Resenha: O Dia do Curinga

Livro: O Dia do Curinga
Autor(a):
Jostein Gaarder
Editora:
 Record
Páginas: 382

Nota: 3
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

Ótimo!
Ótima leitura, cheia daquilo que Gaarder sabe fazer muito bem: unir mistério, filosofia, questionamentos desconcertantes e uma narrativa cativante.

A história é sobre uma viagem do sul da Noruega à Grecia, passando pelos Alpes Suíços, feita por um rapaz e seu pai “filósofo” em busca da mulher que os tinha abandonado oito anos atrás.

O que achei fascinante foi a divisão do livro. Gaarder constrói a história com as cartas de um baralho, com cada capítulo correspondendo a um número e um naipe. Além disso, neste livro a “filosofia” embutida é bem rasa e não cansa. Ao contrário disso são os questionamentos levantados ao longo da história que fazem refletir, o que é o ponto importante e forte do livro.

Legal também foi ler na orelha do livro que Gaarder conta que ao terminar o livro, viu seu próprio personagem (o garoto) recém-chegado de sua incrível aventura, procurar em vão nas livrarias da cidade uma história da filosofia adequada a alguém de sua idade. Desapontado com a procura frustrada do garoto, Gaarder voltou para casa disposto a preencher essa lacuna. E é assim que nasce “O mundo de Sofia”.

Leitura recomendada!

Das Vantagens de ser Bobo

O bobo, por não se ocupar com ambições, tem tempo para ver, ouvir e tocar o mundo. O bobo é capaz de ficar sentado quase sem se mexer por duas horas. Se perguntado por que não faz alguma coisa, responde: “Estou fazendo. Estou pensando.”

Ser bobo às vezes oferece um mundo de saída porque os espertos só se lembram de sair por meio da esperteza, e o bobo tem originalidade, espontaneamente lhe vem a ideia.

O bobo tem oportunidade de ver coisas que os espertos não vêem. Os espertos estão sempre tão atentos às espertezas alheias que se descontraem diante dos bobos, e estes os vêem como simples pessoas humanas. O bobo ganha utilidade e sabedoria para viver. O bobo nunca parece ter tido vez. No entanto, muitas vezes, o bobo é um Dostoiévski.

Há desvantagem, obviamente. Uma boba, por exemplo, confiou na palavra de um desconhecido para a compra de um ar refrigerado de segunda mão: ele disse que o aparelho era novo, praticamente sem uso porque se mudara para a Gávea onde é fresco. Vai a boba e compra o aparelho sem vê-lo sequer. Resultado: não funciona. Chamado um técnico, a opinião deste era de que o aparelho estava tão estragado que o conserto seria caríssimo: mais valia comprar outro. Mas, em contrapartida, a vantagem de ser bobo é ter boa-fé, não desconfiar, e portanto estar tranqüilo. Enquanto o esperto não dorme à noite com medo de ser ludibriado. O esperto vence com úlcera no estômago. O bobo não percebe que venceu.

Aviso: não confundir bobos com burros. Desvantagem: pode receber uma punhalada de quem menos espera. É uma das tristezas que o bobo não prevê. César terminou dizendo a célebre frase: “Até tu, Brutus?”

Bobo não reclama. Em compensação, como exclama!

Os bobos, com todas as suas palhaçadas, devem estar todos no céu. Se Cristo tivesse sido esperto não teria morrido na cruz.

O bobo é sempre tão simpático que há espertos que se fazem passar por bobos. Ser bobo é uma criatividade e, como toda criação, é difícil. Por isso é que os espertos não conseguem passar por bobos. Os espertos ganham dos outros. Em compensação os bobos ganham a vida. Bem-aventurados os bobos porque sabem sem que ninguém desconfie. Aliás não se importam que saibam que eles sabem.

Há lugares que facilitam mais as pessoas serem bobas (não confundir bobo com burro, com tolo, com fútil). Minas Gerais, por exemplo, facilita ser bobo. Ah, quantos perdem por não nascer em Minas!

