Resenha: O Jardim dos Esquecidos

Livro: O Jardim dos Esquecidos
Autor(a): V.C. Andrews
Editora:
 Francisco Alves
Páginas: 285

Nota: 5
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

Flores no Sótão
Eu me lembro como se fosse ontem quando peguei esse livro na estante da biblioteca do Instituto de Estudos de Línguas da Unicamp. Lembro que fiquei em dúvida se o levava ou não, pois pelo que havia lido na orelha, ele era parte de uma saga e a biblioteca só tinha o primeiro e o terceiro dos 5 que compunham a saga toda. Porém o nome me chamou tanta atenção que tive que levar. E não me arrependi, embora a história seja muito chocante e triste. A verdade é que o livro dá agonia.

Os Dollangangers são uma família linda e feliz. Levavam vidas perfeitas em sua bela casa, com uma linda mãe e um pai extreamemnte amoroso e dedicado. Porém, um acidente de carro, tira a vida do pai e a mãe que não tem qualificações para arranjar um trabalho, acaba endividada para sustentar as quatro crianças. Sem outra saída em vista, ela decide escrever para seus pais ricos que há muito não lhe falavam por conta de um segredo da família.

Um segredo tão terrível que acaba por causar danos até mesmo as pobres crianças que são encerradas num sótão da mansão da família por sua mãe ambiciosa e avó tirânica. Não há como não sentir o medo, a angústia, a solidão, as necessidades mais básicas dessas quatro crianças louras e lindas que se vêem presas a um sótão abafado e assustador. De verdade, é o tipo de livro que nunca mais sai da cabeça. Uma narração impecável que faz com que você se sinta na pele das pobres crianças. É um conto de fadas perverso e arrepiante.

Leitura recomendada!

#LibraryShelfieDay

#LibraryShelfieDay 📚 📖 💞

Com o objetivo de incentivar as pessoas a compartilharem seu amor por livros e bibliotecas, a Biblioteca Pública de Nova York criou, há alguns anos, o Library Shelfie Day. A ideia é simples: as pessoas devem tirar uma foto de uma estante de livros (sua ou da sua biblioteca local) e compartilhá-la com a hashtag #LibraryShelfieDay.

Resenha: A Paixão Segundo G.H.

Livro: A Paixão Segundo G.H.
Autor(a): Clarice Lispector 
Editora:
 Rocco
Páginas: 180

Nota: 5
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

Esse livro sou eu!
“Em uma outra vida que tive, aos 15 anos, entrei numa livraria, que me pareceu o mundo que gostaria de morar. De repente, um dos livros que abri continha frases tão diferentes que fiquei lendo, presa, ali mesmo. Emocionada, eu pensava: mas esse livro sou eu!”.

Clarice estava se referindo a Katherine Mansfield, nascida na Nova Zelândia, filha de pais ingleses e que abandonou o clima agradável, a vida abastada na bela ilha para entregar-se com paixão a seu intuito de tornar-se escritora. Mas eu, ao postar essa citação, me refiro a própria Clarice Lispector. Quando abri A Paixão Segundo G.H. e comecei a ler, aconteceu-me o mesmo. “Emocionada, eu pensava: mas esse livro sou eu!”.

A Paixão Segundo G.H. é um mergulho no interior do narrador-personagem, e um mergulho no nosso interior porque é impossível não ir se questionando junto com os questionamentos da personagem, é impossível não participar da viagem reflexiva que a personagem faz. Não há propriamente uma história neste livro. G.H. busca, pela introspecção, descobrir sua identidade e as razões de viver, sentir e amar e leva involuntarimante você junto:

Continuar lendo

A Mania de Citar

“Não importa qual fosse o livro que eu estivesse lendo, adquiri o hábito de anotar por escrito sentenças isoladas ou passagens curtas que me parecessem dignas de atenção. Fazia isso tendo em vista o meu próprio uso ou para simples desfrute, como dizem os advogados, sem intenção alguma de publicar. Até que mais recentemente me ocorreu que pelo menos uma parte dessas citações – já na casa dos milhares – poderia despertar o interesse de outras pessoas”. 

Viscount Samuel in O Livro das Citações .

E eis a explicação mais perfeita da criação deste blog ❤

09.01 – 111° Aniversário de Simone de Beauvoir

No dia em que for possível à mulher amar na totalidade, não na sua fraqueza, não para fugir de si mesma mas para se encontrar, não para se demitir mas para se afirmar, nesse dia o amor tornar-se-á para ela, como para o homem, fonte de vida e não perigo mortal“.

