As duas flores

 

São duas flores unidas,
São duas rosas nascidas
Talvez no mesmo arrebol,
Vivendo no mesmo galho
Da mesma gota de orvalho,
Do mesmo raio de sol.

{…}Unidas… Ai quem pudera
Numa eterna primavera
Viver, qual vive esta flor.
Juntar as rosas da vida
Na rama verde e florida,
Na verde rama do amor!”

. Castro Alves in Espumas Flutuantes .

Ahasverus e o Gênio

{…}O Gênio é como Ahasverus… solitário
A marchar, a marchar no itinerário
Sem termo do existir.
Invejado! a invejar os invejosos.
Vendo a sombra dos álamos frondosos…
E sempre a caminhar… sempre a seguir…
Pede u’a mão de amigo ─ dão-lhe palmas:
Pede um beijo de amor ─ e as outras almas
Fogem pasmas de si
E o mísero de glória em glória corre…
Mas quando a terra diz: ─ “Ele não morre”
Responde o desgraçado: ─ “Eu não vivi!…”

. Castro Alves in Espumas Flutuantes .