrei um editor e fiz as edições no próprio celular, então os cortes e efeitos não ficaram tão legais. Tentando subir o vídeo no youtube descobri que não estava no formato correto e assisti mais alguns tutoriais até achar um conversor legal. No fim, achei que a qualidade não ficou tão boa quanto eu gostaria, mas como é um teste, uma tentativa, uma experiência, resolvi colocar no ar, pra ver no que daria!!

Está aí pra vocês assistirem e curtir, criticar, sugerir melhorias, mudanças, sugerir que eu pare (kkk), enfim… DIVIRTAM-SE e me ajudem com feedback , por favor!! ❤

Ah, e eu não poderia deixar de pedir um PERDÃO imenso a linda Beatriz PALUDETTO!!! Eu errei seu sobrenome no vídeo, me perdoa!!! Sou sua fã!!! Prometo que já decorei o jeito certinho agora ❤

=D

Resenha: O Dia do Curinga

Livro: O Dia do Curinga
Autor(a):
Jostein Gaarder
Editora:
 Record
Páginas: 382

Nota: 3
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

Ótimo!
Ótima leitura, cheia daquilo que Gaarder sabe fazer muito bem: unir mistério, filosofia, questionamentos desconcertantes e uma narrativa cativante.

A história é sobre uma viagem do sul da Noruega à Grecia, passando pelos Alpes Suíços, feita por um rapaz e seu pai “filósofo” em busca da mulher que os tinha abandonado oito anos atrás.

O que achei fascinante foi a divisão do livro. Gaarder constrói a história com as cartas de um baralho, com cada capítulo correspondendo a um número e um naipe. Além disso, neste livro a “filosofia” embutida é bem rasa e não cansa. Ao contrário disso são os questionamentos levantados ao longo da história que fazem refletir, o que é o ponto importante e forte do livro.

Legal também foi ler na orelha do livro que Gaarder conta que ao terminar o livro, viu seu próprio personagem (o garoto) recém-chegado de sua incrível aventura, procurar em vão nas livrarias da cidade uma história da filosofia adequada a alguém de sua idade. Desapontado com a procura frustrada do garoto, Gaarder voltou para casa disposto a preencher essa lacuna. E é assim que nasce “O mundo de Sofia”.

Leitura recomendada!

Resenha: Battle Royale

Livro: Battle Royale (Mangá em 15 exemplares)
Autor(a): Sophie Kinsela
Editora:
 Conrad
Páginas: 3093

Nota: 5
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

Sou suspeita, pois adoro mangá e anime. Acho os desenhos lindos e as histórias fascinantes. Esse não poderia ser diferente. Fascinante, excelente, criativo, chocante e excepcionalmente viciante. É engraçado, porque não é que é maravilhoso, afinal é triste e doloroso, mas é simplesmente impossível de parar de ler. Você se vê a todo momento torcendo, querendo ter esperanças mesmo sabendo do inevitável. Fiquei impressionada com a maneira crua como os autores conseguiram demonstrar tantas facetas do carácter humano nessa história. Eu ainda me choco ao constatar até onde certas pessoas são capazes de chegar em momentos de crise. E ainda assim, no meio de tanto horror, foi possível manter em algumas personagens, os valores importantes e a esperança inabalável naquilo que é certo. Recomendo a leitura!

Resenha: Outra Volta do Parafuso

Livro: Outra Volta do Parafuso
Autor(a): Henry James
Editora:
 Abril
Páginas: 208

Nota: 2
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

Tudo bem, é considerado um clássico e Jorge Luis Borges, a quem admiro demais, pode até dizer que Henry James era mestre em criar “situações deliberadamente ambíguas e complexas, capazes de indefinidas e quase infinitas leituras”, mas achei-o cansativo e monótono. Raras exceções quando algum momento da trama prendeu minha atenção e pensei que a narrativa estava enfim avançando, mas logo voltava a morosidade normal. Não é uma história de todo péssima e até me fez lembrar ─ e bastante ─ do livro ‘A menina que não sabia ler’, afinal neste também a história gira em torno de duas crianças, sua preceptora, um casarão no meio do nada e um tio tutor que jamais aparece. Aliás, os nomes das crianças são até parecidos: Miles e Flora em ‘Outra Volta do Parafuso’ e Giles e Florence em ‘A Menina que não sabia ler’.  Claramente houve uma inspiração de Henry James na escrita do segundo. Mesmo assim, a leitura foi apenas razoável e o final não correspondeu às expectativas em minha humilde opnião de leitora.

Resenha: Querido John

Livro: Querido John
Autor(a): Nicholas Sparks
Editora:
 Novo Conceito
Páginas: 288

Nota: 3
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

É bonitinho, romântico e tem um drama envolvido, mas esperei muito mais desse livro. Do Sparks eu só conhecia mesmo a adaptação para o cinema de “The Notebook” que é uma história maravilhosa e super envolvente. O problema é que fiquei cheia de expectativas que não foram atingidas. Mas não estou dizendo que o livro é horrível ou algo do gênero. É bom sim, é uma leitura agradável e tranquila e tem os seus momentos, só que esperei por mais! Só uma coisa me agradou muito e me fez não perder as esperanças por Sparks ainda: o final! Foi ótimo, nada piegas e fugiu totalmente do “happily ever after”. Porque afinal, a vida não é um conto de fadas, certo?

Sobre a 25ª Bienal do Livro de SP

Ah, o que falar desse evento? É maravilhoso demais, podem dizer as más línguas o que quiserem, é um local mágico de encontro de leitores, autores, profissionais da área (me incluo, bibliotecária com orgulho ❤ ), e muitas trocas de experiências, conhecimento, olhares, enfim…  A Bienal do Livro é um momento que proporciona muita interação nesse mundo literário e eu fico sempre muito feliz de ver aquele galpão lotado de gente em busca de cultura, conhecimento, e aprendizado para a vida! Tem atrações para todas as idades, gêneros literários para todos os gostos, e muita, muita promoção desta vez. Vamos quebrar a ideia de que livro na Bienal é mais caro que na internet?  Vou mostrar minhas aquisições:

Continuar lendo