. Simone de Beauvoir in Segundo Sexo.

Continuar lendo

Resenha: Alucinadamente Feliz

Livro: Alucinadamente Feliz
Autor(a): Jenny Lawson
Editora:
 Intrínseca
Páginas: 352

Nota: 3
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

Não sei dizer…
… Mas vou tentar explicar aqui na resenha. Fiquei bem confusa com minhas reações e impressões deste livro! Amei o título, a premissa, as opiniões da quarta capa, tem até Neil Gaiman (amo!) e amei a “séries de avisos desagradáveis” e “nota da autora” bem no início do livro que foi o que me fizeram ir a diante pois tinha certeza que seria uma leitura diferente e instigante sobre um assunto atual e que vem assolando uma grande parte da nossa população e nem sempre é visto com bons olhos, e muitas vezes, inclusive, é ignorado totalmente: os transtornos mentais.

Ela tem sim uma narrativa envolvente, é bastante sincera e abordou um tema terrível de uma forma totalmente inusitada e bastante interessante inclusive. Achei fantástico que ela falou sobre a própria vida e os próprios problemas, deixando claro que os transtornos mentais, mesmo que sendo os mesmos, tem formas diferentes de ocorrer com cada indivíduo e em momento algum ela tentou “ensinar” o que fazer ou como se “curar”. Deixou bem claro, inclusive: “Esse livro não é um manual”. O intuito da autora foi o de ajudar tanto as pessoas que enfrentam os transtornos, como aqueles que estão ao redor de quem vive, familiares e amigos. E nesse sentido o livro é realmente ótimo.

Vi muitos comentários dele dizendo que é auto ajuda, mas eu não vejo dessa forma. Como a autora bem explicou, ele não é um manual e não diz absolutamente o que você tem que fazer para se curar ou ser feliz. O livro é um relato de alguém com a doença (e no caso dela não é só uma) e que está expondo isso para que outras pessoas que também sofrem possam se sentir compreendidas e não tão solitárias. Porque doenças mentais e emocionais, infelizmente, afastam as pessoas do convívio com outras, muitas vezes por incompreensão de ambas as partes. Nesse sentido, o livro vem trazer um consolo, um abraço, um “eu sei como você se sente” que muitas vezes, não vem de lugar nenhum.

Continuar lendo

Resenha: O Fantasma da Ópera

Livro: O Fantasma da Ópera
Autor(a): Gaston Leroux
Editora:
 Ediouro
Páginas: 254

Nota: 5
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

Terminei de ler ontem esse livro fantástico e meu coração e sentimentos se dividem entre admiração, tristeza e pesar por Erik, o Fantasma da Ópera, assim como por Heathcliff de O Morro dos Ventos Uivantes. Ambos tem as almas torturadas e nunca conheceram o significado da palavra amor e compaixão.

A história é narrada pelo autor como se fosse um personagem, o que faz o livro parecer ainda mais real. Os fatos e acontecimentos vão sendo narrados de forma muito envolvente e você quer mergulhar nos mistérios e cada vez mais conhecer a história do fantasma que assombra o teatro em Paris, a princípio um monstro, que comete crimes hediondos, mas conforme a leitura vai se desenrolando você descobre um gênio de talento sem igual, com um segredo que carrega no rosto e um sofrimento terrível. Todo mundo sabe da minha predileção por “vilões” e eu sempre soube que o fantasma tinha uma história triste, que obviamente não justifica os assassinatos, mas explica as influencias que transformaram sua alma torturada e seu coração tão amargurado. Há sempre muita dor e sofrimento por trás de atos que julgamos imperdoáveis.

Assim como por Heathcliff, eu senti ternura e vontade de abraçar Erik em muitos momentos. Torci por ele também em relação a Christine (e diferente da Catherine de O Morro dos Ventos Uivantes, eu não a odeio). Acredito que tudo aconteceu como tinha de acontecer numa história trágica e monumental. Do meu número, costumo brincar. São essas histórias de amor, ódio, sentimentos HUMANOS verdadeiros e sem fantasias e máscaras, que me encantam e entram para os favoritos da vida.

Sem sombra de dúvida essa história não iria ficar de fora. Recomendo muitíssimo a leitura, que traz em maiores detalhes a história de Erik e acontecimentos fantásticos e terríveis. Mas também aconselho assistir a peça teatral que retrata quase fielmente esta obra nos palcos do Teatro Renault em São Paulo.