Resenha: Aprendendo a Viver

Livro: Aprendendo a Viver
Autor(a): Clarice Lispector
Editora:
 Rocco
Páginas: 224

Nota: 5
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

Lindo!
“…Amor será dar de presente um ao outro a própria solidão? Pois é a coisa mais última que se pode dar de si”

Aprendendo a Viver é uma seleção de crônicas de A descoberta do mundo, um dos meus livros favoritos de Clarice. E assim como ele é um livro de leitura infinita. Você começa e não termina mais. É aquele livro que de vez em quando você vai abrir ao acaso e se deliciar com um trecho maravilhoso e inspirador de Clarice.

Eu sou totalmente suspeita, afinal todo mundo sabe que eu sou fã de Clarice e que em minha humilde opnião tudo que ela escreve é uma obra de arte digna de mil estrelas e não só cinco. Clarice parece que escreve a gente, o nosso dia a dia, as coisas mais singelas e que você nunca imagina que alguém pode compartilhar e lá está ela falando justamente daquilo.

Assustei-me o dia que li pela primeira vez a crônica “Nossa Truculência” constante deste livro. Juro que me perguntei como pode uma mulher que morreu antes de eu nascer me conhecer tanto e tão bem. Clarice tem esse dom.

Dentre as muitas maravilhas deste livro, destaco “A perfeição”, “Não entender”, “Uma Revolta”, “Banhos de Mar” e “Perdoando Deus” que pra mim é a coisa mais linda que Clarice já escreveu.

Leitura recomendada!

09.04 [18] – Dia da Biblioteca

“Os livros não matam a fome, não suprimem a miséria, não acabam com as desigualdades e com as injustiças do mundo, mas consolam as almas, e fazem-nos sonhar”.

. Olavo Bilac .

Sobre os fervilhantes acontecimentos políticos do final de semana…

Roubartilhei daqui: 

O sistema político brasileiro é podre, reflete de forma cristalina o modus operandi de grande parte do povo. Após décadas em estado de coma, preocupado apenas com futebol e novela, o gigante acordou e saiu tropeçando em tudo. A internet ajudou, o “público” que antes se resumia aos vizinhos, familiares próximos e colegas de trabalho, aumentou sobremaneira. Com péssima interpretação de texto, poupou tempo e se acostumou a dissertar sobre qualquer tema a partir das manchetes, inclusive as falsas. Nunca subestime a estupidez humana, saiba que existem pessoas alfabetizadas e diplomadas neste momento elaborando planos para provar que a Terra é plana.

Ao negar a lucidez, abriu-se espaço para o sentimento mais rasteiro e fácil, o ódio. A discussão política foi ganhando tons cada vez mais agressivos, logo, os perigosos extremos foram potencializados. Adultos infantilizados acreditam em qualquer teoria da conspiração e enxergam “heróis” e “vilões” sem tons de cinza, nunca foi tão fácil posar de indivíduo consciente, basta participar de manifestações e, claro, postar várias fotos das esfuziantes caminhadas nas redes sociais. A intenção é boa, mas não há como amadurecer o sonolento pensamento crítico político em poucos anos, faz parte do processo agir de forma apatetada. Vista a bandeira do país pela manhã nas ruas e passe o restante do seu dia somando no coro rancoroso e desafinado dos vigilantes sonâmbulos, esbravejando frases de efeito e piadas de duplo sentido, continue encarando a vida como uma revista em quadrinhos de super-heróis, defenda que não há tempo para o hábito da leitura enquanto acompanha por horas as fofocas divertidas nos seus duzentos grupos de Whatsapp. É exatamente de pessoas como você que o sistema necessita para se manter podre.

Continuar lendo

Até mais…

 ♪ Um dia desses
Num desses
Encontros casuais
Talvez a gente
Se encontre
Talvez a gente
Encontre explicação

Um dia desses
Num desses
Encontros casuais
Talvez eu diga:
– Minha amiga
Pra ser sincero
Prazer em vê-la!
Até mais 

. Engenheiros do Havaí .

Resenha: As Listas de Casamento de Becky Bloom

Livro: As Listas de Casamento de Becky Bloom
Autor(a): Sophie Kinsela
Editora:
 Record
Páginas: 446

Nota: 3
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

Becky está andando nos trilhos pela primeira vez em sua vida. Ela conseguiu um emprego de consutora de compras no qual ela gasta o dinheiro das outras pessoas e ainda é paga pra isso, mora num ótimo apartamento em Manhattan com Luke, o homem da sua vida e até mesmo abriu uma conta conjunta com ele. Sua melhor amiga também encontrou o homem de sua vida e no dia de seu casamento, Luke pede Becky em casamento também! O modo como o pedido foi feito foi super original e muito fofo. Fiquei encantada!

E é então que a confusão se instala na vida do casal! É claro que não se podia esperar de um livro de Becky Bloom, sossego e paz, não é mesmo? A mãe de Becky quer um casamento tradicional e familiar na Inglaterra, enquanto a sogra quer uma festa de cinema em Nova York. Becky precisa escolher onde e como vai casar, mas não consegue, perdida na escolha do vestido e na preparação da lista de presentes. O tempo vai passando e de repente, ela se vê em grandes apuros. Como é que ela vai conseguir conciliar duas cerimônias no mesmo dia, na mesma hora e em dois continentes diferentes? Ainda bem que o noivo é o mesmo!!!

Mais um romance muito divertido de Sophie Kinsella, embora eu tenha que confessar que não dei mais estrelas porque fiquei com raiva da Becky em vários momentos. Afinal, ela não se decidia nunca, ia deixando o problema tomar proporções gigantescas, foi me dando desespero! No fim ela dá um jeitinho, todo Becky, no problema, mas também achei muito mirabolante pra ser real!

Afora isso, vale a pena a leitura, afinal faz parte de Becky!

Resenha: A Paixão pelos Livros

Livro: A Paixão pelos Livros
Autor(a): Julio Silveira [e] Martha Ribas (org.)
Editora:
 Casa da Palavra
Páginas: 152

Nota: 5
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

Maravilhoso!
Julio Silveira e Martha Ribas estão de parabéns pela organização desta obra simplesmente encantadora! Com contos e citações maravilhosos de autores consagrados e apaixonados por livros, fui totalmente conquistada. A divisão dos textos, as citações escolhidas, tudo de muito bom gosto. O primeiro texto da obra já é arrebatador: José Mindlin, o famoso bibliófilo, falando de seu amor pelos livros. Compartilho um trecho deste que amei em especial:

“Pra mim é difícil falar simplesmente de gosto pelos livros, porque em matéria de livros meu caso é muito mais grave: é um amor que vem desde a infância, que me tem acompanhado a vida inteira, e ainda acima disto, é incurável”

Perfeito. Assim como Mindlin, pra mim também é muito difícil falar do meu gosto por livros e por isso gostei tanto desse livro e com certeza irei relê-lo muitas e muitas vezes!

Leitura mais do que recomendada, obrigatória para os amantes de livros!

Sucesso

“Rir muito e com frequência; ganhar o respeito de pessoas inteligentes e o afeto das crianças; merecer a consideração de críticos honestos e suportar a traição de falsos amigos; apreciar a beleza, encontrar o melhor nos outros; deixar o mundo um pouco melhor, seja por uma saudável criança, um canteiro de jardim ou uma redimida condição social; saber que ao menos uma vida respirou mais fácil porque você viveu. Isso é ter tido sucesso“.

. Bessie Stanley .