EVELYN

Não te acabarás, Evelyn.

As rochas que te viram são negras, entre espumas finas;
sobre elas giram lisas gaivotas delicadas,
e ao longe as águas verdes revolvem seus jardins de vidro.

Não te acabarás, Evelyn.

Guardei o vento que tocava
a harpa dos teus cabelos verticais,
e teus olhos estão aqui, e são conchas brancas,
docemente fechados, como se vê nas estátuas.

Guardei teu lábio de coral róseo
e teus dedos de coral branco.
E estás para sempre, como naquele dia,
comendo, vagarosa, fibras elásticas de crustáceos,
mirando a tarde e o silêncio
e a espuma que te orvalhava os pés.

Não te acabarás, Evelyn.

Eu te farei aparecer entre as escarpas,
sereia serena,
e os que te viram procurarão por ti
que eras tão bela e nem falaste.

Evelyn! – disseram-me,
apontando-te entre as barcas.
E eras igual a meu destino:

Evelyn – entre a água e o céu.
Evelyn – entre a água e a terra.
Evelyn – sozinha –
entre os homens e Deus.”

. Cecília Meireles in Mar Absoluto, Retrato Natural .

XXVI

O que tu viste amargo,
Doloroso,
Difícil,
O que tu viste inútil
Foi o que viram os teus olhos humanos.
Esquecidos…
Enganados…
No momento da tua renúncia
Estende sobre a vida
Os teus olhos
E tu verás o que vias:
Mas tu verás melhor…”

. Cecília Meireles in Cânticos .

Resenha: Antologia Poética – Cecília Meireles

Livro: Antologia Poética: Cecília Meireles
Autor(a): Cecília Meireles
Editora:
 Nova Fronteira
Páginas: 307

Nota: 5
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

Confesso, com certa vergonha, que tinha me esquecido de como Cecília Meireles é maravilhosa. Há muitos anos não lia nada dela, e acabei por negligenciar uma leitura simplesmente encantadora. Conheci Cecília cedo, aos 14 anos e foi na mesma época em que me encantei por Vinícius de Moraes, Castro Alves, Carlos Drummond, Álvares de Azevedo, dentre tantos outros. Cecília se destacou e lembro de ter comprado o livro “Mar absoluto, Retrato Natural” ainda muito jovem, já com a necessidade de ter um registro de meus poemas favoritos onde pudesse buscar alento. Não o fiz tanto quanto imaginava e me arrependo. Por isso quando essa antologia caiu em minhas mãos, não tive dúvidas de que teria de lê-la. Muitas das poesias eu já conhecia, mas adorei reler e relembrar. Gostei ainda mais quando soube que esta foi a única coletânea de Cecília cujos textos foram escolhidos pela própria autora. Desta forma, não há como discutir a ótima seleção de seus trabalhos que desfilam uma linguagem musical, com temas abrangentes e diversos. Poderia destacar muitos favoritos, mas acredito ser mais fácil citar os únicos que menos me encantam, que é o caso do registro histórico de seu consagrado ‘Romanceiro da Inconfidência’. Apesar de ser um texto extremamente valoroso e cultural, não toca o meu coração como muitos outros, dentre eles Elegia, que acredito ser um dos mais lindos textos da autora. Também destaco Sugestão, Explicação, e Canção Excêntrica do qual gostaria de compartilhar um trecho:

“Se volto sobre o meu passo,
é já distância perdida.

Meu coração, coisa de aço,
começa a achar um cansaço
esta procura de espaço
para o desenho da vida”.

Leitura recomendada!

A Menina e a Calopsita

Leve é o pássaro:
e a sua sombra voante,
mais leve.

E a cascata aérea
de sua garganta,
mais leve.

E o que se lembra, ouvindo-se
deslizar seu canto,
mais leve.

E o desejo rápido
desse mais antigo instante,
mais leve.

E a fuga invisível
do amargo passante,
mais leve”.

. Cecília Meireles in Leveza .

*Essa ilustração lindíssima me foi enviada pela Monique Farias através do  Pinterest, que originalmente foi salva do urbanarts.com.br.

07.11 – 113º Aniversário de Cecília Meireles

imagem
Doodle lindo em homenagem à Cecília!

Não sejas o de hoje. 
Não suspires por ontens…
não queiras ser o de amanhã.
Faze-te sem limites no tempo.
Vê a tua vida em todas as origens.
Em todas as existências.
Em todas as mortes.
E sabes que serás assim para sempre.
Não queiras marcar a tua passagem.
Ela prossegue:
É a passagem que se continua.
É a tua eternidade.
És tu”

. Cecília Meireles in Cânticos II .

“Be Happy”

Isto é a vida; atravessa-se o mundo trabalhando duramente, construindo a verdade, distribuindo ternura, inventando beleza, e ninguém que está perto repara”.

. Cecília Meireles in Coleção Melhores Crônicas.

07.11 – 110º Aniversário de Cecília Meireles

Se volto sobre o meu passo,
é já distância perdida.

Meu coração, coisa de aço,
começa a achar um cansaço
esta procura de espaço
para o desenho da vida”.

. Cecília Meireles in Antologia Poética .

07.11 – 109º Aniversário de Cecília Meireles

Pergunto-te onde se acha a minha vida.
Em que dia fui eu. Que hora existiu formada
de uma verdade minha bem possuída

Vão-se as minhas perguntas aos depósitos do nada.

E a quem é que pergunto? Em quem penso, iludida
por esperanças hereditárias? E de cada
pergunta minha vai nascendo a sombra imensa
que envolve a posição dos olhos de quem pensa.

Já não sei mais a diferença
de ti, de mim, da coisa perguntada,
do silêncio da coisa irrespondida”.

. Cecilia Meireles .

07.11 – 108º Aniversário de Cecília Meireles

O Livro da Solidão por Cecília Meireles
Em
Releituras

Os senhores todos conhecem a pergunta famosa universalmente repetida: “Que livro escolheria para levar consigo, se tivesse de partir para uma ilha deserta…?”

Vêm os que acreditam em exemplos célebres e dizem naturalmente: “Uma história de Napoleão.” Mas uma ilha deserta nem sempre é um exílio… Pode ser um passatempo…

Os que nunca tiveram tempo para fazer leituras grandes, pensam em obras de muitos volumes. É certo que numa ilha deserta é preciso encher o tempo… E lembram-se das Vidas de Plutarco, dos Ensaios de Montaigne, ou, se são mais cientistas que filósofos, da obra completa de Pasteur. Se são uma boa mescla de vida e sonho, pensam em toda a produção de Goethe, de Dostoievski, de Ibsen. Ou na Bíblia. Ou nas Mil e uma noites.

Pois eu creio que todos esses livros, embora esplêndidos, acabariam fatigando; e, se Deus me concedesse a mercê de morar numa ilha deserta (deserta, mas com relativo conforto, está claro — poltronas, chá, luz elétrica, ar condicionado) o que levava comigo era um Dicionário. Dicionário de qualquer língua, até com algumas folhas soltas; mas um Dicionário.

Continuar lendo “07.11 – 108º Aniversário de Cecília Meireles”

07.11 – 107º Aniversário de Cecília Meireles

Plantaremos estes arbustos
que darão flor apenas
daqui a três anos.
Plantaremos estas árvores
que darão fruto um dia,
mas só depois de dez anos.
Não plantaremos jardins de amor,
porque imediatamente
abrem tristeza e saudade.
Não plantaremos lembranças
porque estão desde já e para sempre
carregadas de lágrimas”

. Cecília Meireles, Plantaremos estes Arbustos .