Bobo é Chagall, que põe vaca no espaço, voando por cima das casas. É quase impossível evitar excesso de amor que o bobo provoca. É que só o bobo é capaz de excesso de amor.

E só o amor faz o bobo.

Clarice Lispector
in Clarice na Cabeceira: Crônicas

Resenha: Battle Royale

Livro: Battle Royale (Mangá em 15 exemplares)
Autor(a): Sophie Kinsela
Editora:
 Conrad
Páginas: 3093

Nota: 5
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

Sou suspeita, pois adoro mangá e anime. Acho os desenhos lindos e as histórias fascinantes. Esse não poderia ser diferente. Fascinante, excelente, criativo, chocante e excepcionalmente viciante. É engraçado, porque não é que é maravilhoso, afinal é triste e doloroso, mas é simplesmente impossível de parar de ler. Você se vê a todo momento torcendo, querendo ter esperanças mesmo sabendo do inevitável. Fiquei impressionada com a maneira crua como os autores conseguiram demonstrar tantas facetas do carácter humano nessa história. Eu ainda me choco ao constatar até onde certas pessoas são capazes de chegar em momentos de crise. E ainda assim, no meio de tanto horror, foi possível manter em algumas personagens, os valores importantes e a esperança inabalável naquilo que é certo. Recomendo a leitura!

Inteligentes demais…

“O ato essencial da guerra é a destruição, não necessariamente de vidas humanas, mas dos produtos do trabalho humano. A guerra é uma forma de despedaçar, de projetar para a estratosfera ou de afundar nas profundezas do mar materiais que, não fosse isso, poderiam ser usados para conferir conforto excessivo às massas e, em consequência, a longo prazo, torná-las inteligentes demais”.

. George Orwell in 1994 .

Continuar lendo

Resenha: Outra Volta do Parafuso

Livro: Outra Volta do Parafuso
Autor(a): Henry James
Editora:
 Abril
Páginas: 208

Nota: 2
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

Tudo bem, é considerado um clássico e Jorge Luis Borges, a quem admiro demais, pode até dizer que Henry James era mestre em criar “situações deliberadamente ambíguas e complexas, capazes de indefinidas e quase infinitas leituras”, mas achei-o cansativo e monótono. Raras exceções quando algum momento da trama prendeu minha atenção e pensei que a narrativa estava enfim avançando, mas logo voltava a morosidade normal. Não é uma história de todo péssima e até me fez lembrar ─ e bastante ─ do livro ‘A menina que não sabia ler’, afinal neste também a história gira em torno de duas crianças, sua preceptora, um casarão no meio do nada e um tio tutor que jamais aparece. Aliás, os nomes das crianças são até parecidos: Miles e Flora em ‘Outra Volta do Parafuso’ e Giles e Florence em ‘A Menina que não sabia ler’.  Claramente houve uma inspiração de Henry James na escrita do segundo. Mesmo assim, a leitura foi apenas razoável e o final não correspondeu às expectativas em minha humilde opnião de leitora.

Devemos ter raiva.

“Estou com raiva. Devemos ter raiva. Ao longo da história, muitas mudanças positivas só aconteceram por causa da raiva. Além da raiva, também tenho esperança, porque acredito profundamente na capacidade de os seres humanos evoluírem”.

Chi­ma­man­da Ngo­zi Adi­chie in Sejamos Todos Feministas .

Por meio dos livros…

“Não havia nada que ela apreciasse mais do que sentir o peso de um exemplar bem volumoso nas mãos e sentir que cada tomo de sabedoria daqueles era mais raro, maravilhoso e fascinante que o anterior. Se deliciava com o cheiro da tinta, a aspereza do papel junto dos dedos, o farfalhar das páginas, a forma das letras encantando seus olhos. Mas, acima de tudo, adorava o modo como os livros a faziam sair de sua vidinha mundana e sufocante e ofereciam experiências de uma centena de outras vidas. Por meio dos livros, conseguia ver o mundo”.

. Cynthia Hand, Brodi Ashton e Jodi Meadows in Minha Lady Jane .